Paraná ultrapassa os 14 mil casos de dengue e entra em alerta de epidemia

04/02/2020 16:250 comments
Mosquito Aedes aegypti. Foto: Pedro Ribas/ANPr

O Paraná registra atualmente 102,08 casos de dengue autóctones por 100 mil habitantes, incidência que confirma situação de alerta de epidemia no Estado. O dado está no boletim que monitora a doença e foi divulgado nesta terça-feira (4) pela Secretaria Estadual da Saúde.

Mosquito Aedes aegypti. Foto: Pedro Ribas/ANPr

O boletim aponta nesta semana 14.697 casos confirmados de dengue. São 3.815 a mais que a semana anterior, que apresentava 10.882. O aumento é de 35,06%. O total de casos notificados é de 49.464, registrados em 309 municípios do Paraná. “Alertamos a todo o paranaense, independente da região de residência, para a necessidade de eliminar os criadouros do mosquito transmissor da doença”, diz o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

“Cerca de 90% dos focos estão nos quintais e pátios e nos ambientes internos das residências e das empresas privadas e públicas. Precisamos do apoio de todos nesta ação de remoção, pois o período de maior transmissão dengue ainda não chegou”, afirma.

O índice infestação é calculado pela regra de três simples: divide-se o número de casos autóctones confirmados pelo número de habitantes e multiplica-se por 100 mil habitantes. No caso do Paraná são 11.585 casos autóctones e 11.348.937 milhões de habitantes, totalizando 102,08 casos por 100 mil habitantes.

MUNICÍPIOS – O boletim mostra que houve aumento, também, no número de municípios em situação de epidemia – eram 34 e agora são 50. Entraram para esta relação Indianópolis, Itaúna do Sul, Mirador, Planaltina do Paraná, Porto Rico, Santo Antônio do Caiuá, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Terra Rica, Atalaia, Itaguajé, Nossa Senhora das Graças, Presidente Castelo Branco, Santa Fé, Uraí e Porecatu.

São 29 os municípios em situação de alerta para dengue, sendo que 15 entraram para a lista a partir do boletim desta terça-feira: Nova Aurora, Engenheiro Beltrão, Altônia, Brasilândia do Sul, Cruzeiro do Oeste, Umuarama, Amaporã, Nova Londrina, Querência do Norte, Maringá, Nova Esperança, Sarandi, Andirá, Rancho Alegre, e Arapuã.

“O Governo do Estado realiza uma grande força-tarefa por meio do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue, em funcionamento desde o ano passado, e vem promovendo ações em todo o Paraná, em parceria com municípios e entidades da sociedade civil”, explica o secretário Beto Preto.

“Foram realizados mutirões de limpeza com orientação técnica para a remoção de focos, palestras de orientação sobre medidas preventivas e capacitação de mais de 1.200 profissionais sobre manejo clínico da doença, nas regiões de Londrina, Maringá, Paranavaí e Campo Mourão”, informa.

Na próxima semana, de 11 a 14 de fevereiro, a capacitação sobre manejo clínico da dengue para médicos, enfermeiros e profissionais da saúde será ministrada pelos técnicos da Secretaria da Saúde nas regiões de Jacarezinho, Cornélio Procópio e Cianorte.

Agência Estadual de Notícias

Sobe para sete o número de mortes por dengue no Paraná

29/01/2020 09:350 comments
Detran Participa Campanha Contra Dengue. Foto: Ari Dias/AEN

O boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (28) pela Secretaria de Estado da Saúde registra sete mortes por dengue. São cinco a mais que o informe da semana anterior.

O número de casos confirmados aumentou em 3.264: passou de 7.618 para 10.882 confirmações, um aumento de 42,82% em relação à semana anterior.

São 198 municípios com casos confirmados para a doença. 34 municípios estão em epidemia, 10 a mais que a relação divulgada na semana passada.

Detran Participa Campanha Contra Dengue. Foto: Ari Dias/AEN

Os municípios que passaram a constar desta lista são Jesuítas, Barbosa Ferraz, Iretama, Alto Paraná, Paranapoema, Munhoz de Mello, Lupionópolis, Jacarezinho, Quatro Pontes e Godoy Moreira.

26 cidades estão em situação de alerta. O número também aumentou se comparado ao informe anterior, com 8 municípios a mais. São eles: Fênix, Alto Piquiri, Loanda, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Santa Inês e Santo Inácio.

