Agepar homologa reajuste dos pedágios no Paraná

11/12/2018 08:390 comments
Foto: Jorge Woll/DER

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) homologou, nesta segunda-feira, 10, a correção das tarifas de pedágio do Anel de Integração, encaminhadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR).

Foto: Jorge Woll/DER

O reajuste médio anual vai variar de 6,66% a 8,40%. O valor é maior do que a inflação do período devido ao fato de, a forma paramétrica, que é utilizada para cálculo do reajuste, ser composta de outros índices, que acabaram elevando o percentual.

Entre as cinco concessionárias que apresentaram pedido, a Rodonorte é a que terá o menor percentual, 6,66%. O maior será concedido a Viapar, 17,60%, que resulta, além do reajuste anual de 7.79%, de um acréscimo oriundo do degrau tarifário aprovado em janeiro deste ano e não aplicado.

Diferente dos outros anos, a Agepar, além de homologar as novas tarifas decidiu apresentar também os valores finais que serão aplicadas em todas as praças de pedágio. Os novos preços passam a valer a partir da publicação específica do DER.
O reajuste médio, de acordo com cada concessionária, é o seguinte:

Rodonorte 6,66%
Ecovia – 7,91%
Ecocataratas – 7,66%
Viapar – 17,60%
Caminhos do Paraná – 8,40%

Econorte – Não apresentou pedido de reajuste
CLIQUE AQUI para acessar as tabelas com os preços que serão praticados nem cada praça de pedágio

Operação da PF combate fraudes contra o INSS no Paraná

06/12/2018 08:410 comments
Operação da PF combate fraudes contra o INSS no Paraná

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (6) a Operação Crotalus. É para desarticular organização criminosa que desviava dinheiro público por meio de fraudes em benefícios do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social. As fraudes chegam a R$ 2 milhões.

Policiais federais estão cumprindo seis mandados de busca e apreensão nas cidades de Curitiba, São José dos Pinhais, Cascavel e Marechal Cândido Rondon, no Paraná, e em Bombinhas, em Santa Catarina. A Justiça federal determinou ainda a prisão de um dos investigados, mas relacionado a outra investigação em crime de falsificação de moeda.

As investigações sobre as fraudes contra o INSS tiveram início em 2017, “em razão da suspeita de recebimento indevido de um benefício previdenciário de pensão por morte.

Foram identificadas diversas empresas de fachada criadas e mantidas pelos integrantes da organização para movimentar os valores obtidos através das fraudes”, diz a PF.

De acordo com a PF, o nome da operação, Crotalus, é uma referência a um gênero de serpentes, em alusão ao local onde residia um dos principais alvos das investigações.

Agência Brasil

Paranaenses devem se vacinar contra a febre amarela

29/11/2018 14:520 comments
Vacinação. -  
Foto:Venilton Küchler

Em função da chegada das altas temperaturas, a Secretaria de Estado da Saúde alerta a população sobre a necessidade de tomar a vacina contra a febre amarela por conta do período de maior incidência da doença, entre dezembro e maio, e das viagens de fim de ano. Além do calor, a intensificação das chuvas e a aglomeração de pessoas em locais próximos a matas, cachoeiras e parques favorecem a transmissão do vírus e a reprodução dos mosquitos.

Vacinação. –
Foto:Venilton Küchler

“Estamos em alerta. Nossa obrigação como agentes da saúde é proteger e orientar a população, organizando ações efetivas de imunização e controle de vetores”, disse o secretário de Estado da Saúde, Antônio Carlos Nardi. “Contamos com o apoio de equipes preparadas e vacinas da mais alta qualidade. Todos aqueles que fazem parte do público-alvo devem se imunizar. Estamos garantindo a saúde não apenas neste período de fim de ano, mas durante toda uma geração”, destaca.

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por vírus, que se manifesta por febre, dor no corpo e fraqueza, e com alto risco de morte em suas formas graves. A doença não é contagiosa e não há transmissão direta de pessoa a pessoa, apenas pela picada de mosquitos infectados com o vírus.

