Líder grego admite ‘erros’ e cita avanços na proposta a credores

11/07/2015 02:250 comments

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, defendeu nesta sexta-feira (10), perante o Congresso da Grécia, avanços na proposta de acordo feita aos credores do país, mas admitindo que ela contém medidas “difíceis” e distantes do pacto eleitoral feito pela esquerda radical. Tsipras fez um discurso no Parlamento, onde deve ser votada nesta sexta a proposta enviada pelo governo grego na quinta-feira (9) ao Eurogrupo para receber ajuda financeira.

Em discurso no Parlamento, o chefe do executivo também reconheceu ter cometido “erros” durante os quase seis meses que está no poder, mas assegurou ter feito “tudo o que foi humanamente possível” para salvar a Grécia da ruína financeira.

O pacote de cortes de gastos do governo e aumento de impostos apresentado por Tsipras ao Eurogrupo foi visto como uma saída similar às medidas rejeitadas em um referendo no domingo (5).

Por isso, manifestantes se reuniram em frente ao parlamento para protestar contra a proposta. Do lado de dentro também houve protestos, com parlamentares exibindo cartazes com a palavra “oxi”, que quer dizer “não” em grego.

No discurso, Tsipras considerou que a Grécia está diante de “uma opção de grande resposabilidade”, que “leva ao dever nacional de manter o povo em vida”. Ele fez um apelo para que o congresso aprove o pacote de reformas submetido aos credores. “Pela primeira vez temos sobre a mesa uma discussão substancial para reestruturação da dívida”, afirmou o premiê.

Tsipras afirmou que a Grécia cumprirá o pagamento de € 6,8 bilhões em títulos que estão vencendo do Banco Central Europeu (BCE) em julho e agosto. O premiê afirmou ainda que o controle de capitais imposto aos bancos não forçará o governo a tomar novas medidas fiscais.

Gregos votam contra exigências de credores por empréstimo

30/05/2015 01:040 comments

Com dois terços dos votos apurados, o “não” parece ser o vencedor do plebiscito deste domingo na Grécia, com a população rejeitando a adoção de mais medidas de austeridade como forma de obter mais ajuda econômica de credores como a União Européia e o Fundo Monetário Internacional (FMI). As urnas fecharam às 13h (de Brasília) e, segundo o Ministério do Interior grego, 61% dos votos foi para o “não” contra 39% votando pelo “sim”.

Antes mesmo do fim da apuração, dezenas de milhares de pessoas foram para a praça Syntagma, no centro de Atenas, para celebrar o resultado. Em um pronunciamento na noite deste domingo, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que não foi um voto contra a Europa, mas uma permissão para ele negociar uma solução viável para a crise do país e acrescentou que povo grego fez uma “escolha muito corajosa”. Tsipras afirmou ainda que o governo está pronto para voltar imediatamente para as negociações com os credores.

O partido do governo, o Syriza, fez campanha pelo “não, afirmando que as exigências dos órgãos internacionais para liberar mais ajuda econômica para o país eram humilhantes. E o resultado deste domingo mostrou que a maioria dos gregos optou por desafiar a pressão da comunidade internacional. A campanha pelo “sim” afirmava que a rejeição dos gregos poderia significar que o país fosse expulso da zona do euro.

Algumas autoridades da União Europeia também disseram que a vitória do “não” poderia ser vista como uma rejeição completa da possibilidade de negociação com os credores. Mas, autoridades do governo grego insistem que o resultado vai fortalecer sua posição e eles poderão chegar rapidamente a um acordo para a liberação de mais dinheiro. E, o governo do país já afirmou que os bancos gregos devem reabrir nesta terça-feira.

O ministro da Economia grego, Yanis Varoufakis, afirmou que o resultado foi um “grande sim à uma Europa democrática”. Varoufakis disse que a Grécia será “positiva” nas negociações com os credores

‘Governo popular’

Euclid Tsakalotos, o ministro do Exterior da Grécia, disse em entrevista ao canal de televisão local Star TV que duas coisas vão permitir que o país tente uma “solução que seja mais viável financeiramente” a partir do resultado da votação deste domingo. “Primeiramente, o governo agora tem um novo mandato popular e a segunda é o último relatório (do FMI) que afirma que a dívida grega é insustentável”, afirmou.

Há meses a Grécia estava em meio a uma negociação muito difícil com os credores internacionais até que, inesperadamente, o governo convocou um plebiscito no qual o povo do país teria que decidir se aceitava ou não as condições oferecidas. Os bancos gregos foram fechados e os saques em caixas eletrônicos foram limitados a 60 euros por dia. O Banco Central Europeu se recusou a dar ao país mais empréstimos de emergência.
Segundo o correspondente da BBC em Atenas, Mark Lowen, a festa que tomou as ruas de Atenas com a vitória do “não” no plebiscito não deve durar muito tempo.

“Há uma fatia considerável da nação grega profundamente insatisfeita com o que aconteceu. E o governo terá que unir um país dividido. Mais do que isso, é preciso chegar a um acordo com a zona do euro, e rápido”, afirmou. “Os bancos gregos estão ficando (com os fundos) criticamente baixos e vão precisar de outra injeção de fundos de emergência do Banco Central Europeu.”

Mas, segundo Lowen, a volta à mesa de negociações não deve ser fácil, já que o ministro da Economia grego, Yanis Varoufakis, até chamou a estratégia da zona do euro de “terrorismo”. “E com a crise nos bancos e a receita tributária caindo em meio à instabilidade, a economia grega se enfraqueceu de novo, tornando um acordo ainda mais difícil.”

Para o correspondente da BBC a retórica dura da zona do euro vai continuar. Mas agora o governo da Grécia terá uma resposta pronta: “colocamos suas exigências frente a um teste democrático – e elas foram rejeitadas”.

 

Fonte: Terra