Athletico e Flamengo ficam no empate em Curitiba

11/07/2019 09:510 comments
Athletico e Flamengo ficam no empate em Curitiba

Na noite desta quarta-feira (10), Athletico-PR e Flamengo mediram forças pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Na Arena da Baixada, o duelo rubro-negro terminou 1 a 1 e vai para o Rio de Janeiro completamente indefinido. O segundo e derradeiro encontro entre as equipes está marcado para o próximo dia 17.

O jogo

Na Arena da Baixada, o Flamengo tentou surpreender o Athletico e ensaiou uma pressão logo nos primeiros minutos da partida. Aos três, Vitinho mandou uma bomba para o gol e viu a bola passar tirando tinta da meta paranaense. Após o susto inicial, o Furacão colocou ordem na casa e passou a ter o domínio do jogo. Só que as melhores chances do Furacão apareceram somente depois dos 40 minutos da primeira etapa. Aos 44, Nikão soltou o pé para grande defesa de Diego Alves. Já nos acréscimos, foi a vez de Bruno Guimarães arriscar a finalização e, novamente, o arqueiro carioca apareceu para evitar o gol. E ainda teve tempo para mais. Aos 47, Lucas Halter pegou uma sobra na área e, de frente para a meta, mandou para fora.

E se o placar ficou zerado nos primeiros 45 minutos, na volta do intervalo a história foi diferente e o jogo ganhou em emoção. Com menos de cinco minutos, o Athletico abriu o marcador. Depois de cobrança de escanteio, Léo Pereira apareceu livre para balançar as redes: 1 a 0. Na marca dos 19, veio o empate do Flamengo. Gabriel aproveitou uma falha da defesa adversária, ganhou da marcação e mandou por cima do goleiro do Furacão: 1 a 1. E os visitantes queriam mais. Aos 24, Arrascaeta cobrou escanteio na medida para Bruno Henrique, que cabeceou bonito, mas Santos fez milagre para impedir a virada. Na sequência, foi a vez do time da casa voltar ao ataque. Nazário pegou uma sobra na área e bateu forte, mas Rodrigo Caio salvou o Fla quase em cima da linha. O Athletico ainda teve uma mais uma chance com Nazário, que parou nas mãos de Diego Alves.

CBF

Palmeiras venceu o Internacional na 1ª partida das quartas da Copa do Brasil

09:490 comments
Palmeiras venceu o Internacional na 1ª partida das quartas da Copa do Brasil

O Palmeiras foi cirúrgico, na noite desta quarta-feira (10), e venceu o Internacional por 1 a 0, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. No Allianz Parque, Zé Rafael fez o único gol da partida. As equipes voltam a se encontrar no próximo dia 17, no Beira-Rio.

O jogo

Palmeiras e Internacional protagonizaram um primeiro tempo bastante equilibrado no campo, mas nem tanto no placar. Com as duas equipes marcando bem, as chances foram poucas. E quando apareceram só um time soube aproveitar. Jogando em casa, o Verdão foi fatal e fez a rede balançar logo na primeira oportunidade que teve. Na marca dos 19 minutos, Bruno Henrique fez cruzamento na medida para Zé Rafael, que testou firme direto para o fundo das redes do Allianz Parque: 1 a 0. O Colorado até tentou uma resposta imediata, mas Weverton salvou o time da casa depois de boa finalização de Nico López.

Na volta do intervalo, o cenário do jogo não mudou: muita marcação e poucos espaços no ataque. Querendo o empate, o Inter teve as melhores chances com Nico López. Já o alviverde, chegou com perigo pelos pés de Dudu. Mas novamente as defesas prevaleceram e o resultado parcial da primeira etapa permaneceu até o apito final.

CBF

Seleção brasileira vence o Peru e conquista a Copa América

07/07/2019 19:350 comments
Seleção brasileira vence o Peru e conquista a Copa América

“Não vai ser de brincadeira ele vai ser campeão”. O torcedor avisou antes mesmo de a bola rolar neste domingo (7). No campo, a Seleção Brasileira correspondeu à altura. Em noite de reencontros, “o campeão voltou”. Voltou ao Maracanã, voltou a disputar uma final. Dentro de casa, o Brasil venceu o Peru por 3 a 1 e levantou a taça da Copa América pela nona vez em sua história.

E se é em solo brasileiro, o torneio só podia terminar com o título da Canarinho. A edição 2019 da competição foi a quinta que aconteceu no país e em todas elas a Seleção Brasileira sagrou-se campeã (1919, 1922, 1949, 1989 e 2019).

