Em Curitiba, 170 pessoas conduziram a Tocha Olímpica

15/07/2016 12:030 comments
Em Curitiba, 170 pessoas conduziram a Tocha Olímpica

tocha1Milhares de pessoas acompanharam nesta quinta-feira (14) a passagem da Tocha Olímpica por Curitiba, vinda de São José dos Pinhais na Região Metropolitana. O revezamento do símbolo das Olimpíadas iniciou por volta das 10h30 no Museu Oscar Niemeyer, seguiu pelo Centro Cívico, passando pelo Palácio Iguaçu, Praça Nossa Senhora da Salette e pela prefeitura, indo em direção ao Teatro Guaíra. O percurso na capital paranaense foi de 37 quilômetros, até a Pedreira Paulo Leminski, onde aconteceu a cerimônia de encerramento, às 18h.

Participaram do revezamento 170 pessoas, entre atletas, policiais militares, pessoas de destaque na sociedade. O primeiro a conduzir foi o atleta paralímpico curitibano Moisés Batista, que representou a natação brasileira nas Paralimpíadas de Atenas, em 2004, e de Pequim, em 2008. “É um momento de extrema alegria carregar a tocha em uma cidade como Curitiba”, afirmou ele. Atualmente, Moisés faz parte da seleção brasileira de rugby de cadeira de rodas, mas não vai participar dos jogos neste ano. “Estarei no Rio este ano como torcedor, prestigiando meus colegas e meus amigos”, disse o atleta.

Entre os condutores dos primeiros quilômetros também estava o servidor da Secretaria da Saúde Irajá de Brito Vaz, que recebeu a chama olímpica na Avenida Cândido de Abreu, no Centro Cívico.

Chefe do Centro de Estudos de Extensão e Pesquisa do Centro Hospitalar de Reabilitação, Irajá foi atleta de ponta da natação e representou o Brasil nas Paralimpíadas de Sidney, em 2000, e de Atenas, em 2004. “A emoção de carregar a Tocha Olímpica é indescritível. Participei de várias competições internacionais, duas paralimpíadas e este foi mais um momento marcante”, disse ele. “É um símbolo que representa as boas novas, os desafios dos atletas e, principalmente, a integração dos povos por meio do esporte.”

PARTICIPAÇÃO – O secretário de Estado do Esporte e Turismo, Douglas Fabrício, acompanhou a saída do fogo olímpico de São José dos Pinhais e afirmou que a passagem da tocha é um momento histórico para todos os municípios paranaenses que receberam o símbolo dos Jogos 2016. “A passagem da Tocha Olímpica por 22 municípios do Paraná simboliza também uma homenagem aos nossos atletas que participarão dos Jogos. É um marco histórico para nossos atletas e para todos os paranaenses que gostam de esportes”, disse o secretário. “Uma festa muito bonita, uma motivação muito grande de pessoas de todas as idades, especialmente das crianças, por poderem participar deste momento.”

Luciane Hinu levou a filha Yasmin (9) e André Carlet levou a pequena Laura (5) para acompanhar a saída da Tocha Olímpica do Museu Oscar Niemeyer. “Minha filha estava muito animada para ver a tocha, chamou várias pessoas. É o momento de prestigiar as Olimpíadas e todo este movimento que tanto agrega ao País”, disse Luciane. “É um evento que mobiliza o mundo inteiro e que a gente tem que prestigiar. Trouxe minha filha para acompanhar este momento”, contou André.

BALÉ OLIMPO – O fogo símbolo das Olimpíadas passou em frente ao Teatro Guaíra, que preparou uma apresentação especial para receber o público e os atletas. Os alunos da Escola de Dança Teatro Guaíra se apresentaram em um palco armado na Rua XV de Novembro, ao lado do teatro, alguns trechos da coreografia Olimpo, montada no fim do ano passado para homenagear os Jogos Olímpicos. Foram apresentadas as coreografias Nado Sincronizado, A Bola em Jogo, Ginástica Rítmica e No Tatame e O Espírito Olímpico está no Ar.

O espetáculo passeia pela Grécia antiga, berço dos Jogos Olímpicos, com seus deuses e mitologia; pela França, onde os Jogos Olímpicos Modernos foram criados por Pierre de Coubertin para, então, chegar ao Brasil para o Rio 2016. A coreografia foi apresentada no último domingo (10) no Parque Estadual de Vila Velha, que também receberá a Tocha Olímpica na sexta-feira (15).

OUTRAS CIDADES – Nesta sexta-feira (15), a Tocha Olímpica segue para Fazenda Rio Grande, Araucária, Campo Largo e Ponta Grossa e finaliza sua passagem pelo Paraná na cidade de Castro no sábado (16), para seguir então para o município de Itararé, em São Paulo.

O fogo olímpico iniciou seu percurso no Brasil no mês de maio, em Brasília. Mais de 300 cidades dos 27 estados brasileiros participam do revezamento, que segue até o acendimento da pira na cerimonia de abertura do Jogos Olímpicos, que ocorrerá em agosto, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. Na rota, que é ser traçada durante todo o percurso com o símbolo olímpico, há um total de 20 mil quilômetros percorridos em terra e 10 mil milhas aéreas.

