Paraná terá o maior pacote de concessão de rodovias do País; PR-092 incluída

03/03/2020 09:330 comments
Paraná terá o maior pacote de concessão de rodovias do País; PR-092 incluída

O Paraná terá o maior pacote de concessões de rodovias do governo federal. Segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, o leilão do novo Anel de Integração rodoviário do Paraná, com 4,1 mil quilômetros, deve gerar investimentos de mais de R$ 100 bilhões no longo prazo para o Estado. Ele falou sobre essa projeção na última quinta-feira (27), ao participar, junto com o governador Carlos Massa Ratinho Junior, da assinatura de um contrato de arrendamento no Porto de Paranaguá.

O leilão paranaense, disse Tarcísio de Freitas, é o mais significativo do pacote de concessões de rodovias do governo federal. O novo traçado desenhado pelo Governo do Estado e pela União incorpora ao polígono original (2,5 mil quilômetros) mais três rodovias estaduais – a PR-092 (Norte Pioneiro), a PR-323 (Noroeste) e a PR-280 (Sudoeste) -, trechos das BRs 163, 153 e 476 e contornos de Londrina, Ponta Grossa e Cascavel, que somam 1,6 mil quilômetros.

“A maior carga de investimentos no setor rodoviário será no Paraná, o maior lote de concessões. Estamos desenhando o que há de melhor em termos de estruturação, trabalhando com o Banco Mundial, com a Empresa de Planejamento e Logística (EPL)”, disse. O ministro afirmou que entrarão mais de R$ 100 bilhões nas rodovias do Estado nos próximos anos se somar investimentos em estruturas, manutenção e toda a operação. “E com tarifas menores do que as praticadas hoje. Isso é o que a nova modelagem vai nos proporcionar”, afirmou.

A projeção otimista, segundo o ministro, leva em consideração os R$ 9,4 bilhões em investimentos prospectados em 27 leilões da infraestrutura em 2019, a retomada da economia brasileira e a confiança do setor privado. “Estamos construindo um novo Brasil, que vai crescer e decolar. Crescemos 1,2% em 2019 e não crescemos pouco. O País é um avião com duas turbinas: a do setor público e a do setor privado. A do setor público estava com o reverso acionado. Era importante fazer a contenção fiscal, o compromisso com a solvência. O que mostra que o setor privado foi responsável pelo crescimento e já está gerando mais de 2% de crescimento”, acrescentou Freitas.

DEMANDAS REPRESADAS – O governador Ratinho Junior acrescentou que o leilão do novo Anel de Integração será na Bolsa de Valores e encerrará anos de desconfiança da população com esse modelo. Ele também disse que a inclusão de rodovias estaduais atende demandas represadas do setor produtivo e darão nova perspectiva de segurança para os motoristas em trechos com muitos acidentes.

“Não vamos repetir o que não deu certo no Paraná. Estamos trabalhando em parceria o governo federal para ter os melhores e mais transparentes contratos, com mais investimentos e redução de pelo menos 50% nos preços”, afirmou Ratinho Junior. “Vamos transformar o Paraná numa potência logística e atrair novas ainda mais empresas e empregos”.

Segundo o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, o novo Anel de Integração permitirá ao Paraná, também, maior integração entre os modais. “Estamos diante de um grande momento para o Estado. Vamos entregar menos tarifas e mais obras, será o maior lote de concessões do País. Vamos virar a página da história dos pedágios”, arrematou.

ESTUDOS – O governo federal investiu R$ 60 milhões no estudo da nova modelagem. Ele deve ser concluído neste ano e apontará a quantidade de lotes. A Empresa de Planejamento e Logística S.A (EPL) e o International Finance Corporation (IFC), do Banco Mundial, são os responsáveis pelas análises.

A proposta em análise prevê uma modelagem híbrida, com a menor tarifa e a maior outorga, para evitar que empresas aventureiras se ancorem no preço da tarifa e não consigam cumprir o que está previsto na licitação. Também está previsto um modelo em que o usuário que utiliza mais as rodovias pague tarifas menores, o chamado Desconto ao Usuário Frequente (DUF).