O jogo

O duelo começou nervoso para a Seleção Brasileira, que viu o Peru criar duas boas chances em cinco minutos de jogo. Na primeira tentativa, Cueva cobrou falta com perigo e, na sequência, Tapia arriscou de fora da área. Passado o susto inicial, o Brasil colocou a bola no chão e na base da habilidade mostrou o que sabe fazer de melhor. E foi desse jeito que a rede balançou pela primeira vez. Aos 14 minutos, Gabriel Jesus recebeu lançamento na direita, driblou a marcação e cruzou na medida para Everton, que apareceu livre na área e emendou o chute fazendo explodir a torcida presente no Maracanã.

O gol deu tranquilidade para a Canarinho, que seguiu pressionando e ocupando todos os espaços do campo ofensivo. Na marca dos 23 quase veio o segundo. Dessa vez chegando pela esquerda, Firmino achou Coutinho pelo meio. O camisa 11 fez o desvio e viu a bola tirar tinta da trave adversária. O Brasil não deu trégua e, aos 35, Firmino cabeceou por cima da meta depois de ótimo cruzamento de Alex Sandro. Já aos 40 minutos, o Peru tentou responder e a arbitragem pegou um toque de mão dentro da área assinalando pênalti para os peruanos. Foi aí que o VAR entrou em ação e a tensão tomou conta do estádio. Com penalidade confirmada, Guerrero deixou tudo igual, aos 43: 1 a 1. Mas o empate durou pouco. Quatro minutos foi o tempo que a Seleção Brasileira precisou para reassumir o placar. Nos acréscimos da primeira etapa, Arthur deu belo passe para Gabriel Jesus, que bateu rasteiro no cantinho sem dar chances para defesa do goleiro Gallese.

Na volta do intervalo, a Canarinho não quis saber de diminuir o ritmo. Logo aos cinco minutos, Coutinho invadiu a área e mandou para o gol com muito perigo. Na sequência, Firmino teve mais uma chance. Everton fez jogada individual pela esquerda, tocou para Alex Sandro, que cruzou para o atacante cabecear rente ao poste. Aos 24, o Brasil passou a jogar com um a menos após expulsão de Gabriel Jesus. Em vantagem numérica, os peruanos ensaiaram uma pressão no ataque. Bem postado na defesa, a Seleção se fechou bem, na raça segurou o ímpeto dos adversários e ainda ampliou o marcador. Aos 41, o árbitro marcou pênalti para a Canarinho depois que Everton foi derrubado na área. Com a bola na marca da cal, Richarlison bateu com segurança e fechou a conta. Enquanto isso, nas arquibancadas o torcedor fazia seu show com gritos de “é campeão”, “olé” e tudo mais que se tem direito em um domingo de futebol, Maracanã e título.

BRASIL: Alisson; Dani Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Coutinho (Éder Militão); Everton (Allan), Gabriel Jesus e Firmino (Richarlison). Técnico: Tite

Peru vence Chile e faz final da Copa América com Brasil

04/07/2019 09:230 comments
Peru vence Chile e faz final da Copa América com Brasil

A seleção do Peru venceu hoje a equipe do Chile por 3 a 0 e disputará a decisão da Copa América com o Brasil no próximo domingo no estádio do Maracanã. Esta será uma final inédita da competição.

Com a classificação de hoje, o Peru retorna a uma final de Copa América após um hiato de 44 anos. A última vez em que jogou uma decisão do torneio foi em 1975, quando ficou com o título.

O jogo

O jogo realizado nesta quarta (3) na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, começou muito movimentado. A seleção peruana se posiciona no campo do adversário e realiza marcação sob pressão.

E esta pressão dá resultado logo com 2 minutos, quando o Peru tem uma chance clara de abrir o placar. Carrillo toca em profundidade para Guerrero, que se livra de Medel e toca para Cueva, que, da entrada da área, chuta com perigo.

Mas a equipe do Chile aproveita os espaços dados pela defesa peruana para chegar com perigo no contra-ataque. Aos 6 minutos Alexis Sánchez recebe na ponta esquerda e toca para o lateral Beausejour, que cruza para o volante Aránguiz chutar, por pouco, para fora.

Porém, quem consegue fazer o 1 a 0 é o Peru. Aos 20 minutos Cueva recebe na ponta direita, cruza para a área, Carrillo escora de cabeça para Flores, que chuta cruzado para vencer o goleiro Arias.