No Paraná, o símbolo das Olimpíadas já passou por Londrina, Arapongas, Maringá, Campo Mourão, Cascavel, Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha do Itaipu, Foz do Iguaçu, Céu Azul, Santa Tereza do Oeste, Realeza, Francisco Beltrão e Pato Branco.

SEGURANÇA – A Polícia Militar do Paraná montou um esquema de segurança por todo o trajeto da Tocha Olímpica no Paraná. Para garantir a segurança dos condutores e dos demais participantes do evento, a PM preparou um grande esquema de segurança, que envolve diversas unidades e forças especiais. A corporação também colocou à disposição um de seus equipamentos mais modernos: o imageador aéreo do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA). O dispositivo, acoplado a um helicóptero, transmitirá imagens ao vivo do deslocamento da tocha para o Centro Integrado de Comando e Controle, fornecendo informações estratégicas às forças de segurança envolvidas na operação.

Chega a quase 18 mil o número de pessoas afetadas pelos temporais

14/07/2016 11:270 comments
Chega a quase 18 mil o número de pessoas afetadas pelos temporais

GRANIZO_3Chega a 17.935 o número de pessoas afetadas pelas tempestades, em 29 municípios do Paraná, segundo informa o boletim da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, divulgado às 17 horas desta quarta-feira. As informações atualizadas até aquele horário indicam que os temporais, com vendaval e granizo, deixaram 15 pessoas feridas, sete desabrigadas e 878 desalojadas. Foram danificadas 4.596 residências. Os temporais ocorreram na tarde de terça-feira (12) e na madrugada desta quarta (13). As informações de danos e estragos prosseguem sendo levantadas.

Segundo o Simepar, o tempo permaneceu instável durante a quarta-feira nas regiões Oeste, Sudoeste, Campos Gerais, Curitiba e Região metropolitana e Litoral. “Houve incidência de ventos em algumas regiões, mas mais fracos que os verificados durante a madrugada”, explicou o meteorologista Samuel Braun. A previsão é de que a chuva continue na madrugada e durante toda esta quinta-feira, principalmente no Sul e Sudoeste.

A Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil está em permanente contato com os municípios para colher dados e definir as ações de apoio à população. Já foram distribuídas 260 bobinas de lona para proteção emergencial de residências nas regiões de Cascavel, Francisco Beltrão e São José dos Pinhais. “Novo lote de material segue na manhã desta quinta-feira para suprir as necessidades de regiões afetadas”, informou a tenente Cassandra Costa, da Defesa Civil. O Corpo de Bombeiros está atuando desde a tarde de terça-feira, em conjunto com as equipes de defesa civil dos municípios.

MUNICÍPIOS – Foram atingidos os municípios de Bela Vista da Caroba, Boa Vista da Aparecida, Capitão Leônidas Marques, Campo Magro, Carambeí, Cascavel, Colombo, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Guaraniaçu, Guarapuava, Imbituva, Lapa, Laranjeiras do Sul, Morretes, Nova Aurora, Pérola do Oeste, Ponta Grossa, Prudentópolis, Rio Branco do Ivaí, Salto do Lontra, Santa Helena, Santa Izabel do Oeste, Santa Maria do Oeste, São Jorge do Oeste, São José das Palmeiras, São José dos Pinhais, Telêmaco Borba, Toledo.

Box

Equipes da Copel trabalham

para reconstruir a rede elétrica

Equipes da Copel trabalham ininterruptamente desde a noite de terça-feira para reconstruir parte da rede elétrica e restabelecer a energia de toda a população afetada pelo forte temporal. Mais de 400 empregados, entre eletricistas e técnicos, foram mobilizados para consertar os estragos causados por ventos, raios e, em alguns casos, como em Salto do Lontra, granizo.

Até o final da tarde de quarta-feira, 13 mil domicílios permaneciam sem energia em todo o estado, o que representa 0,3% do total de consumidores da Companhia. Os municípios mais afetados são Vera Cruz do Oeste, próximo a Cascavel, com 2,2 mil consumidores desligados; Cascavel, com 1.700 e São Pedro do Iguaçu, com 460.

DUAS FRENTES – O temporal alcançou diversas regiões do Paraná em momentos diferentes. Na porção leste do Estado, as chuvas fortes começaram por volta das 17h dessa terça e o pico de desligamentos ocorreu às 20h, quando 45 mil domicílios estavam sem luz. Às 23h, quando boa parte dos desligamentos dessa região havia sido restabelecida, outra frente afetava a região de Cascavel, que chegou a ter 50 mil domicílios sem energia. Na região oeste, o temporal causou a queda de uma torre de transmissão da linha que liga Cascavel a Toledo.

Com atuação rápida, as equipes da Copel conseguiram restabelecer a energia em grande parte das residências nas primeiras horas. O temporal foi causado principalmente pelos fortes ventos, que chegaram a 80 km/h em algumas regiões, pelos raios, e pela chuva de granizo que atingiu a cidade de Salto do Lontra. O fornecimento no município do Sudoeste já foi normalizado.