VACINAÇÃO – As doses da vacina já estão disponíveis nas unidades de saúde de todos os municípios do Paraná. Desde junho, 36 municípios da região litorânea, Curitiba e Região Metropolitana foram incluídos pelo Ministério da Saúde como área de recomendação de vacinação. Com isso, todos os municípios paranaenses passaram a ser considerados como áreas em que a vacina contra febre amarela deve ser aplicada em quem tem idade entre 9 meses e 59 anos. A imunização ocorre dez dias após a aplicação da dose.

“Alertamos os 399 municípios do Paraná, mas principalmente a população. A população é que deve procurar as unidades de saúde e as salas de vacinação, primeiramente para verificar se o Certificado de Regulação de Vacina está em dia e, se necessário, se imunizar contra a febre amarela. A vacina é a forma mais eficiente e segura de prevenir doenças”, acrescenta o secretário.

O diretor do Centro Estadual de Epidemiologia, João Luís Crivellaro, explica que apenas uma dose da vacina é indicada para a prevenção, mesmo que já tenha passado 10 anos da aplicação. “É muito importante estar atento ao preenchimento correto da carteira de vacinação. Um esquema vacinal completo previne doenças e garante a segurança de todos”, fala.

ESCOLAS – Com aprovação da Lei Estadual 19534/18, no ato da rematrícula é obrigatória a apresentação do Certificado de Declaração de Vacinação, emitido pelas Unidades Básicas ou privadas de Saúde do Paraná. A regra é válida para estudantes menores de 18 anos. A vacina contra a febre amarela é uma das que precisa estar em dia.

A ausência da Declaração de Vacinação não impossibilita a matrícula ou rematrícula, mas os pais ou responsáveis devem regularizar a situação em um prazo máximo de até 30 dias.

CUIDADOS – A superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini, explica sobre os riscos e as principais formas de prevenção contra o mosquito transmissor, o Aedes aegypt, que é o mesmo vetor da dengue, zika e chikungunya e, também, da febre amarela.

“É preciso que fique claro que o transmissor da febre amarela é o mosquito, não os macacos. A população, em especial aquelas que moram próximas a áreas rurais ou de matas, deve ficar atenta, pois a morte de macacos é um sinalizador da presença do vírus na região. Além disso, para uma proteção efetiva, é imprescindível tomar a vacina contra a doença”, fala a superintendente. Segundo último período epidemiológico nacional, de julho/2017 a junho/2018, foram notificados 7.518 mil casos humanos, com 1.376 mil confirmados. Desses, foram a óbito 483 pessoas, 99% na região Sudeste do Brasil.

No Paraná, entre julho/2017 a junho/2018, foram notificados 157 casos suspeitos de febre amarela. De todas as notificações, 137 foram descartados e 16 permanecem em investigação. Foram confirmados dois casos, ambos importados da região de São Paulo.

NOTIFICAÇÃO – Em caso de morte de macacos e alta ocorrência de infestação de mosquitos, a Secretaria da Saúde orienta que a população notifique a situação no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, pelo telefone 0800-643-8484, ou vá até a Unidade de Saúde mais próxima.

Agência Estadual de Notícias

Estado firma convênio com entidade de ressocialização de presos

27/11/2018 08:410 comments
A governadora Cida Borghetti assinou nesta segunda-feira (26) convênio que prevê repasse de recursos mensais para a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), de Ivaiporã para que a entidade possa dar início as atividades de ressocialização dos presos do município.  -  Curitiba, 26/11/2018  -  Foto: Orlando Kissner/ANPr

A governadora Cida Borghetti assinou nesta segunda-feira (26), no Palácio Iguaçu, convênio que prevê repasse de recursos mensais para a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), de Ivaiporã, na região Norte, para que a entidade, que atua em parceria com o Estado e conta com o apoio do Tribunal de Justiça, possa dar início as atividades de ressocialização de presos do município.

