Ratinho Júnior é eleito governador do Paraná no primeiro turno

08/10/2018 15:300 comments
Ratinho Júnior é eleito governador do Paraná no primeiro turno

O candidato Ratinho Júnior (PSD) venceu a disputa para o governo do Paraná no 1º turno, com 59,9% dos votos válidos. A atual governadora Cida Borghetti (PP) ficou em segundo lugar, com 15,5% dos votos válidos. João Arruda do MDB ficou na terceira colocação com 13,1% dos votos válidos, seguido de Dr. Rosinha do PT com 8,6%.

Filho do apresentador de televisão Carlos Massa, o Ratinho, estreou na política com 21 anos, quando foi eleito deputado estadual pelo PSB, no Paraná. Em 2006, concorreu a deputado federal, pelo PPS, e conquistou uma vaga na Câmara Federal.

Foi reeleito em 2010, dessa vez, filiado ao PSC. Dois anos depois, tentou, sem sucesso, ser prefeito de Curitiba. Após a derrota, voltou a atuar na capital paranaense: foi secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, no primeiro governo do tucano Beto Richa.

Em 2014, elegeu-se deputado estadual, com mais de 300 mil votos, a maior votação do Paraná. Durante o mandato na Assembleia Legislativa, assumiu novamente a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, mas tenta se desvincular politicamente do ex-governador.

Natural de Jandaia do Sul, tem 37 anos. É formado em Propaganda e Marketing pela Faculdade Internacional de Curitiba e pós-graduado em Direito do Estado pela Universidade Católica de Brasília. (Bem Paraná)

Oriovisto Guimarães e Flávio Arns são eleitos senadores pelo Paraná

15:020 comments
Arns e Oriovisto desbancaram Requião e Richa. Foto: Divulgação

Os candidatos Oriovisto Guimarães (Podemos) e Flávio Arns (Rede) foram eleitos senadores pelo Paraná. Com 100% das urnas apuradas, eles ficaram com 29,1% e 23%, respectivamente.

Arns e Oriovisto desbancaram Requião e Richa. Foto: Divulgação

O candidato Roberto Requião, que disputava a reeleição, ficou em terceiro lugar, com 15% dos votos válidos. Os dois candidatos recém-eleitos vão ocupar uma cadeira no Senado ao lado de Álvaro Dias (Podemos), que assumiu em 2014 e tem mais quatro anos de mandato.

O ex-governador Beto Richa (PSDB), que foi preso temporariamente durante o período eleitoral, teve apenas 3,7% dos votos válidos, ficando atrás de Alex Canziani (PTB) com 12,8% e Miriam Gonçalves do PT com 5,9%.

Ministro Gilmar Mendes manda soltar Beto Richa

14/09/2018 21:510 comments
Governador do Paraná, Beto Richa, durante sabatina na Comissão de Constituição e Justiça de Luiz Edson Fachin, indicado pela presidenta Dilma Rousseff para ministro do STF (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, decidiu hoje (14) soltar o ex-governador do Paraná, Beto Richa, preso nesta semana no âmbito da Operação Rádio Patrulha, que investiga o suposto direcionamento de licitação para beneficiar empresários e o pagamento de propina a agentes públicos no Paraná.

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Além de Richa, que é candidato ao Senado nas eleições de outubro, também serão soltos por meio da decisão mais 14 acusados que foram presos.

Richa e a esposa, a ex-primeira dama do estado e ex-secretária da Família, Fernanda Richa, que também foi presa, estão detidos provisoriamente no Regimento da Polícia Montada, da Polícia Militar, em Curitiba, por determinação da Justiça estadual.

No pedido de liberdade feito mais cedo ao STF, os advogados alegaram que não há motivos para a decretação da prisão porque os supostos fatos teriam corrido entre 2011 e 2013. A liminar foi enviada ao processo no qual Gilmar Mendes proibiu a condução coercitiva de investigados. Segundo a defesa, a prisão foi decretada em substituição à condução, violando a decisão do ministro, que foi confirmada posteriormente pelo plenário.

De acordo com o ministro, a decretação da prisão foi inconstitucional e violou a decisão da Corte sobre a condução coercitiva.  Além disso, Mendes disse que as prisões temporárias só podem ocorrer quando forem imprescindíveis para as investigações.