Ao longo de quarta-feira, as equipes da Companhia trabalharam para restabelecer os casos mais complexos, em que houve queda de postes, torres e reconstruir parte da rede elétrica.

Tocha Olímpica passará pelos Campos Gerais nesta sexta e sábado

12/07/2016 14:450 comments
Tocha Olímpica passará pelos Campos Gerais nesta sexta e sábado

DlzLkrnBJaguariaíva – O revezamento da Tocha Olímpica volta ao Paraná nesta semana. Na quinta-feira, 14, ela chagará a Curitiba e São José dos Pinhais. Já na sexta, 15, a tocha passa por Ponta Grossa, onde pernoitará, seguindo no sábado, 16, para Castro. Na sequência, o revezamento segue para o Estado de São Paulo, em Itararé. Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro estão programados para início no próximo dia 05 de Agosto.

Em Ponta Grossa, a tocha percorrerá as vias Dom Geraldo Pellanda e Marechal Deodoro no centro, Avenida Visconde de Mauá na Vila Oficinas, Avenida Ernesto Vilela e Rua Júlia Lopes na Nova Rússia e Avenida Visconde Taunay na Ronda. Já em Castro, ela passará pelas Ruas Mariana Marques, Basílio Chrun Sobrinho e General Olegário de Macedo.

Polícia Militar monta esquema de segurança para passagem da tocha olímpica em Curitiba

14:150 comments
Polícia Militar monta esquema de segurança para passagem da tocha olímpica em Curitiba

20160629PHOTO00000049A Polícia Militar do Paraná montou um esquema de segurança para receber a Tocha Olímpica em Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba (RMC) nesta quinta e sexta-feira (14 e 15). O símbolo das competições já passou por outros municípios do Paraná, os quais foram acompanhados pela PM, em conjunto com outros órgãos de segurança.

Para que o evento ocorra com tranquilidade, a Polícia Militar fará o bloqueio de trânsito por onde a tocha passará, além de reforçar o policiamento nas regiões.

O percurso de 37 km percorrerá as ruas de Curitiba, sendo a tocha conduzida por 170 pessoas que revezarão em média a cada 200 metros. Dentre os condutores dois policiais militares foram escolhidos, o capitão Alexandre Murbach e a soldado Cristiane Borrasca. Na Capital os trabalhos serão coordenados pelo 1º CRPM que reforçará, por meio das unidades de área (12º, 13º, 20º e 23º BPM), além dos batalhões especializados, o policiamento que acompanhará o itinerário e a transição da tocha.

“A passagem da Tocha Olímpica em Curitiba foi precedida de tratativas e estudos feitos com um ano de antecedência. Estamos, nestes últimos meses, afinando ou ajustando os detalhes da segurança, tanto para a comitiva que acompanha a tocha quanto para o próprio cidadão”, afirma o comandante do 1º CRPM, coronel Péricles de Matos. Segundo ele, a PM quer causar o mínimo de impacto na rotina da cidade devido ao fechamento de ruas e mudanças que são impostas ao trânsito urbano.

O coronel Péricles lembra que é importante que a comunidade colabore e na quinta-feira (14) e evite ir para o centro de Curitiba de carro, devido à grande operação de trânsito e de policiamento. “Queremos garantir a segurança tanto de espectadores quanto dos participantes da comitiva. O mais importante é que as pessoas prestigiem, mas que venham a pé ou de ônibus para que possamos descongestionar o trânsito e tenhamos um fluxo menor de veículos nesta área”, ressalta.

CENTRO INTEGRADO – Desde que a tocha chegou ao Paraná dia 28 de junho em Londrina os representantes de várias instituições estão reunidos no Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR) da Secretaria de Estado da Segurança Pública para coordenar os trabalhos. Câmeras dispostas em diversos locais da cidade transmitem imagens em tempo real à central do CICCR, no 4º andar da Secretaria, comandado pelo major Adilson Luiz Correa dos Santos. O trabalho integrado permite um planejamento de segurança pública mais eficaz, com a aplicação dos policiais de forma estratégica e pontual, diz o major.

As informações obtidas pelo CICCR são repassadas às equipes policiais em campo. O sistema permite ainda a conexão com as aeronaves do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas, recebendo as imagens do imageador aéreo, também em tempo real. Este equipamento será utilizado em ambos os dias de passagem da tocha.

O Centro Integrado de Comando e Controle Regional é o legado dos investimentos para a Copa do Mundo de 2014 e congrega representantes das forças de segurança pública do estado (Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Científica) na atividade de monitoramento em tempo real da Capital.

TRÂNSITO – Em Curitiba, a orientação de trânsito será feita pelo Batalhão de Polícia Trânsito (BPTRan), em conjunto com agentes de trânsito da Setran (Secretaria Municipal de Trânsito) e pela Guarda Municipal. O tempo de interferência no trânsito, em cada local de passagem do comboio no percurso, é estimado em 45 minutos.