ANEL DE INTEGRAÇÃO – Os contratos com as atuais concessionárias foram assinados em 1997 e se encerram em 2021. O polígono geométrico interliga Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Cascavel, Foz do Iguaçu, Campo Mourão, Maringá, Paranavaí, Londrina e Paranaguá. O novo programa de concessões rodoviárias passará a funcionar seguindo a lógica dos pedágios federais que já funcionam no Estado, unindo corredores em formato de mosaico. Entre as ligações, os destaques são para o reforço na ligação com São Paulo pelo Norte Pioneiro e a resolução dos gargalos da PR-323 e PR-280.

AEN/PR

Paraná já registra 34.905 casos de dengue

28/02/2020 09:500 comments
Foto: Divulgação SESA

A Secretaria da Saúde do Paraná informa que ocorreu um problema na sistematização de dados no boletim epidemiológico semanal da dengue divulgado quarta-feira (26) e que alguns números foram alterados. De acordo com a publicação atualizada nesta quinta-feira (27), o Paraná tem 34.905 casos confirmados da doença, 8.213 casos a mais que a semana anterior.

O boletim anterior registrava 9.161 novos casos confirmados da doença no Paraná, totalizando 35.853 casos, desde 28 de julho de 2019. Esses são os números que foram alterados.

A publicação atualizada nesta quinta-feira também informa que o Estado apresenta 95.927 notificações para a dengue, registradas em 329 municípios. Quanto à informação sobre a situação endêmica nos municípios, o boletim atualizado nesta quinta-feira confirma que são 92 cidades em situação de epidemia e 46 em alerta. O boletim confirma, ainda, que 74 municípios apresentam casos de dengue com sinais de alarme e 26 apresentam casos de dengue grave.

A Secretaria da Saúde do Paraná segue realizando ações de controle e prevenção da dengue em todo o Estado, por meio do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue no Paraná, com apoio de todas as secretariais e órgãos estaduais, das 22 Regionais de Saúde, secretarias municipais de Saúde e entidades representativas da sociedade civil.

A Secretaria reforça que a principal medida preventiva e de combate à dengue é a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença. 90% dos criadouros estão nos domicílios, em recipientes que acumulam água parada.

Agência Estadual de Notícias

Governo do Estado vai investir R$ 14 milhões em reforma de prisões

27/02/2020 10:240 comments
Trabalho de detentos na Penitenciaria Central do Estado em PIraquara.  13/09/2019 -Foto: Gilson Abreu/AEN

O governador Carlos Massa Ratinho Junior autorizou a execução de um grande pacote de reformas e reparos em penitenciárias, cadeias públicas, delegacias, casas de custódia e institutos médicos legais (IML) do Estado. De acordo com o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) serão investidos neste ano R$ 14 milhões na modernização de 33 unidades, em 13 municípios paranaenses. Os recursos são do Tesouro do Estado.

Trabalho de detentos na Penitenciaria Central do Estado em Piraquara. Foto: Gilson Abreu/AEN

As obras serão gerenciadas pela Paraná Edificações (Predi), vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, e atendem a necessidade de cada complexo. Vão desde a instalação e substituição de grades em diversos pontos, reformas de refeitórios até a renovação completa de instalações elétricas.

Maringá, Cruzeiro do Oeste, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel, Londrina, Ponta Grossa, Guarapuava, Curitiba, Piraquara, São José dos Pinhais, Pinhais e Umuarama são as cidades que terão unidades reformadas. O prazo previsto de execução das obras é, em média, de 210 dias.

“O Paraná avança no combate à criminalidade. Com isso, o grande desafio passa a ser a questão carcerária, encontrar mecanismos para modernizar o sistema”, disse Ratinho Junior. “Ao longo do tempo o Paraná acabou deixando essa questão de lado. Assumimos o mandato com um déficit muito grande na área. Agora estamos fazendo projetos e encaminhando as licitações para resolver o problema”, acrescentou o governador.

Diretor-geral do Depen, Francisco Caricati explicou que boa parte do sistema prisional do Estado é bastante antigo, necessitando de manutenção periódica. “O que estamos fazendo também é a modernização das unidades, garantindo mais segurança e confiabilidade ao sistema”, destacou.

REGIÃO METROPOLITANA – Parte considerável do investimento se dará na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), especialmente em Piraquara, cidade que concentra as maiores penitenciárias do Estado.

Do investimento total, R$ 426 mil serão destinados à Colônia Penal Agroindustrial do Paraná (CPAI), localizada em Piraquara. Para a unidade, está prevista a instalação e substituição de grades em diversos pontos e, também, uma reforma no refeitório e em alguns alojamentos. As obras no CPAI devem iniciar em março.