A governadora Cida Borghetti assinou nesta segunda-feira (26) convênio que prevê repasse de recursos mensais para a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), de Ivaiporã para que a entidade possa dar início as atividades de ressocialização dos presos do município. – Curitiba, 26/11/2018 – Foto: Orlando Kissner/ANPr

Com a liberação de R$ 716 mil, recurso previsto para um ano, será possível atender inicialmente 42 presos em regime fechado, que estão em delegacias para a unidade. O ato de assinatura foi acompanhado pelo secretário de Segurança Pública, Júlio Reis; o deputado federal Ricardo Barros e o deputado estadual Alexandre Curi.

A APAC é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que se dedica à recuperação e reintegração social dos condenados. Além desse repasse para custeio da unidade, está em trâmite no Paranacidade um recurso no valor de R$ 265 mil para ampliação da APAC, que possibilitará a abertura de mais 62 vagas em regime semiaberto.

A governadora destacou a importância do trabalho feito pelas APACs para a ressocialização de presos. “É importante essa parceria para a execução desse modelo, que tem se mostrado bem-sucedido. Uma iniciativa que vem ao encontro do pensamento do Estado, que preza pela humanização do sistema penitenciário e a ressocialização dos detentos”, disse Cida.

“A Secretaria da Segurança Pública tem dado toda a celeridade possível para possibilitar o início do funcionamento da APAC, que é um tratamento todo diferenciado, com índice de ressocialização mais alto do que em qualquer sistema de penitenciário do Brasil. Trata-se de um avanço”, disse o secretário de Segurança pública, Júlio Reis.

O projeto será iniciado, em Ivaiporã, em dezembro, devido ao repasse de recursos do Estado feito por meio de convênio com o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen). O repasse de R$716 mil atenderá o período de dezembro de 2018 a novembro de 2019. Segundo assessor de planejamento do Depen, André Kendrick, o primeiro repasse que, se dará no próximo mês, é de R$ 57,5 mil. Os demais são trimestrais, no valor de R$ 181 mil, para atender despesas com a manutenção, encargos, alimentação e pagamento de funcionários.

“É uma parceria para abertura de vagas no sistema para o cumprimento de pena sob supervisão do Estado. Apostamos no projeto pela eficiência que tem demonstrado e pelo baixo índice de reincidência dos presos que estão nas APACs, que não passa de 10%”, disse André Kendrick. No sistema convencional, cada preso custa cerca de 4 salários-mínimos mensais ao Estado. No método APAC, o custo cai para aproximadamente 1 salário-mínimo.

SOLUÇÃO – De acordo com o prefeito de Ivaiporã, Miguel Amaral, com a abertura de vagas na APAC é possível reduzir o número de presos em delegacias no município. “Estamos com a cadeia lotada. Com essa iniciativa podemos levar 42 presos para a APAC, uma alternativa viável, que ajudará a solucionar ou, pelo menos, minimizar essa situação. Além disso, lá eles poderão trabalhar e participar de outras atividades de ressocialização”, destacou. O imóvel que abriga a APAC foi cedido pela prefeitura de Ivaiporã e reformado com recursos da propria entidade.

ESPAÇO – De acordo com Juiz do Tribunal Regional do Trabalho e integrante da equipe que coordena a unidade, Cicero Ciro Simonini Júnior, serão contratados para atuar na unidade de Ivaiporã funcionários em regime celetista, além de profissionais que farão trabalho voluntário.

O espaço conta com salas de aulas e cursos, consultórios médico e odontológico, barbearia, cozinha, capela e salas para atendimento psicológico e jurídico. Simioni destacou que os presos que serão transferidos passam por uma seleção prévia feita pelo Tribunal de Justiça.

“Contamos com uma estrutura completa para que o preso retorne recuperado para a sociedade depois do cumprimento da pena. Nossa disciplina é bastante rigorosa e na APAC eles são responsáveis pela limpeza do local e pela refeição, além de atividades de estudo, trabalho e outros cursos”, disse.