“Nossas equipes apoiarão no fechamento das ruas e na orientação dos condutores, mas pedimos que todos procurem se programar nesta data para que transtornos sejam evitados. É importante que o motorista busque caminhos alternativos e fique atento aos locais por onde a tocha passará”, afirma o porta-voz do BPTran, tenente Ismael Veiga.

De acordo com o tenente Veiga, foram estipulados horários para a passagem da tocha em cada ponto, por isso é importante que os condutores evitem circular nestes locais ou utilizem os desvios. “É preciso que as pessoas tenham paciência, respeitem a sinalização e a orientação dos agentes de trânsito”, destaca.

PERCURSO – Na quinta-feira (14) a tocha sairá de Joinville pela manhã e passará por São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, embarcada no comboio de veículos da comitiva e será entregue aos batedores na divisa entre Curitiba e São José dos Pinhais. O revezamento iniciará no Museu Oscar Niemeyer (MON), no Centro Cívico, na Capital.

Sexta-feira (15) a tocha segue para Fazenda Rio Grande, Araucária, Campo Largo e Ponta Grossa e finaliza sua passagem pelo Paraná na cidade de Castro no sábado (16), sendo que no mesmo dia segue para Itararé (SP). Na RMC a responsabilidade ficará com o 6º CRPM e os batalhões atuantes na região (17º BPM e 22º BPM). Em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, o policiamento ficará a cargo do 4º CRPM.

TOCHA OLÍMPICA – A tocha passará por mais de 300 cidades, nos 27 estados do país, em um revezamento até o acendimento da pira na cerimonia de abertura que ocorrerá em agosto, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ). Na rota, que deverá ser traçada durante todo o percurso com o símbolo olímpico, há um total de 20 mil quilômetros percorridos em terra e 10 mil milhas aéreas.

No Paraná a tocha passará por Londrina, Arapongas, Maringá, Campo Mourão, Cascavel, Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha do Itaipu, Foz do Iguaçu, Céu Azul, Santa Tereza do Oeste, Realeza, Francisco Beltrão, Pato Branco, São José dos Pinhais, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Araucária, Campo Largo, Ponta Grossa e Castro.

Com ministro da Agricultura, Richa diz que setor estimula economia do Brasil

09/07/2016 12:330 comments
Com ministro da Agricultura, Richa diz que setor estimula economia do Brasil

OCEPAR17O governador Beto Richa participou nesta sexta-feira (8), em Curitiba, do encontro com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, promovido pela Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). Richa enfatizou a potência e os avanços do agronegócio paranaense e lembrou que, no Brasil, o setor tem, historicamente, salvado a balança comercial. “Em especial neste ano de recessão econômica sem precedentes, a agricultura, mais uma vez, está presente para amenizar os efeitos da crise no País e também em nosso Estado, que é um forte produtor agrícola”, afirmou o governador no evento, com a presença de lideranças do setor.

A importância estratégica do setor também foi enfatizada pelo ministro Blairo Maggi. “A saída para tirar o país da crise econômica é a agricultura e a pecuária”, afirmou ele. “O setor industrial levará mais tempo para se recuperar deste cenário de recessão, por isso é nossa responsabilidade tornar o setor agrícola mais competitivo, para que o Brasil entre nos trilhos novamente”, disse.

No Paraná, o setor conta com o apoio do Governo do Estado, afirmou Richa. “Em especial as cooperativas, que são responsáveis por parte significativa da nossa produção”, afirmou ele. A agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) bateu recorde de financiamento para as cooperativas agropecuárias nos últimos cinco anos no Paraná. Foram contratados R$ 2,46 bilhões entre 2011 e 2015. Neste ano, só para os produtores rurais foram liberados mais R$ 270,5 milhões.

“Nosso apoio é total ao agronegócio, o que não podia ser diferente, já que milhões de empregos são gerados na cadeia do agronegócio e da agroindústria do Estado”, explicou o governador. “Todas as cooperativas do Paraná receberam estímulos do nosso governo, seja pelo BRDE seja pelo programa de incentivo fiscal Paraná Competitivo, para ampliar estrutura e produção”.

TRABALHO CONJUNTO – O governador também ressaltou que muitas políticas públicas estaduais foram construídas a partir de sugestões das entidades do setor. “O diálogo é ponto alto de nossa administração. Temos uma relação muito estreita com as entidades que representam o agronegócio”, disse ele. Um exemplo é a criação da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), que teve atuação decisiva para o Paraná conquistar, em 26 de maio, o reconhecimento internacional como área livre de peste suína clássica, o que abre possibilidade de ampliar o mercado para os produtos do Estado.

A agência, que atua na defesa da sanidade animal e vegetal, ajudou a retomada de importantes mercados internacionais, com a exportação de carnes para a Rússia e o Irã, o que praticamente consolida o Paraná como área livre de aftosa com vacinação, rumo ao status de zona livre sem a vacina.