Outra unidade beneficiada é o Complexo Médico Penal (CMP), que fica em Pinhais. Com investimento de quase R$ 370 mil, a reforma, que deve começar também no próximo mês, prevê a substituição das coberturas de parte do complexo, além de reparos e impermeabilização em alguns setores.

Já a Penitenciária Central do Estado (PCE), com capacidade para 1.320 presos, receberá R$ 1,7 milhão nesta fase de modernização. Outros R$ 404 mil estão empenhados para a intervenção da Penitenciária Estadual de Piraquara I, que atende até 723 condenados.

CURITIBA – A Casa de Custódia de Curitiba (CCC), localizada no bairro Cidade Industrial de Curitiba também passará por reforma. Prevista para iniciar em abril, a obra, que terá custo de quase R$ 408 mil, inclui novas instalações elétricas, hidráulicas, contra incêndios e de caixa d’água. Além disso, há previsão de investimentos em grades e alambrados.

IML – Além das unidades prisionais, o Instituto Médico Legal (IML) de Umuarama, na Região Noroeste, ganhará melhorias. O investimento é de R$ 190 mil, com a finalização da obra prevista para o mês de outubro.

CADEIAS NOVAS – O Governo do Paraná confirmou no fim do ano passado a abertura 3 mil novas vagas no sistema prisional no Estado com a construção de quatro novas cadeias públicas, além da implantação de três novas delegacias. O investimento soma R$ 81 milhões.

As cadeias públicas serão construídas em Foz do Iguaçu, Londrina, Ponta Grossa e Guaíra. Já as três delegacias serão entregues em cidades da Região Metropolitana de Curitiba: Araucária, Almirante Tamandaré e Colombo.

As obras das cadeias públicas estão em andamento desde o começo de setembro e têm previsão de entrega para o segundo semestre de 2020. O investimento é de R$ 69 milhões – a maior parte dos recursos de um convênio com o Governo Federal, com contrapartida do Tesouro Estadual.

“Estamos trabalhando na reforma e construção de presídios, mas também na ressocialização dos detentos, para que eles possam sair das cadeias do Estado de forma qualificada”, ressaltou Caricati.

Agência Estadual de Notícias

CAPAL realiza Tec Campo em dois municípios em março

10:000 comments
CAPAL realiza Tec Campo em dois municípios em março

A CAPAL, em parceria com a Fundação ABC, promove o Tec Campo, evento que aproxima cooperados e pesquisadores, nos dias 3 e 4 de março. Desta vez, o dia de campo será nos municípios de Taquarituba e Taquarivaí (ambos em São Paulo). Os cooperados das unidades terão acesso às palestras técnicas e poderão observar as cultivares da própria região.

Em fevereiro, a cooperativa realizou o evento em Curiúva, Wenceslau Braz e Arapoti, no Paraná; e em Itaberá, São Paulo. O Tec Campo é exclusivo aos associados da CAPAL.

O dia de campo será nos municípios de Taquarituba e Taquarivaí. Foto: Divulgação

Nos eventos realizados em fevereiro, os pesquisadores da Fundação ABC trataram da influência dos fatores climáticos na produção e, ainda, do controle de plantas daninhas e pragas. Cada apresentação trouxe orientações e alternativas para o manejo. Assim, os cooperados podem tomar as melhores decisões ao programar a safra. “É muito bom estar participando, porque os resultados ajudam a gente a melhorar a produção, na questão de doenças”, afirma o produtor José Celso Videira, das regiões de Wenceslau Braz e Arapoti.

Além das palestras, o Tec Campo dá aos cooperados a oportunidade de observar diferentes cultivares de soja, obtendo informações sobre as melhores variedades e aplicações para a sua localidade. Para Vitor Lopes, funcionário da unidade de Curiúva, o evento é muito importante tanto para a cooperativa quanto para os cooperados. “Eles têm a oportunidade de ver as variedades aqui no nosso microclima. É diferente eles irem em outras regiões e estar na casa deles, então é um ganho muito grande”, ressalta.

Assessoria de Comunicação da PG1

Paraná confirma mais 30 mortes de macacos por febre amarela

19/02/2020 16:010 comments
Paraná confirma mais 30 mortes de macacos por febre amarela

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou 30 novas epizootias em macacos no Paraná, somando 83 mortes de animais contaminados pelo vírus da febre amarela. Os dados são do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (19).