Segundo ele, esse método de recuperação de presos começou em Minas Gerais e está sendo estendido para todo país. “Temos um índice de 91% de presos recuperados, enquanto no sistema convencional o índice é de 14%”, informou.

De acordo com o juiz, o objetivo da APAC é gerar a humanização das prisões, sem deixar de lado a finalidade punitiva da pena. Seu objetivo é evitar a reincidência no crime e proporcionar condições para que o condenado se recupere e consiga a reintegração social.

Na unidade serão oferecidos vagas em regime fechado, semiaberto e trabalho externo, todas as etapas que compreendem o sistema de execução penal. Ao todo, serão disponibilizadas cerca de 102 vagas, depois da ampliação da unidade.

PARANÁ – A primeira unidade de execução da pena pelo método APAC, foi implantada na comarca de Barracão, em 2012, numa parceria entre Governo do Estado do Paraná, Tribunal de Justiça, Ministério Público e OAB/PR. Depois, foi criada a APAC de Pato Branco, cujo imóvel e material de construção foram cedidos pela administração municipal. Todas as unidades contam com a parceria e a supervisão de presos do Governo do Estado.

AEN/PR

Paraná firma protocolo para criar rede de atenção LGBT

25/10/2018 09:150 comments
As secretarias estaduais da Saúde, da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, da Família e Desenvolvimento Social, da Segurança Pública e da Administração Penitenciária e da Educação firmaram parceria ao assinarem Protocolo de Intenções para combater os casos de violação dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) do Paraná.  -  Curitiba, 24/10/2018. -- Foto: Divulgação SESA

As secretarias estaduais da Saúde, da Justiça, da Família e Desenvolvimento Social, da Segurança Pública e da Educação firmaram terça-feira (23) uma parceria sobre o Protocolo de Intenções para combater casos de violação dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) do Paraná.

As secretarias estaduais da Saúde, da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, da Família e Desenvolvimento Social, da Segurança Pública e da Administração Penitenciária e da Educação firmaram parceria ao assinarem Protocolo de Intenções para combater os casos de violação dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) do Paraná. – Curitiba, 24/10/2018. — Foto: Divulgação SESA

O acordo estabelece a articulação de ações conjuntas para estruturação de uma rede intersetorial de apoio e atenção à população LGBT.  Também visa estimular a coleta de dados e informações para desenvolvimento de políticas públicas, capacitar profissionais para acolhimento humanitário, promover a tolerância e o respeito à identidade de gênero e garantir o uso do nome social e orientação sexual com integralidade.

O secretário estadual da Saúde, Antônio Carlos Nardi, ressaltou as ações do Governo em garantir o acesso da população aos serviços básicos de saúde e uma qualidade de vida digna. Nardi também acrescenta que é um ato de cidadania promover o respeito e a integralidade do atendimento.

“O Paraná é uma região diferenciada, temos uma grande pluralidade de culturas, vivências e pessoas. Ofertar garantias e direitos para todos os paranaenses é o compromisso do Governo do Estado, que estamos cumprindo de maneira eficaz e com altíssima qualidade”, disse.

Segundo ele, a parceria entre todas as secretarias demonstra o respeito a todas as pessoas que moram no Estado. “Este protocolo estabelece, de maneira formal e legislativa, a nossa missão como representantes em promover uma sociedade mais justa, respeitosa e saudável”, acrescentou.

CUIDADO – O chefe da divisão estadual de controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, AIDS e Hepatites Virais, Francisco Carlos dos Santos, disse que o protocolo representa uma mudança significativa na rotina de cuidados com a saúde da população LGBT. “Segundo pesquisas, os transexuais são aqueles que mais se infectam pelo vírus HIV, muitas vezes isto ocorre por não existir uma rede de atenção adequada, com pouca ou nenhuma informação sobre como proceder e abordar uma pessoa trans. O protocolo vai ser extremamente efetivo para auxiliar na construção de uma sociedade mais segura e saudável para todos”, afirmou.

