Paraná aumenta arrecadação federal, mas retorno para o Estado encolhe

12/05/2016 13:100 comments
Embarque de veículos no Porto de Paranaguá.
Foto: Divulgação
Embarque de veículos no Porto de Paranaguá. Foto: Divulgação

Embarque de veículos no Porto de Paranaguá.
Foto: Divulgação

O Paraná aumenta sua contribuição na arrecadação de tributos federais, mas isso não tem tido reflexo em aumento de repasses do governo federal para o Estado. Ao contrário, as transferências totais da União vêm caindo. No primeiro trimestre, o Paraná gerou R$ 15,2 bilhões para os cofres do governo federal, 3,38% mais do que no mesmo período do ano passado. Mas recebeu R$ 1,2 bilhão no total de repasses federais, 1% menos na mesma base de comparação.

O levantamento foi feito pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), com base nos dados da Receita Federal e do portal transparência do governo federal.

O crescimento da arrecadação se deve ao desempenho da economia do Estado, beneficiada, em grande parte, pelo ajuste fiscal feito pelo governo estadual.

“Infelizmente a relação tributária entre o Paraná e a União não é guiada por critérios técnicos e republicanos”, lamentou o governador Beto Richa. “Somos permanentemente discriminados pelo governo federal, em grande prejuízo dos cidadãos paranaenses. Se esta relação fosse mais justa, o Paraná teria recebido da União algumas centenas de milhões de reais adicionais neste ano, dinheiro que estaria sendo aplicado em políticas sociais e em obras de infraestrutura”, afirmou Richa.

Há vários anos o governador tem defendido um relacionamento federativo mais equilibrado entre o Estado e a União, no qual os impostos federais recolhidos pelos trabalhadores e as empresas paranaenses sejam mais justamente recompensados com repasses e transferências de Brasília.

CONTRIBUIÇÃO – O Paraná ocupa a sexta posição entre os Estados que mais geraram arrecadação de tributos federais no primeiro trimestre deste ano, com uma participação de 4,95% dos R$ 307,3 bilhões arrecadados no País. Mas é o décimo em repasses totais da União, com 3,77% do total de R$ 32,89 bilhões transferidos pela União aos Estados (sem contar os municípios) no trimestre.

REPASSES – No ranking das transferências da União, o Paraná ficou atrás de São Paulo, que ficou com 9,03% do total; Bahia (8,01%), Rio de Janeiro (5,95%), Distrito Federal (5,86%), Minas Gerais (5,81%) Pernambuco (5,66%), Ceará (5,39%), Maranhão (5,03%) e Pará (4,95%).

Os repasses incluem as transferências constitucionais (Fundo de Participação dos Estados, Fundeb e ressarcimento da Lei Kandir, entre outras) e as discricionárias, que são aquelas em que a União decide onde investir. “Esse descompasso é uma conta ruim para o Paraná, que contribui mais para as contas da União, mas que não tem a mesma contrapartida na hora dos repasses”, afirma o diretor presidente do Ipardes, Julio Suzuki Júnior.

RESILIENTE – Graças ao ajuste fiscal, ressalta o economista, o Paraná tem sido mais resiliente à crise econômica brasileira. “O ajuste fiscal feito pelo governo estadual não apenas beneficiou os municípios, com o crescimento dos repasses de ICMS e IPVA, mas também a União. Com o nível de atividade e renda mais preservados, a arrecadação de impostos federais também cresceu. Ou seja, o Paraná tem feito a sua contribuição, mas isso não volta na mesma proporção”.

BOX

Crescimento na arrecadação foi o maior do Sul

O Paraná teve o maior crescimento de arrecadação federal entre os Estados do Sul no primeiro trimestre. O avanço, de 3,38%, superou a média brasileira no período, de 1,89%.

Nesse bolo estão computadas receitas como do Imposto de Renda (IR), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), contribuições previdenciárias, da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e a Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), dentre outros.

Nos primeiros três meses de 2016, o Paraná ficou atrás apenas de São Paulo, com 42,23%; Rio de Janeiro (16,08%), Distrito Federal (8,79%) e Minas Gerais (5,86%). O Estado ficou praticamente empatado com o Rio Grande do Sul (4,95%), na quinta posição. Os gaúchos, contudo, tiveram arrecadação um pouco superior em valor (R$ 15,22 bilhões).