“Quando um macaco morre por febre amarela, indica que o vírus está presente naquela região. Portanto, é necessário uma atenção redobrada e a importância da vacinação deve ser reforçada para toda a população”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

As novas epizootias foram registradas nos municípios de Araucária (+1), Balsa Nova (+2), Lapa (+2), Piên (+1), São João do Triunfo (+2), Mallet (+6), Rio Azul (2), Campina do Simão (1), Prudentópolis (+1), Turvo (1), Antônio Olinto (+6) e São Mateus do Sul (+5). Rio Azul, Campina do Simão e Turvo ainda não tinham casos confirmados de mortes de macacos por febre amarela.

Desde o início do monitoramento, em julho de 2019, ocorreram 485 epizootias em 77 municípios. Até o momento, 83 foram confirmadas em 24 cidades, 181 estão em investigação, 170 são indeterminadas, ou seja, sem coleta de amostra para exames e 51 foram descartadas.

EPIZOOTIAS – A distribuição das 83 epizootias confirmadas no Estado é: Araucária (2), Balsa Nova (3), Lapa (7), Mandirituba (1), Piên (2), Quatro Barras (1), Rio Negro (1), Castro (12), Ipiranga (2), Palmeira (1), Piraí do Sul (2), Ponta Grossa (8), São João do Triunfo (7), Imbituva (1), Mallet (7), Rio Azul (2), Teixeira Soares (2), Campina do Simão (1), Prudentópolis (2), Turvo (1), Antônio Olinto (8), São Mateus do Sul (6), Sapopema (2) e Cândido de Abreu (2).

CAPACITAÇÃO – A secretaria estadual da Saúde promoveu nesta semana uma capacitação sobre febre amarela relacionada ao manejo clínico da doença, ocorrência de epizootias e vacinação na 7ª e 8ª Regionais de Saúde de Francisco Beltrão e Pato Branco, respectivamente. Participaram do treinamento 160 profissionais de saúde.

VACINAÇÃO – Dados do Programa Nacional de Imunização (PNI) mostram que em janeiro deste ano 14.759 pessoas se vacinaram contra a febre amarela no Paraná. A maioria das doses foi aplicada em pessoas de 15 a 59 anos.

Desde 2017, o Ministério da Saúde segue a orientação de ofertar apenas uma dose da vacina de febre amarela durante toda a vida, porém, no ano passado a pasta orientou os estados para que em 2020 seja dado um reforço da vacina para crianças com quatro anos de idade, devido à diminuição na resposta imunológica da criança que é vacinada muito cedo.

AEN/PR

Ratinho Jr. libera R$ 5 milhões para combate à dengue no estado

09:440 comments
Reunião de combate a dengue. Curitiba,18/02/2020 Foto:Jaelson Lucas / AEN

O governador Carlos Massa Ratinho autorizou nesta terça-feira (18) a liberação de R$ 5 milhões para reforçar o apoio ao combate à dengue no Estado. Os recursos serão distribuídos entre os 118 municípios do Paraná que se encontram em situação de alerta ou de epidemia da doença, com os valores variando entre R$ 15 mil e R$ 200 mil.

Os recursos, explicou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, serão usados exclusivamente em ações relacionadas à dengue, para ajudar no chamado manejo clínico. “Para o município contratar mais um médico temporariamente, uma ou duas enfermeiras… Enfim, fazer tudo aquilo que possa ajudar a população doente”, afirmou.

Reunião de combate a dengue. Curitiba,18/02/2020 Foto: Jaelson Lucas / AEN

Ele lembrou ainda que o Ministério da Saúde autorizou também nesta semana o repasse de uma nova quantidade de insumos para o tratamento da doença no Paraná. O estoque será capaz de atender até 100 mil casos.

“Não esmorecemos. Estamos diariamente em combate ao mosquito, acompanhando os números para balizar nossas decisões e estratégias contra a dengue”, disse Beto Preto. Ele lembra que o sorotipo cirulante no Estado é o DEN2, que representa 83% das infecções. “Praticamente não há imunidade na população do Paraná para este sorotipo”, alerta Beto Preto.