AEN/PR

13° salário deve injetar R$ 12,5 bilhões na economia paranaense

23/10/2018 14:230 comments
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Estima-se que o pagamento do 13° salário, que deve ser concluído até dezembro de 2018, vai injetar cerca de R$ 12,5 bilhões na economia paranaense. O montante é equivalente a cerca de 35,4% do total pago na região Sul e a 5,9% do valor que entrará em circulação no Brasil. A estimativa baseia-se em cálculos apresentados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

Para o secretário especial do Trabalho e Relações com a Comunidade do Paraná, Paulo Rossi, a inserção deste valor é importante pois vai propiciar que o cidadão pague suas contas e tenha mais poder de consumo. “A injeção do 13° salário dá poder de consumo para a população e faz a economia girar, criando mais empregos”, complementa Rossi.

Segundo o estudo, a projeção é que aproximadamente 5,1 milhões de paranaenses sejam beneficiados com o pagamento do 13° salário. Dentre eles, 59,7% correspondem a trabalhadores do mercado formal, celetistas ou estatutários, enquanto pensionistas e aposentados do INSS representam 38,4%. Os trabalhadores domésticos são a menor parcela – somente 1,8% do total.

“Essa injeção de recursos deve aquecer setores importantes para crescimento da economia, como comércio, serviços e turismo.” explica Suelen Glinski, economista do Observatório do Trabalho, da Secretaria Especial do Trabalho e Relações com a Comunidade.

Para chegar a esta estimativa, o Dieese reuniu dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho. O Dieese também considerou as informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os estudos de impacto apresentados pelo Dieese consideraram apenas trabalhadores formais, e não levam em conta os autônomos, assalariados sem carteira ou tralhadores de outras formas de inserção no mercado.

A maior parte dos recursos destinados ao pagamento do 13° no Paraná caberá aos trabalhadores do setor de Serviços, que inclui a administração pública. Sozinho, este setor deve receber 59,3% do total. Em seguida estão os setores da Indústria (20,3%) e Comércio (15,2%).

BRASIL – No país, estima-se que o pagamento do 13° salário injetará mais de R$ 211 bilhões na economia. Este montante é equivalente a cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. De acordo com o Dieese, a previsão é que aproximadamente 84,5 milhões de brasileiros recebam este benefício.

AEN/PR

Cida Borghetti assegura uma transição transparente e harmônica

17/10/2018 09:200 comments
Governadora Cida Borghetti durante reunião do secretariado. -  Curitiba, 16/10/2018. - Foto: José Fernando Ogura

A governadora Cida Borghetti anunciou que vai editar um decreto para o processo de transição do Governo do Paraná. Ela ressalta que a medida organiza as atividades e assegura total transparência nas informações. “O decreto estabelecerá um processo transparente e harmônico”, afirmou Cida em reunião com a equipe de governo, nesta terça-feira (16), no Palácio Iguaçu, em Curitiba.

Governadora Cida Borghetti durante reunião do secretariado. – Curitiba, 16/10/2018. – Foto: José Fernando Ogura

O documento está sendo elaborado pela Casa Civil e seguirá o modelo utilizado pelo Governo Federal. Até então as transições eram organizadas de acordo com cada governador. “A equipe de nosso governo será totalmente colaborativa”, assegurou a governadora, que agradeceu o empenho de toda a equipe e pediu agilidade na execução de projetos ainda em andamento.

O início da transição está marcado para o dia 3 de dezembro e vai envolver representantes das secretarias de Estado e indicados pelo futuro governador. “Esta comissão será o canal oficial de troca de informações do governo”, informou Cida Borghetti.