MARÇO – No período, o destaque ficou por conta do mês de março, quando o Paraná arrecadou R$ 5,1 bilhões em tributos federais, 11,83% mais do que no mesmo período do ano passado. Somente em março, o Estado respondeu por 5,42% dos R$ 94,5 bilhões computados em tributos federais. Foi a quarta unidade da federação com maior participação, atrás apenas de São Paulo, com 42,88%, Rio de Janeiro, com 14,49%, com Distrito Federal, com 9,29%.

Estado já registrou 1,3 mil atropelamentos em 2016

12:500 comments
Estado já registrou 1,3 mil atropelamentos em 2016

pedestre1O Sistema Digital de Dados Operacionais da Polícia Militar do Paraná e Corpo de Bombeiros registrou, de janeiro a abril deste ano, 1.387 ocorrências de atropelamentos, 1.481 feridos e 34 mortes no Estado. Atravessar fora da faixa de pedestre é apontado pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) como uma das principais causas de acidentes envolvendo pedestres.

“Quando o pedestre ignora a faixa, ele tem mais chances de não ser visto pelos motoristas e, dessa forma, coloca a própria vida em risco. A pressa de chegar em algum lugar ou a impaciência de esperar a sinalização também podem ser alguns motivos que estimulam essa ação, mas temos problemas de uso de fones de ouvido, falta de atenção e uso de celular”, explica o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

Nos últimos dois anos, o número de mortes em atropelamentos no Paraná teve um aumento de 3,13%. Em 2014, foram 128 mortes pelo mesmo motivo. Já em 2015 foram 132 pedestres fatalmente feridos. Ao todo, foram 4.687 ocorrências registradas no Estado, com 4.953 feridos.

NACIONAL – O último boletim divulgado pelo Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DVAT) mostra que em 2015 os pedestres ocuparam o 2º lugar nas indenizações por acidentes fatais (27%) no Brasil. Nos acidentes com Invalidez Permanente, os passageiros de veículos e pedestres apresentaram a mesma participação nas indenizações: 92.518 e 92.271 (18%), respectivamente.

CAMPANHA – O Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) criou uma estratégia diferente para chamar a atenção para a prevenção de acidentes e redução do número de vítimas no trânsito. Como parte das ações do movimento Maio Amarelo, a autarquia criou 31 pequenas campanhas publicitárias, com duração de um dia cada uma, sobre atitudes que podem fazer a diferença.

Levantamento aponta avanços na política de assistência social na região de Ponta Grossa

10/05/2016 18:260 comments
Na Foto:Sra Emiliane Moura, Matheus José de Moura, Manuela Francisca de Moura, Ricardo dos Santos e Ana Julia de Moura. em atendimento no CRAS de Fenix. Foto: Ricardo Marajó/SEDS
Na Foto:Sra Emiliane Moura, Matheus José de Moura, Manuela Francisca de Moura, Ricardo dos Santos e Ana Julia de Moura. em atendimento no CRAS de Fenix. Foto: Ricardo Marajó/SEDS

Na Foto:Sra Emiliane Moura, Matheus José de Moura, Manuela Francisca de Moura, Ricardo dos Santos e Ana Julia de Moura. em atendimento no CRAS de Fenix. Foto: Ricardo Marajó/SEDS

A gestão da política de assistência social no Paraná está garantindo avanços importantes na região de Ponta Grossa, com a ampliação do número de equipamentos e serviços oferecidos à população, além do aumento dos repasses de recursos do Estado para os municípios investirem em ações e programas que beneficiam as famílias que vivem em vulnerabilidade social.

É o que mostra um monitoramento feito pelo Escritório Regional de Ponta Grossa da Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social para avaliar a política de assistência, garantia de direitos e a área do trabalho.

O levantamento demonstra que desde 2012 a região recebeu quatro novos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e sete Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas), que fazem o atendimento às famílias. Atualmente, os 18 municípios que compõem a região atendida pelo escritório regional possuem 35 Cras e 15 Creas, que fazem a proteção social básica e o atendimento a indivíduos que tiveram algum direito violado, respectivamente.