“Entende-se, como regra, que fatos antigos não autorizam qualquer espécie de prisão provisória, seja ela temporária ou preventiva, sob pena de desvirtuamento de sua finalidade e esvaziamento da garantia fundamental da presunção de inocência”, decidiu Mendes.

Agência Brasil

Moro afirma que suposto esquema de Beto Richa não era “crime trivial”

12/09/2018 08:470 comments
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O juiz federal Sérgio Moro afirmou em despacho que existem provas suficientes para justificar as buscas da Operação Piloto, 53ª fase da Lava Jato, na residência do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), e de seu irmão José Carlos Richa, o Pepe Richa. Para o magistrado, o suposto esquema de corrupção na gestão do tucano “não se trata de um crime trivial”.

Governador Beto Richa.-.foto Orlando Kissner/ANPr

A operação investiga o envolvimento de funcionários públicos e empresários com a empreiteira Odebrecht no favorecimento de licitação para obras na rodovia estadual PR-323, em 2014. A obra foi contratada por R$ 7,2 bilhões.

Segundo Sérgio Moro, trata-se de “complexas operações de lavagem [de dinheiro] em esquema criminoso que transcende o produto do crime de corrupção em questão”. “O contexto não é de envolvimento ocasional em crimes de corrupção, mas da prática de crimes de grande corrupção e de complexas operações de lavagem de dinheiro”.

Contrapartida

O juiz afirma no despacho que as investigações “apontam o pagamento de, pelo menos, R$ 3,5 milhões para direcionar licitação em favor do Grupo Odebrecht, com utilização de sofisticado sistema de ocultação e dissimulação do produto do crime, inclusive com utilização de contas secretas no exterior”.

“Não se trata, em princípio, de meras doações eleitorais não registradas, pois os pagamentos tiveram uma contrapartida, a atuação do chefe de gabinete do então governador para reduzir a concorrência da licitação para duplicação da PR-323 em benefício do Grupo Odebrecht”, ressaltou Sérgio Moro.

Segundo o juiz federal, o quadro probatório apresentado pela Polícia Federal e Ministério Público Federal “é mais do que suficiente para caracterizar causa provável a justificar a realização de busca e apreensão nos endereços dos investigados”.

“Faço essa ressalva especialmente em relação às buscas atinentes a parte dos investigados, como o ex-governador do estado Carlos Alberto Richa, em campanha eleitoral para o Senado. Há provas que justificam as buscas, pois ele é apontado como beneficiário dos valores provenientes dos crimes e de um esquema de lavagem de dinheiro. Ressalve-se, porém, que ainda se trata de uma fase de investigação, a busca nela se inserindo, e que, portanto, não é possível, no presente momento, qualquer afirmação conclusiva quanto à responsabilidade dele”, apontou no despacho.

Prisões

No despacho, o juiz federal determina a prisão de Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete de Richa no governo do Paraná, e de Jorge Atherino, empresário acusado de ser um dos operadores do recebimento de propinas do ex-governador. Os dois foram detidos nesta terça-feira.

“Há, conforme análise já efetuada, prova suficiente de materialidade e autoria de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, sendo que, em relação a Deonilson Roldo e Luciano Ribeiro Pizzato [delator do esquema], também há provas de autoria em relação ao crime de fraude à licitação”, destacou.

Na decisão, Sérgio Moro afirma que o volume das operações financeiras suspeitas de lavagem de dinheiro atribuídas a Deonilson Roldo e Jorge Theodocio Atherino parece transcender o crime de lavagem em relação a vantagens indevidas recebidas no contrato da duplicação da PR 323, “o que é indício de envolvimento em outros crimes de corrupção ou em lavagem de outros crimes de corrupção. A ilustrar, a movimentação financeira de mais de R$ 500 milhões das empresas de Jorge Theodocio Atherino e com mais quinze milhões recebidos em espécie”, apontou.

Segundo o despacho, Deonílson Roldo ocupou cargos relevantes no governo estadual e há indícios de que se envolveu na prática contínua de crimes de corrupção e de lavagem. “Como os mesmos esquemas de lavagem podem ter sido utilizados pelos beneficiários da vantagem indevida para ocultar e dissimular produto de outros crimes contra a administração pública, é legítima a realização de buscas e apreensões mais amplas”.