FORÇA-TAREFA – Durante reunião do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue, o secretário reforçou a necessidade de cuidados e envolvimento da sociedade no controle aos criadouros do mosquito, uma vez que 90% deles é removível. Preto informou que estão previstos novos mutirões de limpeza e orientação naquelas cidades em que os índices da enfermidade estão subindo, especialmente na Região de Paranavaí, na 14ª regional de saúde.

A ideia é repetir a estratégia usada com sucesso em Nova Cantu, Quinta do Sol, ambas na Região Centro-Oeste, e Florestópolis, no Norte. Primeiras cidades do Paraná a decretar situação de epidemia, os três municípios conseguiram controlar a incidência da doença após a intervenção direta da secretaria.

A força-tarefa, disse Beto Preto, contará com o apoio de profissionais especializados em dengue que serão deslocados temporariamente de outras regionais do Estado para atuar nos municípios mais críticos. “Serão varreduras nas áreas epidêmicas, reforçando que o combate se dá com o fim dos pontos focais de proliferação do mosquito”, afirmou Beto Preto.

As ações serão completadas com mutirões nos perímetros de prédios públicos, como delegacias, hospitais, pátios do Detran, prefeituras e secretarias. Durante o feriado de carnaval, as policias Militar, Civil e Rodoviária Estadual atuarão juntas na orientação e distribuição de panfletos educativos nas estradas, praias e cidades turísticas. “Estamos todos juntos nesta luta”, reforçou o secretário.

NOVO BOLETIM – Boletim da dengue divulgado nesta terça-feira (18) pela Secretaria de Estado da Saúde registrou 26.692 casos confirmados de dengue no Paraná, cerca de 30% a mais do que na semana anterior (20.563). Em relação ao mesmo período do ano passado, o aumento é de 6.657%.

São 78 cidades em situação de epidemia e 40 em alerta. Paranavaí foi quem registrou o maior número de infecções (1.123), seguido por Foz do Iguaçu (503) e Bandeirantes (276).

Também ocorreram dez óbitos por dengue no período, totalizando 23 mortes desde o início do monitoramento por parte da secretaria, em 28 de julho de 2019. Os óbitos acometeram principalmente pessoas idosas e portadoras de outras doenças associadas, nos municípios de Alto Paraná (2), Foz do Iguaçu, Medianeira, Douradina, Xambrê, Terra Rica, Santa Mônica, Sarandi e Maringá.

SINAIS – A dengue apresenta-se na forma clássica, com febre alta súbita, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, náuseas, tonturas e extremo cansaço, entre outros.

Quando o caso evolui, mostra os chamados sinais de alarme, como dores abdominais fortes e contínuas, vômitos persistentes, palidez, sangramentos pelo nariz, boca e gengivas.

Normalmente os sinais de alarme ocorrem entre o terceiro e o quinto dia da infecção, o chamado período crítico da dengue. Tratado corretamente, com hidratação e medicação sintomática, a maioria segue para cura.

MOSQUITO – O Aedes Aegypti se reproduz em água parada, limpa ou suja. Os ovos depositados pela fêmea do mosquito ficam viáveis por um ano, por isso a necessidade de eliminação dos focos.

Entre as medidas que devem ser dotadas no nosso cotidiano estão: tampar as caixas d´água e colocar tela no respiro; manter as calhas limas; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; manter lixeiras bem tampadas; deixar os ralos limpos e também protegidos com tela; não deixar água nos vasos de planta e verificar sempre o recipiente de degelo do refrigerador e do ar condicionado.

Agência Estadual de Notícial

CAPAL conclui pré-assembleias no Paraná e em São Paulo

13/02/2020 15:290 comments
Erik Bosch discursa na primeira pré-assembleia. Foto: Divulgação

Nesta semana foram concluídas as pré-assembleias da CAPAL no Paraná e em São Paulo, estados que somam 3.130 associados, crescimento de 6% em 2019 sobre o ano anterior. As reuniões antecedem a 60ª Assembleia Geral Ordinária (AGO), prevista para acontecer dia 15 de fevereiro, em Arapoti (PR), onde está localizada a matriz da cooperativa.