Com a vantagem no placar, a seleção peruana adota uma postura mais conservadora, com a defesa mais recuada e com menos pressão na marcação. Isto permite ao Chile crescer um pouco no jogo.

Mas, aos 37 minutos, a defesa do Chile sofre um apagão e permite que o Peru marque o segundo gol. Carrillo recebe lançamento livre na ponta direita. O goleiro Arias sai da grande área para tentar cortar a bola. Mas o meia peruano dribla o goleiro chileno e cruza para o meio da área. Yotún mata no peito e chuta para o gol vazio.

A partir de então o Chile parte com tudo para o ataque. E aos 43 minutos tem ótima chance de descontar. Aránguiz cobra escanteio e Fuenzalida pega de primeira para boa defesa do goleiro Gallese. Mas o placar não sofre mais alteração até o intervalo.

Gallese brilha

O Chile começa o segundo tempo pressionando muito. Logo aos 5 minutos consegue uma boa chance. Aránguiz cobra falta e Alexis Sánchez finaliza de cabeça, mas a bola bate na trave do gol de Gallese.

Por outro lado, o Peru aproveita os espaços para contra-atacar com perigo. Aos 14 minutos Carrillo avança em velocidade e toca para Guerrero, que encontra Cueva. O meia deixa Yotún na cara do gol. Mas ele chuta muito mal, perdendo uma ótima oportunidade.

Aos 22 minutos são os chilenos que chegam com perigo. Beausejour recebe lançamento na ponta esquerda e bate de primeira. A bola vai com muito perigo, mas Gallese espalma para fora.

Aos 29 minutos o goleiro peruano volta a brilhar. O Peru perde a bola no campo de ataque e permite contra-ataque rápido do Chile. Com isso Eduardo Vargas recebe lançamento e fica livre para finalizar. Mas Gallese sai bem do gol e consegue espalmar a bola para fora.

Aos 36 surge nova chance do Chile. A bola sobra na entrada da grande área e Alexis Sánchez chuta com força e colocado para ótima defesa do goleiro peruano.

Se por um lado o Chile não conseguia marcar, o Peru não desperdiça as poucas oportunidades que tem. Assim, aos 45 minutos Guerrero marca o seu. Ele recebe passe em profundidade de Tapia na entrada da área, dribla Arias e toca para o gol vazio.

Com este gol Guerrero se torna o maior artilheiro em atividade da história da Copa América com 13 gols.

Aos 48 minutos Abram derruba Aránguiz dentro da área e, com o auxílio do VAR (árbitro de vídeo), o juiz colombiano Wilmar Roldán assinala pênalti. Eduardo Vargas cobra com uma cavadinha, mas perde a oportunidade de marcar o gol de honra de sua equipe ao ver Gallese pegar seu pênalti. Partida espetacular do goleiro peruano e vitória de 3 a 0 do Peru.

Final

A final da Copa América será no próximo domingo, no estádio do Maracanã, a partir das 17h (horário de Brasília).

O Brasil busca seu nono título na competição (a última conquista foi em 2007). Já a seleção do Peru busca seu terceiro título, após as conquistas de 1939 e 1975.

As seleções do  Brasil e Peru já se enfrentaram nesta edição da Copa América, com vitória de 5 a 0 da equipe brasileira em jogo válido pela 3ª rodada da fase de grupos da competição.

Ficha técnica:

Quarta-feira, 3 de julho de 2019

CHILE 0 X 3 PERU

Competição: Copa América (semifinal).

Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre.

Juiz: Wilmar Roldán (Colômbia).

Chile: Arias; Isla, Medel, Maripán (Castillo) e Beausejour; Pulgar, Aránguiz e Vidal; Fuenzalida (Sagal), Eduardo Vargas e Alexis Sánchez. T: Reinaldo Rueda.

Peru: Gallese; Advincula, Abram, Zambrano e Trauco; Yotún, Tapia, Carrillo (Polo), Cueva (Ballón) e Flores (Gonzáles); Paolo Guerrero. T: Ricardo Gareca.

Gols: No 1º tempo: Flores (20) e Yotún (37). No 2º tempo: Guerrero (45).

Agência Brasil

Brasil vence a Argentina por 2 a 0 e passa para final da Copa América

03/07/2019 09:290 comments
Brasil vence a Argentina por 2 a 0 e passa para final da Copa América

Estádio lotado, com mais de 50 mil pessoas, presença até mesmo do presidente da República, um clássico sul-americano com direito a um camisa 10 eleito cinco vezes o melhor do mundo no time adversário. Atmosfera perfeita para a Seleção Brasileira reerguer o orgulho do torcedor e para Tite rebater aqueles que criticam seu trabalho.