EXPORTAÇÃO – Para o ministro Blairo Maggi, os principais desafios do agronegócio brasileiro são ampliar a produção e se tornar mais competitivo no mercado externo. “Sabemos produzir, mas precisamos ter condições de ampliar a área destinada à agricultura no País. A tarefa do Ministério vai além de cuidar da produção, mas trata, também, de vender os nossos produtos”, declarou.

Maggi explicou que o Ministério da Agricultura está atuando em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores para abrir caminho no mercado de exportação. Entre as propostas, está a reestruturação da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e da Câmara de Comércio Exterior (Camex). “Por isso, a proposta da Ocepar, de dobrar suas exportações vem ao encontro do que o Ministério da Agricultura espera”, afirmou.

PARANÁ – As cooperativas do Estado fecharam 2015 com exportações de US$ 2,4 bilhões, o que corresponde a 36% das exportações de cooperativas de todo o País, contribuindo para o equilíbrio da balança comercial brasileira. No ano passado, a Ocepar lançou o plano Paraná Cooperativo 100 (PRC 100), que planeja dobrar a movimentação financeira do setor nos próximos anos.

Cerca de R$ 2 bilhões foram recolhidos em impostos pelas cooperativas paranaenses em 2015, que registraram um aumento de 12% em suas receitas com relação ao ano anterior. A expectativa para este ano é de um novo incremento, agora de 8%.

PROPOSTAS – A Ocepar entregou ao ministro um documento com as propostas do Paraná para as políticas públicas do agronegócio brasileiro. “É um momento oportuno de contribuirmos com as discussões para a melhoria do setor agrícola brasileiro e apresentarmos nossas sugestões”, afirmou o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken.

Construído pelas entidades do setor, com a participação da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, o documento aborda dez pontos: política agrícola plurianual, planejamento estratégico do cooperativismo paranaense, gestão de risco rural, infraestrutura e logística, programa nacional de conservação de solos, políticas de comércio internacional, venda de terras para estrangeiros, crédito rural, apoio à comercialização e defesa e sanidade no agronegócio.

COMPETITIVIDADE – O secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que são pontos importantes a serem discutidos para a melhoria da competitividade da agricultura brasileira. “Não precisamos ensinar a missa ao vigário, o ministro é um empresário rural e tem uma leitura real das carências das políticas agrícolas, das nossas deficiências de infraestrutura”, disse Ortigara.

“É preciso que sejam feitos, por parte do poder público, os investimentos necessários para devolver à sociedade o que é pago pelos tributos, de tal forma que aquilo que é mais precioso ao Paraná e ao Brasil, que é o seu produto agrícola, continue crescendo, oferecendo oportunidades ao cidadão e recuperando empregos”, avaliou Ortigara. “Eu confio na capacidade do ministro de articular grande parte do conteúdo que oferecemos hoje a ele como contribuições para o aperfeiçoamento da política agrícola”, complementou.

PRESENÇAS – Participaram do encontro a vice-governadora Cida Borghetti; o diretor Administrativo do BRDE, Orlando Pessuti; os presidentes do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Rubens Ernesto Niederheitmann; do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Florindo Dalberto; da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Ágide Meneguette; e o deputado federal Sérgio Souza.

Caminhão-tanque tomba e pega fogo na BR-277 entre Curitiba e Morretes

04/07/2016 12:000 comments
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Um caminhão-tanque carregado com combustível tombou e pegou fogo no quilômetro 33 da BR-277, em Morretes, no litoral do Paraná, por volta das 18h deste domingo (3). O acidente aconteceu na pista sentido ao litoral e interditou as duas pistas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), pelo menos três pessoas morreram. Até as 22h55 não havia previsão de liberação total do trecho.

Um bebê foi encontrado com vida em meio à mata, próximo a um veículo onde estavam dois corpos carbonizados. Testemunhas contaram aos policiais rodoviários que a criança resgatada é filha do casal encontrado morto no carro e que os pais a teriam jogado do automóvel para salvá-la.

Às 21h40, a PRF informou que além do caminhão, 12 veículos menores foram atingidos pelo fogo, que já foi controlado, mas não sabia dizer o que causou o acidente. O motorista do veículo de carga deve prestar esclarecimentos à polícia.

As duas pistas chegaram a ficar totalmente interditadas até que o fogo fosse controlado. Às 20h30, o trânsito no sentido a Paranaguá foi liberado pelo acostamento. Conforme a Ecovia, concessionária que administra o trecho, a lentidão chegou a quase três quilômetros na BR-277 no sentido a Curitiba, na altura do km 33.

Mas, às 21h15, o trânsito foi novamente bloqueado na região, próximo à praça de pedágio, para que seja empregado o sistema “siga e pare”, a pedido da Ecovia. O objetivo é alternar o tráfego nos dois sentidos da rodovia. Na descida, houve dois quilômetros de retenção. Alternativa é fazer a viagem pela Estrada da Graciosa, a partir dos quilômetros 24 e 29 da BR-277.