CALENDÁRIO DE OBRAS E AÇÕES – Na reunião também foi sugerido um calendário de obras e ações que serão entregues ainda neste ano. “Temos muitas ações em andamento e vamos finalizá-las até dia 31 de dezembro para entregar um Estado muito melhor do que recebemos. Já garantimos no orçamento do próximo ano quase R$ 2 bilhões a mais para as áreas da saúde, segurança e educação”, declarou Cida.

O secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Silvio Barros, ressaltou a necessidade de manter o ritmo de trabalho até final do ano. “O Paraná não pode parar, a velocidade de ações deste governo foi muito alta e vai continuar no mesmo ritmo de trabalho. Temos metas a cumprir”, disse.

Durante a reunião, os secretários de Estado e gestores de empresas e outros órgãos públicos receberam a tarefa de produzir relatórios sobre projetos que estão sob responsabilidade de cada área da administração pública. “O objetivo é executar aquilo que falta e organizar as informações para que haja continuidade dos processos no próximo governo”, afirmou Barros.

CONSENSO – “Vamos deixar ao Paraná um legado de governo mais eficiente da história do Estado”, afirmou o chefe da casa Civil, Dilceu Sperafico. Ele destacou a abertura do diálogo para que medidas legislativas que atendam a atual e a futura gestão sejam encaminhadas para a Assembleia em consenso.

Entre as propostas do governo já enviadas para a apreciação dos deputados estaduais estão a que propõe o parcelamento de débitos tributários e outra que assegura a manutenção de benefícios fiscais, que atende norma com Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e precisa ser aprovada até 28 de dezembro.

AEN/PR

Cerca de 60 mil pessoas podem perder benefício social no Paraná

16/10/2018 10:350 comments
Foto: Divulgação

Quase 60 mil pessoas idosas ou com deficiência podem ficar sem receber o Benefício de Prestação Continuada (BPC) a partir de janeiro de 2019. São beneficiários que ainda não estão inscritos ou que não atualizaram seus dados no Cadastro Único para Programas Sociais nos últimos 48 meses.

Cadastro único para programas sociais. Foto: Divulgação

O prazo final para evitar que o benefício seja bloqueado ou suspenso encerra no dia 31 de dezembro deste ano.

Segundo a superintendente de assistência social da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social, Alzenir de Fátima Sizanoski, é fundamental que os municípios estejam comprometidos em orientar a população sobre o prazo para o cadastro, e fazer a busca ativa das pessoas que têm direito ao benefício.

“O benefício é uma garantia de dignidade às pessoas que não possuem outras fontes de renda. Por isso precisamos alertar quanto às novas exigências para que nenhuma delas fique sem receber”, afirma a superintendente. Segundo ela, mesmo quem já possui o cadastro deve atualizar os dados a cada dois anos ou sempre que houver modificação na família, como alteração na composição familiar ou mudança de endereço.

DOCUMENTOS – Para atualizar o cadastro, é preciso comparecer a um dos 569 Centros de Referência de Assistência Social (Cras) do Estado. Caso o beneficiário tenha dificuldade para deslocamento, o procedimento pode ser feito pelo responsável familiar. Os documentos necessários são o CPF e o título de eleitor. Comprovante de endereço, como conta de luz, e matrícula escolar de jovens de até 17 anos na família não são obrigatórios, mas facilitam o cadastro. Para os indígenas, o Registro Administrativo de Nascimento Indígena (Rani) também serve como documentação.

A regularização do cadastro permite o acesso a outros programas socioassistenciais, como o Família Paranaense, Luz Fraterna, Tarifa Social, dentre outros. Quando o Cadastro Único deixa de ser atualizado em um período de cinco anos, é excluído.

CRITÉRIOS – Previsto na Lei Orgânica de Assistência Social (Lei Federal 8742/93), O Benefício de Prestação Continuada concede um salário mínimo mensal para pessoas com mais de 65 anos ou com deficiência de qualquer idade que comprovem incapacidade para trabalhar e se manterem independentes. Para requerer o benefício, a renda per capita da família não pode ultrapassar um quarto de salário mínimo (menos de R$ 238,50).