O Governo do Paraná desenvolve neste momento várias ações de combate ao mosquito vetor em todas as regiões, coordenadas pelo Comitê Intersetorial de Controle da Dengue. “Todas as secretarias estaduais e órgãos públicos, além de entidades da sociedade civil organizada, participam das atividades de orientação sobre as medidas que visam, principalmente, a eliminação dos criadouros do Aedes aegypti nos domicílios e imóveis públicos e comunitários”, afirmou o secretário Beto Preto.

ÓBITOS – As cinco novas mortes confirmadas nesta semana envolvem idosos, todos portadores de comorbidades, que são doenças crônicas já instaladas e que associadas à dengue agravam o estado de saúde dos pacientes.

“Por isso, reafirmamos os cuidados nesta faixa etária e nossa atuação, nesta semana, envolve exatamente a capacitação para manejo clínico de pacientes”, afirmou o secretário. Segundo ele, nesta terça-feira a secretaria segue programação de orientações a profissionais com foco assistencial, junto à 17ª Regional de Londrina, com a participação de cerca de 300 profissionais.

Na quarta-feira, a mesma capacitação será em Maringá; na quinta, em Paranavaí, e na sexta, em Campo Mourão. “Nosso objetivo é que os profissionais das unidades de saúde estejam sempre preparados para o diagnóstico e atendimento ágil e eficaz”, acrescentou.

De acordo com o boletim, quatro mortes são casos autóctones, contraídos na cidade de residência: mais um caso foi em Nova Cantu; uma mulher de 71 anos, com pneumonia e artrite reumatoide (óbito em 03/01/2020); um caso em Itaguajé, uma mulher de 89 anos, portadora de hipertensão arterial (óbito em 09/01/2020); um caso em Colorado; onde morreu um homem de 80 anos e cardiopata (óbito em 26/12/2019), e um caso em Florestópolis, um homem de 72 anos (23/12/2019).

Um outro caso importado foi confirmado: de uma moradora do município de Rondon; a mulher de 66 anos adquiriu dengue quando viajou para Itajubi, no interior paulista e era portadora de hipertensão arterial e diabetes (óbito em 12/01/2020).

AEN/PR

Jovem morre em acidente na PR-092 em Wenceslau Braz

27/01/2020 17:340 comments
Vítima fatal morava em Wenceslau Braz. Foto: Reprodução/Internet

Wenceslau Braz – O jovem Murilo Luiz Toniazzo morreu em acidente na manhã desta segunda-feira, 27, na rodovia PR-092 em Wenceslau Braz. Segundo informações divulgadas pela Folha Extra, a vítima fatal era moradora da própria cidade Wenceslau e conduzia um automóvel VW/GOL que colidiu com uma carreta Volvo com placas de Santa Catarina. O acidente aconteceu por volta das 9h próximo ao Motel Floresta.

Devido ao forte impacto, Murilo não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Seu corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) de Jacarezinho. Equipes da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) de Siqueira Campos e da Defesa Civil de Wenceslau Braz estiveram dando o atendimento ao ocorrido. O motorista da carreta teve apenas ferimentos leves.

Vítima fatal morava em Wenceslau Braz. Foto: Reprodução/Internet

Agronegócio é responsável por 77% das exportações do Paraná

24/01/2020 09:180 comments
COLHEITA DE SOJA. Foto: AEN/PR

O agronegócio foi responsável por cerca de 77,6% das exportações do Paraná em 2019. Dos US$ 16,2 bilhões exportados, US$ 12,6 bilhões são dos produtos do agronegócio. Esses números mantiveram o Estado na 3ª posição no ranking nacional das exportações do setor em 2019, correspondendo a 13,02% do volume brasileiro, que foi de US$ 96,8 bilhões, atrás apenas do Mato Grosso (17,22%) e São Paulo (15,63%).

COLHEITA DE SOJA. Foto: AEN/PR

Os dados são do Ministério da Agricultura e do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Seguindo a tendência nacional, as principais commodities exportadas pelo Paraná foram a soja e as carnes, com destinos como China (soja e frango), Arábia Saudita e Emirados Árabes (frango). Também destacam-se o milho e os produtos florestais. Somados, esses produtos geraram uma receita de aproximadamente US$ 13,1 bilhões para o Estado em 2018, enquanto que em 2019 o valor reduziu para US$ 11,5 bilhões. “Esse fato explica-se pela redução da produção de soja na safra 2018/2019, uma queda de aproximadamente 3,1 milhões de toneladas, já que fatores climáticos como a seca reduziram a produção de soja no Estado no ano passado”, diz o chefe do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura, Salatiel Turra.