“Outro importante aspecto identificado se refere à ampliação e fortalecimento do processo de financiamentos dos serviços por parte do Estado”, explica a chefe do Escritório Regional de Ponta Grossa, Luciana Franco Silvestre. Desde 2013, o Governo do Estado repassou aos municípios da região R$ 2,22 milhões para o fortalecimento da política de assistência social. Em 2013, quando iniciaram os repasses, oito municípios foram beneficiados, número que aumentou para 12, em 2014, e a mesma quantidade em 2015.

Para Luciana, o fortalecimento da política de assistência social garante a qualidade do atendimento oferecido à população. “São ações que beneficiam principalmente as pessoas que dependem da atuação da assistência social para superar alguma situação de vulnerabilidade”.

Pelo menos 1.500 pessoas da região passam mensalmente pelo serviço de proteção e atendimento especializado a famílias e indivíduos que tiveram algum direito violado. Entre os casos estão situações de trabalho infantil, violência intrafamiliar, abuso sexual, abandono e negligência, tráfico de seres humanos.

Na área de proteção social básica, há quase 6,5 mil pessoas que participam do serviço de convivência e fortalecimento de vínculos. Os Cras da região possuem capacidade de atendimento a 5.410 famílias. Se forem consideradas as famílias referenciadas (que vivem no entorno dos equipamentos), este número salta para 123.500.

FINANCIAMENTO – O Governo do Estado faz a transferência direta de recursos aos municípios, por meio da modalidade chamada Fundo a Fundo. Entre os repasses estão os recursos para casos de calamidade pública e o Piso Paranaense de Assistência Social, que transfere mensalmente o valor de R$ 6,25 mil para os municípios de baixo índice de desenvolvimento.

Há ainda o Incentivo Família Paranaense que cofinancia ações de assistência social em municípios que aderiram à metodologia do programa Família Paranaense. Na primeira fase, seis prefeituras acessaram o recurso no valor de R$ 36 mil. Na segunda, outros quatro municípios foram atendidos com R$ 40 mil cada.

O valor do incentivo pode ser usado para pagar despesas diversas, como materiais de consumo, capacitação para as equipes técnicas, contratação de instrutores, manutenção e pequenos reparos, serviços gráficos, benefícios eventuais, pagamento de aluguel e manutenção dos Cras e Creas.

MONITORAMENTO – O levantamento reúne informações coletadas de outubro a dezembro de 2015. A chefe do escritório regional explica que durante a coleta dos dados foram avaliadas questões como o funcionamento dos serviços e o controle social. “Assim identificamos os avanços alcançados, os desafios a serem enfrentados e as potencialidade que existem em cada município”, diz.

O resultado do levantamento de dados é usado pela equipe técnica do escritório regional para subsidiar a elaboração de ações de planejamento, a partir das demandas apresentadas pelas gestões municipais.

Este foi o terceiro monitoramento feito pela equipe do Escritório Regional de Ponta Grossa. Foram ouvidos 353 participantes, entre eles técnicos que trabalham nas áreas de gestão da política de assistência social, proteção social básica e especial, renda e cidadania, controle social, sistema de garantia de direitos e do Programa Família Paranaense. Também foram convidados a participar do processo representantes dos usuários dos serviços e conselheiros da assistência social que representam os usuários.

“Esses processos constituem-se em um espaço privilegiado de debate e construção coletiva de estratégias diante das características e contextos que são peculiares de cada município”, explica Luciana.

Repasses de ICMS e de IPVA aos municípios cresceram 27%

08/05/2016 15:080 comments
Repasses de ICMS e de IPVA aos municípios cresceram 27%

Palmital2JFOGURANo primeiro quadrimestre de 2016, as transferências de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) feitas pelo Governo do Paraná aos municípios do Estado tiveram aumento de 26,8%.

Ao todo, os repasses aos municípios de janeiro a abril somaram R$ 3,38 bilhões. Em igual período do exercício anterior, as transferências somaram R$ 2,67 bilhões.