Erik Bosch discursa na primeira pré-assembleia. Foto: Divulgação

Nas pré-assembleias, questões mais detalhadas foram tratadas com o cooperado, gerando maior aprofundamento dos assuntos. Os municípios das pré-assembleias foram: Itararé (SP), dia 3; Taquarivaí (SP), dia 3; Fartura (SP), 4; Taquarituba (SP), 4; Joaquim Távora (PR), 5; Carlópolis (PR), 5; Curiúva (PR), 6; Ibaiti (PR), 6; Arapoti, 7; Wenceslau Braz (PR), 10; e Santana de Itararé (PR), 10.

Diretor-presidente do Conselho de Administração da CAPAL, Erik Bosch destacou algumas das conquistas de 2019 e o otimismo para este ano. “Sempre temos sonhos e em 2019 realizamos alguns, como a entrada no mercado de comercialização de café, com a compra da cafeeira, e o sementeiro, que se concretizou pela compra de uma unidade já em atividade. Estamos muito felizes em apresentar mais essas conquistas aos associados”.

No ano anterior, a cooperativa apresentou aumento na área agrícola assistida em 6%, alcançando 147.662 hectares, onde são cultivados soja, milho, trigo, café, entre outros.

Assessoria de Comunicação PG1

Vacinação contra sarampo começa nesta segunda-feira

07/02/2020 09:310 comments
Vacinação contra sarampo começa nesta segunda-feira

A primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo deste ano começa nesta segunda-feira (10) e vai até o dia 13 de março. Para iniciar a campanha, o Paraná tem o quantitativo de mais de 1,245 milhão de doses da vacina.

“O objetivo desta campanha é interromper a circulação do vírus e garantir alta cobertura vacinal no Estado, que hoje está com cerca de 90% para as crianças de um ano quando o ideal seria de 95% em todas as faixas etárias”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “A vacina é a única forma de proteção e está disponível nas Unidades de Saúde do Paraná”, acrescentou.

Segundo ele, o Paraná acompanha as estratégias definidas pelo Ministério da Saúde, porém define ações diferenciadas para conter a transmissão do vírus no Estado. A campanha nacional preconiza que nesta primeira etapa seja vacinado o público de cinco a 19 anos, entretanto, analisando os casos de sarampo no Paraná, a faixa etária de 20 a 29 anos é a mais acometida pela doença e, como forma de quebrar a transmissão do vírus, o Estado adota uma campanha contemplando as pessoas de cinco até 59 anos.

“A maioria dos casos confirmados de sarampo está na faixa etária de 20 a 29 anos, e por esse motivo o Paraná, além de antecipar a campanha para este grupo que seria apenas em agosto, também fará a estratégia de vacinação indiscriminada, ou seja, todas as pessoas nessa faixa etária devem procurar as unidades de saúde para se vacinar”, explicou a chefe da Divisão de Vigilância do Programa de Imunização da Secretaria, Vera Rita da Maia.

Para as demais idades, de cinco a 19 anos e dos 30 aos 59, a vacinação é seletiva. É necessário levar o comprovante vacinal para verificação do esquema, pela unidade de saúde, pois somente será imunizada a pessoa que nunca recebeu a dose ou que esteja com o esquema vacinal incompleto.

DIA D – O secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, estará em Curitiba dia 15 (sábado), dia D de mobilização nacional, para abertura da campanha nacional e incentivar a vacinação contra o sarampo. A Capital paranaense foi escolhida pelo alto número registrado de casos de sarampo.

BOLETIM – O novo boletim epidemiológico do sarampo divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde nesta quinta-feira (6) confirma 23 novos casos da doença no Paraná. O número subiu de 808 na semana passada para 831 e permanecem em investigação 1.653.

Cerca de 60% das confirmações foram registradas na capital paranaense. O público mais atingido pela doença são os jovens de 20 a 29 anos, com 435 casos confirmados, seguido das pessoas entre dez e 19 anos, com 216.

No Paraná, após 20 anos sem o registro da doença, em agosto de 2019 foi confirmado o primeiro caso de sarampo na Região Metropolitana de Curitiba, em Campina Grande do Sul.

CAPACITAÇÃO – O Paraná possui 1.852 salas de vacinação dentro das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Já como uma política de intensificar ainda mais a cobertura adotada pela Secretaria, no final do ano passado, com apoio do Programa Nacional de Imunização (PNI) do MS, foi promovido um treinamento inédito envolvendo mais de 1.200 profissionais de saúde dos 399 municípios do Paraná.