O jogo começou disputadíssimo, com carrinhos, faltas e muita marcação. A primeira chance argentina foi um chute de longe de Paredes, que passou sobre o gol de Alisson. A resposta brasileira ocorreu aos 18 minutos. Daniel Alves abriu na ponta para Firmino. Ele cruzou rasteiro e dentro da área, Gabriel Jesus só escorou para o fundo das redes de Armani. A torcida foi à loucura! Era o primeiro gol do atacante do Manchester City na Copa América, era o gol que aliviava toda uma nação!

Mas alívio mesmo quem deve ter sentido foi o goleiro Alison aos 29 minutos. Cruzamento para a área brasileira, Agüero tocou de cabeça e a bola foi caprichosa tocar no travessão e voltou para campo, onde Thiago Silva tirou o perigo definitivamente. Um sufoco!

O Brasil saiu satisfeito ao final do 1º tempo com a vitória mínima. Daniel Alves foi quem esbanjou maior classe, atuando bem tanto na defesa quanto no ataque. O lado esquerdo do campo, com Alex Sandro e Éverton Cebolinha foi totalmente anulado pela marcação argentina. A equipe vencia, mas deixava espaços para os portenhos crescerem no jogo.

No 2º tempo, logo aos 10 minutos, o Brasil desperdiçou uma ótima chance com Philipe Coutinho que, dentro da área, acabou chutando por cima da meta. No minuto seguinte, como se respondesse, Messi encheu o pé esquerdo e acertou a trave de Alisson novamente. No rebote, Thiago Silva cortou. Quase que a Seleção leva seu primeiro gol nesta Copa América. Mas, como diz o ditado popular, “um bom goleiro também precisa ter sorte”.

Aos 20 minutos, Alisson provou que não precisava só da trave. Messi cobrou falta com perfeição, no ângulo, e o goleiro brasileiro encaixou firme. Cinco minutos depois, em contra-ataque rapidíssimo, Gabriel Jesus foi ganhando dos rivais na base da trombada, entrou na área e tocou para Roberto Firmino, livre, só empurrar para as redes de Armani: 2 a 0. Num momento crítico do jogo, o Brasil conseguia matar a Argentina e decretar a classificação para a final da Copa América.

Domingo, no Maracanã, às 17 horas, a Seleção enfrentará o vencedor da semifinal entre Chile e Peru, lutando para conquistar seu nono título da competição. A Argentina, sem ganhar uma taça desde 1993, continua seu longo jejum. Nem mesmo o fato de contar com Messi ajudou a alviceleste a conquistar um título neste século XXI. O Brasil, que teve no capitão Daniel Alves seu maior jogador, mantém uma escrita: pode conquistar seu quinto título de Copa América na quinta edição disputada em território nacional.

O técnico Tite, que passou duas noites sem dormir, pode relaxar depois desta grande vitória sobre a Argentina. Os jogadores podem puxar o samba em voz alta. O melancólico tango portenho, cheio de versos de lamentação, também cai bem nesta ocasião.

Nesta quarta-feira(3), a equipe vai para o Rio de Janeiro, onde subirá a serra, rumo à concentração da Granja Comary, em Teresópolis.

Ficha técnica:
Terça-feira, 2 de julho de 2019
BRASIL 2 x 0 ARGENTINA
Competição: Copa América (Semifinal)
Local: Belo Horizonte (MG)
Juiz: Roddy Zambrano (Equador)
Público: 52.235
Brasil: Alisson, Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos (Miranda) e Alex Sandro; Arthur, Casemiro e Philipe Coutinho; Gabriel Jesus (Allan), Firmino e Éverton Cebolinha (Willian). T: Tite.
Argentina: Armani, Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico (Dybala); De Paul (Lo Celso), Paredes e Acuña (Di Maria); Messi, Martínez e Agüero. T: Lionel Scaloni.
Gols: No 1º tempo: Gabriel Jesus (18). No 2º tempo: Firmino (25).

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou o jogo no Mineirão e comemorou a vitória da seleção brasileira ao lado de Neymar.