DIREITO DO IDOSO – Segundo a coordenadora estadual da Política da Pessoa Idosa, Fabiana Longhi, o BPC garante alimentação, medicamentos e moradia e auxilia, em especial, pessoas idosas que não possuem aposentadoria. “A concessão do benefício também está determinada no artigo 34 do Estatuto do Idoso. Para receber, não é necessário ter contribuído ao INSS. Mesmo assim, muitas vezes, o benefício deixa de ser concedido porque as pessoas não sabem que têm direito”, diz Fabiana.

PARANÁ – Em julho deste ano, havia 205.908 pessoas idosas e pessoas com deficiência recebendo o Benefício. Desse total, 72% possuem Cadastro Único e 56.728 ainda precisam fazer a inscrição no banco de dados. A maioria dos beneficiários (55%) são pessoas com deficiência e os demais são pessoas idosas.

O Cadastro Único é uma ferramenta informatizada que identifica e caracteriza as famílias, além de fornecer um diagnóstico da realidade socioeconômica da população. Nele, são registradas informações como características da residência, identificação pessoal, escolaridade e situação de trabalho e renda. Também são identificadas as pessoas situação de risco e vulnerabilidade social, e aquelas que necessitam de atenção especial do poder público, como idosos e pessoas com deficiência.

AEN/PR

Ratinho Júnior é eleito governador do Paraná no primeiro turno

08/10/2018 15:300 comments
Ratinho Júnior é eleito governador do Paraná no primeiro turno

O candidato Ratinho Júnior (PSD) venceu a disputa para o governo do Paraná no 1º turno, com 59,9% dos votos válidos. A atual governadora Cida Borghetti (PP) ficou em segundo lugar, com 15,5% dos votos válidos. João Arruda do MDB ficou na terceira colocação com 13,1% dos votos válidos, seguido de Dr. Rosinha do PT com 8,6%.

Filho do apresentador de televisão Carlos Massa, o Ratinho, estreou na política com 21 anos, quando foi eleito deputado estadual pelo PSB, no Paraná. Em 2006, concorreu a deputado federal, pelo PPS, e conquistou uma vaga na Câmara Federal.

Foi reeleito em 2010, dessa vez, filiado ao PSC. Dois anos depois, tentou, sem sucesso, ser prefeito de Curitiba. Após a derrota, voltou a atuar na capital paranaense: foi secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, no primeiro governo do tucano Beto Richa.

Em 2014, elegeu-se deputado estadual, com mais de 300 mil votos, a maior votação do Paraná. Durante o mandato na Assembleia Legislativa, assumiu novamente a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, mas tenta se desvincular politicamente do ex-governador.

Natural de Jandaia do Sul, tem 37 anos. É formado em Propaganda e Marketing pela Faculdade Internacional de Curitiba e pós-graduado em Direito do Estado pela Universidade Católica de Brasília. (Bem Paraná)

Oriovisto Guimarães e Flávio Arns são eleitos senadores pelo Paraná

15:020 comments
Arns e Oriovisto desbancaram Requião e Richa. Foto: Divulgação

Os candidatos Oriovisto Guimarães (Podemos) e Flávio Arns (Rede) foram eleitos senadores pelo Paraná. Com 100% das urnas apuradas, eles ficaram com 29,1% e 23%, respectivamente.

Arns e Oriovisto desbancaram Requião e Richa. Foto: Divulgação

O candidato Roberto Requião, que disputava a reeleição, ficou em terceiro lugar, com 15% dos votos válidos. Os dois candidatos recém-eleitos vão ocupar uma cadeira no Senado ao lado de Álvaro Dias (Podemos), que assumiu em 2014 e tem mais quatro anos de mandato.

O ex-governador Beto Richa (PSDB), que foi preso temporariamente durante o período eleitoral, teve apenas 3,7% dos votos válidos, ficando atrás de Alex Canziani (PTB) com 12,8% e Miriam Gonçalves do PT com 5,9%.