Os participantes foram sensibilizados sobre a importância das vacinas e do papel que eles exercem como profissionais que atuam na linha de frente, em contato direto com a população.

“Nosso objetivo é capacitar constantemente todos os profissionais de saúde que atuam diretamente com a população, motivando para que sejam os nossos interlocutores e levem a cada cidadão a informação correta sobre as vacinas que fazem parte do calendário vacinal da rede do Estado”, enfatizou o secretário Beto Preto.

A Secretaria organiza a rede de educação permanente sobre vacinação, oferecendo cursos e capacitações para os servidores das 22 Regionais de Saúde.

DOENÇA – O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes do sarampo são mais graves em crianças menores de cinco anos e podem causar meningite, encefalite, pneumonia, entre outras. O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar, por isso o alto poder de contágio da doença.

SINTOMAS – Os sintomas mais comuns são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), outros sintomas como cefaleia, indisposição e diarreia também podem ocorrer.

Como não existe tratamento específico para o sarampo, é importante ficar atento com o aparecimento dos sintomas. Os doentes ficam em isolamento domiciliar ou hospitalar por um período de sete dias a partir do aparecimento das manchas vermelhas no corpo.

VACINAÇÃO – A vacina contra o sarampo é gratuita e faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. A Secretaria da Saúde orienta para que a população fique atenta às datas da carteira de vacinação e aos registros de doses.

A dose zero deve ser aplicada em crianças entre seis e onze meses. A primeira dose deve ser aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral (que previne sarampo, caxumba e rubéola), e a segunda dose aos 15 meses de vida com a vacina tetra viral (que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora).

A população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. E para as pessoas que estão no grupo com idade entre 30 e 49 anos basta ter o registro de uma dose.

Mulheres que estão amamentando podem ser vacinadas. E aquelas que desejam engravidar, devem aguardar no mínimo 30 dias após receber a dose da vacina. Todos os profissionais da área da saúde devem ser vacinados com as duas doses da tríplice viral em qualquer faixa etária.

Não tem indicação para tomar a vacina pessoas com a imunidade baixa, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade e pacientes que tomam medicações imunossupressoras.

AEN/PR

Paraná ultrapassa os 14 mil casos de dengue e entra em alerta de epidemia

04/02/2020 16:250 comments
Mosquito Aedes aegypti. Foto: Pedro Ribas/ANPr

O Paraná registra atualmente 102,08 casos de dengue autóctones por 100 mil habitantes, incidência que confirma situação de alerta de epidemia no Estado. O dado está no boletim que monitora a doença e foi divulgado nesta terça-feira (4) pela Secretaria Estadual da Saúde.

Mosquito Aedes aegypti. Foto: Pedro Ribas/ANPr

O boletim aponta nesta semana 14.697 casos confirmados de dengue. São 3.815 a mais que a semana anterior, que apresentava 10.882. O aumento é de 35,06%. O total de casos notificados é de 49.464, registrados em 309 municípios do Paraná. “Alertamos a todo o paranaense, independente da região de residência, para a necessidade de eliminar os criadouros do mosquito transmissor da doença”, diz o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

“Cerca de 90% dos focos estão nos quintais e pátios e nos ambientes internos das residências e das empresas privadas e públicas. Precisamos do apoio de todos nesta ação de remoção, pois o período de maior transmissão dengue ainda não chegou”, afirma.

O índice infestação é calculado pela regra de três simples: divide-se o número de casos autóctones confirmados pelo número de habitantes e multiplica-se por 100 mil habitantes. No caso do Paraná são 11.585 casos autóctones e 11.348.937 milhões de habitantes, totalizando 102,08 casos por 100 mil habitantes.

MUNICÍPIOS – O boletim mostra que houve aumento, também, no número de municípios em situação de epidemia – eram 34 e agora são 50. Entraram para esta relação Indianópolis, Itaúna do Sul, Mirador, Planaltina do Paraná, Porto Rico, Santo Antônio do Caiuá, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Terra Rica, Atalaia, Itaguajé, Nossa Senhora das Graças, Presidente Castelo Branco, Santa Fé, Uraí e Porecatu.

São 29 os municípios em situação de alerta para dengue, sendo que 15 entraram para a lista a partir do boletim desta terça-feira: Nova Aurora, Engenheiro Beltrão, Altônia, Brasilândia do Sul, Cruzeiro do Oeste, Umuarama, Amaporã, Nova Londrina, Querência do Norte, Maringá, Nova Esperança, Sarandi, Andirá, Rancho Alegre, e Arapuã.