Ao registrar exportações totais de US$ 16,2 bilhões, o Paraná recuou mais do que o Brasil (19%) no último ano. As exportações do agronegócio paranaense também caíram 12% de 2018 para 2019. “O agronegócio teve um reposicionamento nas exportações totais do Estado. Esse índice de 77,6% corresponde à segunda maior participação em 11 anos, só perdendo para 2015 (78%). Ao exportar bastante e importar pouco, o agronegócio paranaense gerou um superávit de US$ 11,2 bilhões no ano e US$ 116,2 bilhões em 11 anos”, analisa o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara.

Com relação às importações, o agronegócio do Estado também ocupa a 3ª posição no ranking nacional. Em 2019, o Paraná importou US$ 12,7 bilhões, sendo US$ 1,4 bilhão do agronegócio. Assim, a participação do agro na importação subiu de 9,61% em 2018 para 10,09 % no ano passado.

PRODUTOS – Foram destaques nas exportações do agronegócio paranaense no ano passado o complexo soja, com 13,26 milhões de toneladas e US$ 4,79 bilhões, correspondendo a 14,7% do total brasileiro; o milho, com 4,54 milhões de toneladas e US$ 789 milhões, um crescimento de 302% em relação a 2018; e as carnes, com 1,78 milhão de toneladas e US$ 3,03 bilhões, 18% do total exportado pelo Brasil e crescimento de 8,2% em relação a 2018.

As três principais carnes apresentaram crescimento na receita: frango (aproximadamente 9%), suínos (21,5%) e bovinos (3%). Ortigara destaca que o Paraná é líder nacional na produção de proteínas animais e segundo maior produtor de grãos. “Os números comprovam que somos um importante abastecedor das cadeias animais e também mostram a força do cooperativismo paranaense”, diz.

Também apresentam bons resultados o complexo sucroalcooeiro, com 1,94 milhão de toneladas e US$ 566,8 milhões, e o complexo florestal, com 3,73 milhões de toneladas e US$ 2,31 bilhões, especialmente madeira e a celulose.

NACIONAL – O Brasil exportou, em 2019, US$ 224 bilhões, queda de 6,4% na comparação com 2018, influenciada por um crescimento econômico ainda baixo e pela redução do ritmo de crescimento da China, principal parceiro comercial do País.

Os produtos do agronegócio correspondem a 43,2% do total exportado pelo País no ano passado, uma queda de 4,8% na comparação com 2018. Houve recuo de 19,6% no saldo comercial total (US$11,3 bilhões de queda) e de 5,3% no agronegócio brasileiro (US$ 4,6 bilhões).

Em 11 anos, o agronegócio trouxe líquidos ao Brasil US$ 836,4 bilhões, resultado de um grande esforço exportador e baixas importações.

Foram destaques nas exportações brasileiras o complexo soja, com 91,65 milhões de toneladas e US$ 32,6 bilhões, predominando a soja em grão; o complexo carnes, com 6,96 milhões de toneladas e US$ 16,5 bilhões, todos com crescimento em 2019 (boi, frango e suínos); o milho, com 43,25 milhões de toneladas (recorde) e US$7,3 bilhões; o complexo sucroalcooeiro, com 19,6 milhões de toneladas e US$ 6,2 bilhões, destacando-se o açúcar; complexo florestal (madeira, papel e celulose), com 24,5 milhões de toneladas e US$ 12,9 bilhões, destacando-se a celulose; o café, com 2,3 milhões de toneladas e US$ 5,1 bilhões; sucos, com 2,5 milhões de toneladas e US$ 2,43 bilhões; e as frutas, com 3,5 milhões de toneladas e US$ 3,5 bilhões.

AEN/PR

Paraná registra 753 casos de sarampo confirmados

17/01/2020 15:220 comments
Paraná registra 753 casos de sarampo confirmados

O primeiro boletim epidemiológico do sarampo emitido pela Secretaria de Estado da Saúde em 2020 informa que são 753 casos doença registrados no Paraná desde o início de agosto. Há pacientes com meses de vida e de até 59 anos. A maior incidência continua no grupo de jovens adultos, com idade entre 20 e 29 anos.