Conforme informações preliminares do Corpo de Bombeiros, ao menos cinco pessoas ficaram levemente feridas. Ainda segundo os bombeiros, elas devem ser encaminhadas a um hospital em Paranaguá, também no litoral. A PRF também escoltou duas ambulâncias. Uma delas seguiu com um ferido em estado grave para o Hospital Evangélico, em Curitiba.

Fonte: G1 Paraná

http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2016/07/apos-tombar-caminhao-carregado-com-combustivel-pega-fogo-no-pr.html

Presos da Penitenciária de Ponta Grossa recuperam obras literárias

02/07/2016 14:160 comments
Presos da Penitenciária de Ponta Grossa recuperam obras literárias

CIA_7999Seis presos da Penitenciária Estadual de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais, trabalham na recuperação de livros de literatura. As obras, após os reparos, são distribuídas gratuitamente pela cidade. Em dois meses, o projeto Hospital de Livros já recuperou cerca de 200 obras.

Os livros restaurados fazem parte do acervo de outro projeto, o Pegaí Leitura Grátis, que distribui obras literárias gratuitamente em várias cidades do Paraná. Há também livros doados às bibliotecas da Penitenciária Estadual de Ponta Grossa e do Centro de Regime Semiaberto.

Um profissional cedido pela coordenação do projeto Pegaí capacitou os presos para o trabalho de restauração dos livros, que exige especialidade e técnica.

RECUPERAÇÃO – O projeto nasceu da necessidade de recuperar livros danificados pelo mau uso ou desgaste natural do tempo. “Muitos seriam descartados e agora voltam à vida”, afirma o diretor da unidade prisional, Luiz Francisco da Silveira.

O projeto Hospital de Livros foi inscrito e concorre ao prêmio do Instituto Innovare 2016, que reconhece boas e inovadoras práticas.

Richa reinaugura Aeroporto de Ponta Grossa que contará com voos da Azul

30/06/2016 19:320 comments
Richa reinaugura Aeroporto de Ponta Grossa que contará com voos da Azul

_MG_5961

Ponta Grossa – O governador Beto Richa inaugurou nesta quinta-feira (30) as obras de ampliação, reforma e revitalização do aeroporto de Ponta Grossa, nos Campos Gerais. A inauguração foi marcada pela formalização do acordo do Governo do Estado com a Azul Linhas Aéreas Brasileiras, que passa a operar no aeroporto com linha comercial regular.

A aeronave ATR -72600, que operará os dois voos diários na linha Ponta Grossa-Campinas, fez a primeira aterrissagem pouco antes da solenidade, levando a equipe da Azul. “Chegamos a um acordo com incentivos fiscais para que a empresa passe a operar em Ponta Grossa. É uma conquista coletiva, com a participação da prefeitura, de lideranças políticas e empresariais”, afirmou o governador.

Ele destacou que ampliação e reforma do aeroporto, com investimentos em sinalização e segurança, possibilitaram sua homologação para receber voos comerciais e aeronaves de grande de porte. “Isso atrai ainda mais investimentos e possibilidade de crescimento para Ponta Grossa e os Campos Gerais”.

Richa assinou o protocolo de intenções entre o Governo do Estado e a Azul para implantação do transporte aéreo regular em cidades ainda não atendidas pelo serviço, começando por Ponta Grossa, Umuarama, Guarapuava e Pato Branco.

Pelo acordo, haverá uma redução, em dois pontos percentuais, na carga tributária do ICMS nas compras de querosene de aviação, para cada nova cidade que passe a ser atendida pelo serviço. A alíquota, de 18%, passa para 16% com o início dos serviços aéreos em Ponta Grossa. A redução é progressiva na medida em que haja expansão para outras cidades, até o limite de 8%.

_MG_5916

Protocolos como esse serão assinados, também em Guarapuava, Pato branco e Umuarama. A ideia é alastramos para outras regiões, com voos regionais, que contribuam para o desenvolvimento mais homogênico de todo o estado”, destacou Richa.

O prefeito de Ponta Grossa também definiu como conquista histórica os investimentos no aeroporto e a instalação de linha comercial em Ponta Grossa. “Isso consolida o município como polo industrial e haverá reflexo também em outras áreas, como o turismo”, disse Rangel. Ele ressaltou as parcerias. “Além do investimento, realizações como essa se constrói com responsabilidade e amor a cidade”, afirmou o prefeito.

MARCO

A linha começa a operar em cerca de 60 dias, com voos de segunda a sexta-feira, entre Ponta Grossa e Campinas. Ponta Grossa é o sexto aeroporto com operações da Azul. É a empresa com maior presença no Paraná, com voos em cinco aeroportos (Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu).

O acordo para redução da alíquota do ICMS foi decisivo para mais essa expansão no Estado”, afirmou a diretora de Assuntos Institucionais da Azul, Patrizia Xavier. “É um marco. É muito importante mostrar que, mesmo em momento de crise no País, estamos expandindo a malha da azul dentro do Paraná”, disse ela. Segundo ela, a empresa aguarda apenas a documentação ser atualizada junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para iniciar pedidos de voo e agendas de passagens.