“O Governo do Estado realiza uma grande força-tarefa por meio do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue, em funcionamento desde o ano passado, e vem promovendo ações em todo o Paraná, em parceria com municípios e entidades da sociedade civil”, explica o secretário Beto Preto.

“Foram realizados mutirões de limpeza com orientação técnica para a remoção de focos, palestras de orientação sobre medidas preventivas e capacitação de mais de 1.200 profissionais sobre manejo clínico da doença, nas regiões de Londrina, Maringá, Paranavaí e Campo Mourão”, informa.

Na próxima semana, de 11 a 14 de fevereiro, a capacitação sobre manejo clínico da dengue para médicos, enfermeiros e profissionais da saúde será ministrada pelos técnicos da Secretaria da Saúde nas regiões de Jacarezinho, Cornélio Procópio e Cianorte.

Agência Estadual de Notícias

Sobe para sete o número de mortes por dengue no Paraná

29/01/2020 09:350 comments
Detran Participa Campanha Contra Dengue. Foto: Ari Dias/AEN

O boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (28) pela Secretaria de Estado da Saúde registra sete mortes por dengue. São cinco a mais que o informe da semana anterior.

O número de casos confirmados aumentou em 3.264: passou de 7.618 para 10.882 confirmações, um aumento de 42,82% em relação à semana anterior.

São 198 municípios com casos confirmados para a doença. 34 municípios estão em epidemia, 10 a mais que a relação divulgada na semana passada.

Detran Participa Campanha Contra Dengue. Foto: Ari Dias/AEN

Os municípios que passaram a constar desta lista são Jesuítas, Barbosa Ferraz, Iretama, Alto Paraná, Paranapoema, Munhoz de Mello, Lupionópolis, Jacarezinho, Quatro Pontes e Godoy Moreira.

26 cidades estão em situação de alerta. O número também aumentou se comparado ao informe anterior, com 8 municípios a mais. São eles: Fênix, Alto Piquiri, Loanda, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Santa Inês e Santo Inácio.

O Governo do Paraná desenvolve neste momento várias ações de combate ao mosquito vetor em todas as regiões, coordenadas pelo Comitê Intersetorial de Controle da Dengue. “Todas as secretarias estaduais e órgãos públicos, além de entidades da sociedade civil organizada, participam das atividades de orientação sobre as medidas que visam, principalmente, a eliminação dos criadouros do Aedes aegypti nos domicílios e imóveis públicos e comunitários”, afirmou o secretário Beto Preto.

ÓBITOS – As cinco novas mortes confirmadas nesta semana envolvem idosos, todos portadores de comorbidades, que são doenças crônicas já instaladas e que associadas à dengue agravam o estado de saúde dos pacientes.

“Por isso, reafirmamos os cuidados nesta faixa etária e nossa atuação, nesta semana, envolve exatamente a capacitação para manejo clínico de pacientes”, afirmou o secretário. Segundo ele, nesta terça-feira a secretaria segue programação de orientações a profissionais com foco assistencial, junto à 17ª Regional de Londrina, com a participação de cerca de 300 profissionais.

Na quarta-feira, a mesma capacitação será em Maringá; na quinta, em Paranavaí, e na sexta, em Campo Mourão. “Nosso objetivo é que os profissionais das unidades de saúde estejam sempre preparados para o diagnóstico e atendimento ágil e eficaz”, acrescentou.

De acordo com o boletim, quatro mortes são casos autóctones, contraídos na cidade de residência: mais um caso foi em Nova Cantu; uma mulher de 71 anos, com pneumonia e artrite reumatoide (óbito em 03/01/2020); um caso em Itaguajé, uma mulher de 89 anos, portadora de hipertensão arterial (óbito em 09/01/2020); um caso em Colorado; onde morreu um homem de 80 anos e cardiopata (óbito em 26/12/2019), e um caso em Florestópolis, um homem de 72 anos (23/12/2019).

Um outro caso importado foi confirmado: de uma moradora do município de Rondon; a mulher de 66 anos adquiriu dengue quando viajou para Itajubi, no interior paulista e era portadora de hipertensão arterial e diabetes (óbito em 12/01/2020).

AEN/PR