São 105 novos casos desde o último informe divulgado em 10 de dezembro.

Os dados mostram que estiveram ou estão com a doença 12 bebês com idade entre zero a seis meses; 15 pacientes de seis a 12 meses; oito crianças na faixa etária de um a quatro anos; três de cinco a 9 anos; 199 com idade de dez a 19 anos; 395 pessoas entre 20 e 29 anos; 82 com idade entre 30 a 39 anos; 28 de 40 a 49 anos; e 11 na faixa de 50 a 59 anos.

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, reforça o alerta para a vacinação. “Estamos buscando a parceria da população para reduzir doenças que são evitáveis. O sarampo é uma das doenças em que o engajamento das pessoas é essencial para que todos sejam vacinados. Somente dessa forma teremos a tranquilidade em falar que estamos livres do vírus do sarampo novamente”, ressalta.

Ele faz um chamado à população para que vá até uma unidade de saúde e coloque a carteira de vacinação em dia. “Além do sarampo há outras doenças que podem ser evitadas com a imunização”, destaca.

VACINA – O esquema vacinal do Ministério da Saúde recomenda que a população com idade entre um a 29 anos deve receber duas doses da vacina tríplice viral e de 30 a 49 anos, uma dose. As crianças que têm entre seis meses e 11 meses e 29 dias também devem ser vacinadas. Acesse AQUI mais informações sobre o calendário de vacinação.

SURTO – Paranaguá, Rio Azul e Sarandi entram para a lista de municípios com casos da doença confirmados. No Paraná, 41 cidades estão em surto por causa do sarampo, considerando que o Ministério da Saúde classifica como situação de “surto ativo” todo município em que tenha ao menos um caso confirmado.

Copel flagra 43 “gatos” por dia em todo Paraná

10:180 comments
Foto: Divulgação/AEN-PR

Equipes de combate a ligações irregulares e fraudes no sistema de medição de energia da Copel detectaram ao longo do ano passado, em todo o Paraná, 10.849 procedimentos irregulares realizados por consumidores – o equivalente a 43 casos confirmados por dia.

O trabalho de fiscalização possibilitou a recuperação de 43,5 GWh (gigawatts-hora) de energia, o que seria suficiente para abastecer uma cidade com 25 mil habitantes durante um ano inteiro.

Foto: Divulgação/AEN-PR

As práticas de furto de energia e de adulteração no medidor se enquadram nos crimes previstos pelo Código Penal Brasileiro. A apuração e cobrança do consumo não registrado baseiam-se na Resolução Normativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (414/2010), que estabelece o pagamento da energia desviada e de custos administrativos. A Copel mantém atualmente 40 equipes dedicadas à atividade de inspeção das instalações, que em 2019 garantiu a recuperação de R$ 34 milhões.

O combate aos procedimentos irregulares exige tecnologia e gestão adequados. Isso porque a maior parte dos casos detectados atualmente, cerca de 80%, não é feita diretamente na rede, mas dentro da entrada de serviço das unidades consumidoras.

Para potencializar a soma de esforços com a Polícia Civil na investigação dos casos, no ano passado técnicos da Companhia Paranaense de Energia participaram de atividades formativas para peritos da corporação.

O superintendente comercial da Copel Distribuição, João Acyr Bonat Junior, alerta que a prática pode prejudicar os consumidores que pagam sua conta de luz regulamente. Isso porque, sem o trabalho de fiscalização por parte da empresa, parte dos valores iria para a conta de luz daqueles que pagam em dia. Ele chama a atenção também para a questão de segurança. “As ligações irregulares trazem risco de choque elétrico para quem as executa, e ainda podem causar sobrecarga na rede, provocando variação de tensão, e até incêndios”, afirma.

DENÚNCIAS – Quem tem informações sobre ligações irregulares ou fraudes na medição da energia elétrica pode oferecer uma denúncia anônima para que a Copel possa verificar a situação.

No ano passado, foram 5 mil denúncias recebidas pela Companhia, que direcionaram 10% das inspeções feitas pelas equipes de campo. A denúncia pode ser registrada pelo telefone 0800 51 00 116, selecionando no menu inicial “outros serviços” e, em seguida, “informações comerciais”.

AEN/PR