CONEXÃO

A linha conecta Ponta Grossa a Campinas, onde a Azul tem principal a concentração de suas operações. “Essa conexão oferece aos cidadãos de Ponta Grossa a possibilidade de conexão de 100 destinos em voos nacionais e internacionais”, explicou Patrizia.

AEROVIÁRIO

O secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, disse que a expansão da Azul coroa um trabalho, de vários anos, para ampliar voos regionais no Paraná, a partir de um plano aeroviário. “Há empresas interessadas em investir e que precisam de dados confiáveis. Ficamos satisfeitos como gestores públicos. A expansão da Azul mostra que estamos no caminho certo”, afirmou. “Ponta Grossa já é entroncamento rodoviário e ferroviário e agora reforça o setor aeroviário. Isso tudo forma um círculo virtuoso para a região”., disse ele.

ADAPTADO E EQUIPADO

_MG_6216

Para receber voos comerciais regulares, o aeroporto de Ponta foi totalmente adaptado e equipado. O investimento chega a quase R$ 14 milhões, com recursos da prefeitura de Ponta Grossa, do Governo estadual e Governo federal. O Governo do Estado repassou R$ 1,3 milhão, para, entre outras ações, a reforma do Terminal de Passageiros e instalação do sistema de balizamento noturno.

Entre as melhorias feitas no aeroporto estão a reestruturação da rua de acesso ao aeroporto, que recebeu drenagem e pavimentação. A prefeitura investiu em equipamentos para a operação aeroportuária, atendimento a passageiros e normas de segurança, asfaltamento das áreas do entorno, marcações da pista nos padrões ANAC, estrutura e implantação da caixa d’água com 25 mil litros para combate a incêndios, além do cercamento de toda a área do aeroporto e demais adaptações. Também foi adquirido um caminhão para o Corpo de Bombeiros e foi feita estruturação da Seção Contra Incêndios.

O investimento também envolve horas de trabalho de máquinas e operários para as obras de aterramento, terraplenagem da reta da cabeceira, além da estruturação da seção contra incêndios, treinamento de pessoal e equipamentos de segurança.

PRESENÇAS

Participaram da solenidade os presidentes da Sanepar, Mounir Chaowiche, e da Cohapar, Abelardo Lupion; os secretários de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, e do Planejamento, Cyllênio Pessoa Pereia Junior; o comandante-geral da Policia Militar do Paraná, coronel Maurício Tortato; o diretor jurídico de contratos da Azul, Cesar Alberto Grandolfo; deputado federal Sandro Alex, os deputados estaduais Márcio Pauliki, Ribas Carli e Guto Silva, prefeitos da região, funcionários do aeroporto e comunidade de Ponta Grossa.

Fotos e Texto: Agência Estadual de Notícias

Com presença de Michel Temer, Klabin inaugura unidade de Ortigueira

28/06/2016 23:520 comments
O governador Beto Richa participa da inauguração da Unidade Puma, nova fábrica de celulose da Klabin, em Ortigueira, nos Campos Gerais. Participaram da solenidade: Presidente da República, Michel Temer, a vice-governadora Cida Borghetti, o CEO da Klabin, Fabio Schvartsman, a prefeita de Ortigueira, Lourdes Banach, entre outras autoridades.
Ortigueira, 28-06-16.
Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O governador Beto Richa participa da inauguração da Unidade Puma, nova fábrica de celulose da Klabin, em Ortigueira, nos Campos Gerais. Participaram da solenidade: Presidente da República, Michel Temer, a vice-governadora Cida Borghetti, o CEO da Klabin, Fabio Schvartsman, a prefeita de Ortigueira, Lourdes Banach, entre outras autoridades. Ortigueira, 28-06-16. Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O governador Beto Richa recebeu nesta terça-feira (28) o presidente Michel Temer, que veio ao Paraná para a inauguração da fábrica de celulose da Klabin, em Ortigueira, nos Campos Gerais. O presidente e o governador destacaram o impacto econômico e social do empreendimento na região. Eles foram recebidos pelo presidente da Klabin, Fábio Schvartsman, diretrores e funcionários da empresa.

A nova fábrica tem o apoio do Governo do Estado, pelo programa de incentivo fiscal Paraná Competitivo. “O empreendimento é um exemplo para o Brasil voltar a crescer e gerar empregos. Um país é amparado na inciativa privada. A conjugação daqueles que empregam e são empregados fazem a nação crescer”, afirmou o presidente. Temer destacou o apoio dado pelo governo estadual e pelo governo federal para o empreendimento. “É importante que o poder público atue para fomentar investimentos como esse. O que o Brasil precisa agora é de empregos”.

O governador Beto Richa disse que o empreendimento contribui para a consolidação do maior ciclo de industrialização do Paraná. O projeto Puma, como é denominado, recebeu investimento de R$ 8,5 bilhões e criou 1,4 mil empregos diretos. Na construção chegou a empregar 14 mil pessoas. “É um projeto grandioso, que representa o novo momento por que passa o Paraná, de crescimento econômico e desenvolvimento social”, afirmou Richa.