Patrulha Rural

Beto Richa, que é candidato ao Senado pelo PSDB, foi preso na manhã desta terça-feira (11) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), por também ser alvo de outra operação, a Patrulha Rural, deflagrada pelo Ministério Público Estadual do Paraná. Além dele, sua mulher, Fernanda Richa, e seu irmão também foram presos.

Ao todo, foram expedidos cinco mandados de prisão temporária e 26 de busca e apreensão em Curitiba, Londrina, Santo Antônio do Sudoeste e Nova Prata do Iguaçu.

Procurada, a assessoria de Beto Richa informou que ainda aguarda orientações da defesa para se manifestar. A reportagem ainda não conseguiu contato da defesa de Deonílson Roldo.

Agência Brasil

Beto Richa é preso em Curitiba em operação da Gaeco

11/09/2018 08:480 comments
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Em mais uma ação da Lava Jato, a Polícia Federal deflagrou hoje (11) a Operação Piloto na Bahia, em São Paulo e no Paraná. O objetivo é investigar o envolvimento de funcionários públicos e empresários com a empreiteira Odebrecht no favorecimento de licitação para obras na rodovia estadual PR-323.

Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Cerca de 180 policiais federais cumprem 36 ordens judiciais de busca e apreensão, de prisão preventiva e também prisão temporária em Salvador, São Paulo, Lupianópolis, Colombo e Curitiba – estas três últimas cidades no Paraná. Eles apuram denúncias de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. Um dos alvos da operação é o ex-governador do Paraná e candidato ao Senado Beto Richa.

As irregularidades teriam ocorrido em 2014 e envolvem o chamado Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht para beneficiar agentes públicos e privados no Paraná.

Em contrapartida, a construtora seria favorecida no processo de licitação para duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade parceria público-privada.

O nome de Operação Piloto remete ao codinome atribuído pelo Grupo Odebrecht em seus controles de repasses de pagamentos indevidos a investigados nesta ação policial. Os detidos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça.

Operação da Gaeco

Em outra operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), também deflagrada na manhã de hoje, os policiais cumpriram mandados de prisão em uma investigação sobre o programa Patrulha Rural. Entre os presos está Beto Richa e a mulher Fernanda.

Sicredi inaugura agência em Sengés

04/09/2018 10:380 comments
Sicredi inaugura agência em Sengés

Sengés – A Sicredi Novos Horizontes PR/SP, inaugurou na última sexta-feira, 31, em Sengés/PR, sua 10ª agência na área de atuação. A estrutura com 328m², oferece o que há de melhor em tecnologia, conforto e comodidade para os moradores do município. A agência inicia suas atividades com 300 associados e promete fortalecer ainda mais o relacionamento e os negócios financeiros para a comunidade.

O prefeito de Sengés, Nelson Ferreira Ramos, enalteceu a chegada do Sicredi em seu município, enfatizando a importância da instituição para a comunidade. “Sengés ganha muito com a chegada do Sicredi, pois essa cooperativa vem crescendo muito em todo Brasil, com isso, nos dá segurança, tranquilidade e temos a opção de ser donos do negócio em não apenas cliente” concluir o prefeito.

Para o presidente da Sicredi Novos Horizontes, Luciano Dias Carneiro Kluppel, esse é um momento marcante para nossa cooperativa, pois chegamos a Sengés com um número significativo de associados, atendendo o anseio da comunidade. “Nosso diferencial, está na valorização das pessoas e nosso comprometimento é fomentar a economia local com os investimentos praticados pelos nossos associados” ressaltou Kluppel.

Equipe de colaboradores da agência de Sengés

O diretor executivo da cooperativa Neuri Saggin, disse que o diferencial do Sicredi está na valorização das pessoas e oferece aos associados muito mais do que produtos e serviços, mas soluções que cooperam com o momento de vida de cada um. “Vale ressaltar que na próxima segunda feira dia 03 de setembro inicia-se as atividades da agência de Sengés com horário de atendimento ampliado: das 09:30 as 15:30 horas” finalizou Saggin.

Kelis Cristina Camara, gerente da agência de Sengés aproveitou para reforçar o convite aos moradores de Sengés, para visitar e conhecer mais sobre os Produtos e serviços da Sicredi.

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos 3,7 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.500 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.