Agência Brasil

EUA vencem Inglaterra por 2 a 1 e seguem para final da Copa feminina

06:300 comments
EUA vencem Inglaterra por 2 a 1 e seguem para final da Copa feminina

Em um jogo muito movimentado, os Estados Unidos venceram a Inglaterra por 2 a 1 e se classificaram para a final da Copa do Mundo de Futebol Feminino. Com a vitória obtida no estádio de Lyon, as norte-americanas têm agora a chance de defender o seu título mundial e de alcançar seu quarto caneco na competição.

As norte-americanas já foram campeães em 1991, em 1999 e em 2015, além de alcançarem um vice-campeonato em 2011.

EUA começam melhor

Para surpresa da torcida americana, a técnica Jill Ellis optou por escalar a atacante Press no lugar de Rapinoe na equipe titular.

A primeira chance clara de gol saiu aos 3 minutos. Lavelle toca entre as pernas da zagueira Bright e chuta com força para defesa de Telford. Boa oportunidade dos Estados Unidos.

Aos 10 minutos, as americanas chegaram novamente e a jogada acabou em gol. Heath lança na ponta direita, Lavelle faz o corta-luz e a lateral O’Hara recebe livre para cruzar na medida para Press, que cabeceia para o fundo do gol adversário. 1 a 0 para os EUA, com gol da substituta de Rapinoe.

Mas a Inglaterra não desanimou com a desvantagem no placar e conseguiu empatar ainda na etapa inicial. Aos 19 minutos Mead recebe passe longo na ponta esquerda e cruza para White, que toca de primeira para vencer a goleira Naeher.

Aos 24 minutos, as norte-americanas tiveram uma boa chance com Lavelle, que chuta forte de primeira da grande área para excelente defesa de Telford.

Aos 31 minutos, porém, não teve jeito: os EUA conseguiram marcar. A zagueira Dahlkemper faz lançamento em direção à ponta direita, Press mata no peito e toca para Horan, que lança em profundidade para Morgan, que infiltra e finaliza de cabeça para vencer Telford.

Dois minutos depois as inglesas tiveram outra oportunidade clara, com um belo chute de fora da área de Walsh, mas a goleira Naeher se estica toda para defender. Um ótimo primeiro tempo das duas equipes.

2º tempo agitado

O segundo tempo começa com uma dinâmica diferente, com as duas equipes lutando muito pela posse de bola e cometendo inúmeras faltas.

Enquanto a Inglaterra buscava, de todas as formas, espaços para criar chances de gol, os EUA guardavam a defesa esperando uma oportunidade clara de contra-atacar.

E aos 14 minutos as americanas têm uma boa oportunidade de marcar, quando a goleira Telford erra em toque para Bright. Press rouba a bola e chuta com perigo, mas para fora.

Aos 21 minutos a Inglaterra consegue colocar a bola no fundo da rede do gol americano. Walsh lança para Scott, que escora para White, que sai na cara do gol para tocar na saída da goleira Naeher. Mas a juíza brasileira Edina Alves anula o gol, com auxílio do VAR (árbitro de vídeo), ao marcar impedimento.

Aos 32 minutos, o time inglês tem uma nova oportunidade clara. Stokes recebe na ponta esquerda e cruza para o meio da área, onde White, muito pressionada pela zaga adversária, não consegue finalizar. O VAR indica a possibilidade de um possível pênalti de Sauerbrunn na atacante inglesa. Após consulta ao monitor, a infração é confirmada. Houghton vai para a cobrança, mas a goleira Naeher pula bem e defende.

E o que parecia complicado fica ainda mais difícil após a expulsão da zagueira Bright por acúmulo de cartões amarelos.

Assim, no final as americanas conseguem segurar a vantagem e a classificação. Agora a seleção dos EUA aguarda o vencedor da partida entre Suécia e Holanda para saber quem será seu adversário na final da competição, no próximo domingo (7), em Lyon.

Ficha técnica:

Terça, 2 de julho de 2019

INGLATERRA 1 X 2 ESTADOS UNIDOS

Competição: Mundial Feminino (semifinal)

Local: Lyon, França.

Juíza: Edina Alves Batista (Brasil)

Inglaterra: Telford; Bronze, Houghton, Bright e Stokes; Scott, Walsh (Moore), Mead (Kirby) e Daly (Stanway); White e Parris. T: Phil Neville.

Estados Unidos: Naeher; O’Hara (Krieger), Dahlkemper, Sauerbrunn e Dunn; Lavelle (Mewis), Horan e Ertz; Heath (Lloyd), Morgan e Press. T: Jill Ellis.

Gols: No 1º tempo: Press (10), White (19) e Morgan (31).

Agência Brasil