Ele lembrou que, além do incentivo fiscal, o protocolo do governo estadual com a Klabin inclui mais um avanço. “Uma decisão inovadora de distribuir de forma justa os recursos do ICMS gerado pela Klabin entre os 12 municípios que têm área de reflorestamento e que fornecerão matéria-prima para a fábrica. A medida permitirá que essas cidades cresçam no mesmo ritmo que Ortigueira, garantindo desenvolvimento integrado”, disse Richa. Os municípios têm baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e somam 250 mil habitantes.

RICHA PARTICIPA DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DA KLABIN EM ORTIGU

O governador anunciou que a Klabin investirá R$ 2 milhões num programa de melhoria do ensino em 29 escolas públicas de Ortigueira e Telêmaco, em parceria com o Estado.

CONFIANÇA – O presidente do Conselho de Administração da Klabin, Paulo Coutinho Galvão Filho, disse que o investimento no projeto Puma é resultado da confiança da empresa no Brasil e no Paraná.

“Para o Brasil voltar a crescer é fundamental que tenha um setor industrial sólido e competitivo”, afirmou ele, que destacou o apoio do governo estadual. “Hoje, somos a maior produtora e exportadora de papeis de embalagens do Brasil. Esse investimento, que teve importante apoio do governo estadual, eleva o patamar da klabin e transforma essa região com a geração de empregos e impostos”, disse.

NOVA ÉPOCA – Para a prefeita de Ortigueira, Lourdes Banach, a unidade da Klabin representa o início de uma nova época para população da região. “Éramos uma cidade de crianças e idosos, porque os jovens saiam em busca de emprego em outros centros. Essa realidade mudou e hoje temos emprego e oportunidades aqui. Vivemos um tempo de prosperidade”, afirmou.

Ela ressaltou a presença do governo estadual na região. “O Estado tem investido, garantindo um crescimento ordenado. É graças ao governo estadual que esse projeto tem sido um instrumento de desenvolvimento de 12 cidades da nossa região”, afirmou.

RICHA PARTICIPA DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DA KLABIN EM ORTIGU

Desde 2011, a região já recebeu mais de R$ 10 bilhões em investimentos apoiados pelo Paraná Competitivo. É considerado o maior investimento privado da história do Paraná e consolida o novo ciclo de expansão industrial nos Campos Gerais.

QUARTA ECONOMIA – Richa disse que o investimento da Klabin também contribuiu para que o Paraná se tornasse a quarta maior economia do País (segundo o IBGE), o estado com a melhor estratégia de atração de investimentos da América do Sul (conforme pesquisa do Financial Times) e o segundo mais competitivo do Brasil (de acordo com o grupo britânico The Economist).

PRESENÇAS – Além de prefeitos e dirigentes da Klabin, o evento contou com a presença da vice-governadora, Cida Borghetti, do ministro da Saúde, Ricardo Barros; do secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, e dos deputados federais Luiz Hauly, Luciano Ducci, Sérgio Souza, Sandro Alex, Osmar Serraglio, Alfredo Kaefer e Rubens Bueno.

Com bandeira verde em julho, redução na conta de luz chega a 21,5% em 2016

12:030 comments
Com bandeira verde em julho, redução na conta de luz chega a 21,5% em 2016

conta_luzA conta de luz dos paranaenses permanecerá com a bandeira tarifária verde ao longo de julho. Isso significa que não haverá cobrança extra na conta de energia, o que acontece quando a bandeira indicada é amarela ou vermelha.

Desde abril, a Copel aplica a bandeira tarifária verde. Julho será o quarto mês seguido sem a cobrança extra na conta de energia. De janeiro a abril – mês em que a bandeira sem taxa extra foi aplicada pela primeira vez –, houve uma redução, em média, de 7,2% na conta de luz. Com a redução de 14,3% da tarifa residencial da Copel em junho, a queda acumulada em 2016 soma 21,5%. Os consumidores devem começar a essa redução em sua totalidade no início de agosto.

A alteração da cor da bandeira em abril aconteceu em decorrência do aumento do nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas de todo o País.

A definição da bandeira verde para julho foi divulgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na sexta-feira (24) e vale para todo o País até o dia 31 de julho. Na prática, os consumidores deixaram de pagar uma taxa extra, que variava de R$ 4,50 a cada 100 kWh consumidos (bandeira vermelha) ou de R$ 1,50 (bandeira amarela).

SISTEMA – O sistema de bandeiras tarifárias começou a vigorar em janeiro de 2015 para compensar o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas e custear o acionamento das usinas termelétricas, cuja produção é mais cara.

Essa foi a saída encontrada para adaptar gastos extras às tarifas de energia pagas pelos consumidores. As cores das bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade.

As bandeiras têm como objetivo sinalizar ao consumidor se o custo da geração de energia no País está mais caro, ajudando as pessoas a consumirem com racionalidade e economizarem na conta de luz. Além disso, a cobrança contribui para diluir, mês a mês, o custo adicional da geração térmica.