Apesar do cenário econômico, as transferências de ICMS tiveram aumento de 8,3% no quadrimestre. Passaram de R$ 1,93 bilhão de janeiro a abril de 2015 para R$ 2,1 bilhões nos primeiros quatro meses de 2016.

No caso do IPVA, o aumento nos repasses foi de 75,6%. As transferências passaram de R$ 732,2 milhões no primeiro quadrimestre do ano passado para R$ 1,28 bilhão no atual exercício.

O repasse de ICMS é feito semanalmente e refere-se a 25% do que é arrecadado pelo Estado com o imposto. A transferência do IPVA é feita diariamente e os municípios ficam com a metade do valor pago pelos donos de veículos emplacados no local.

A distribuição dos recursos por município pode ser obtida no site http://www.gestaodinheiropublico.pr.gov.br/.

Agência Estadual de Notícias

Tocha Olímpica passará pelos Campos Gerais em Julho

03/05/2016 14:060 comments
Tocha Olímpica passará pelos Campos Gerais em Julho
 Foto: Andre Borges/Agência Brasília - Fotos Públicas A presidente da República, Dilma Rousseff, acende a tocha olímpica.

Foto: Andre Borges/Agência Brasília – Fotos Públicas

Jaguariaíva – Na manhã desta terça-feira, 03 de maio, a Tocha Olímpica chegou ao Brasil. Partindo do Distrito Federal ela percorrerá todo o país até o dia da abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016. Ela passará por aproximadamente 300 cidades do Brasil, entre elas Ponta Grossa e Castro, nos Campos Gerais, respectivamente nos dias 15 e 16 de julho. De Castro, a tocha será levada a Itararé, no Estado de São Paulo e na sequência para Itapeva.

Um processo seletivo elegeu a maior parte dos 12 mil condutores que terão a oportunidade de levar a tocha por cerca de 200 metros nas ruas de 300 cidades brasileiras. Outros 200 municípios apenas assistirão à passagem da comitiva, mas a estimativa oficial é de que 90% dos brasileiros acompanhem o evento. A abertura dos Jogos do Rio acontecerá no dia 05 de agosto no Estádio do Maracanã.

Acendimento da Chama Olímpica

A chama foi acesa no dia 21 de abril, em frente ao Templo de Hera, localizado na cidade grega de Olímpia, a partir dos raios solares, seguindo um tradicional rito que faz uso de uma espécie de espelho côncavo chamado skaphia. A cerimônia contou com a participação de 11 mulheres caracterizadas, representando o papel de sacerdotisas. Após percorrer algumas cidades gregas – entre elas a capital Atenas – a Chama Olímpica seguiu até Genebra, na Suíça, para uma cerimônia na ONU, seguindo então para o Museu Olímpico, localizado em Lausanne, onde fica a sede do Comitê Olímpico Internacional.

Mais de 1,4 milhão de paranaenses já foram vacinados contra a gripe

12:440 comments
Abertura da Campanha de Vacinação,em São José dos Pinhais.
Curitiba,25/04/2016

Abertura da Campanha de Vacinação,em São José dos Pinhais. Curitiba,25/04/2016

Em uma semana de campanha, o Estado do Paraná já vacinou cerca de 1,4 milhão de pessoas contra o vírus da gripe. Isso representa 53% do público-alvo estimado para este ano, que envolve idosos (maiores de 60 anos), crianças (maiores de 6 meses e menores de 5 anos), gestantes, mulheres que deram a luz nos últimos 45 dias, doentes crônicos, trabalhadores de saúde, população indígena e privados de liberdade.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, o bom desempenho nos primeiros sete dias de campanha mostra que o Paraná acertou ao antecipar o início da vacinação. “As temperaturas estão caindo e o risco de transmissão da gripe só aumenta. Por isso, é importante que quem ainda não se vacinou, vá à unidade de saúde mais próxima para se proteger”, ressaltou.

O apelo se deve ao fato de a vacina demorar pelo menos 15 dias para conceder proteção adequada ao indivíduo. Neste ano, a dose disponível na rede pública é eficaz contra os três tipos de vírus da gripe mais circulantes no país: Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B.

LOGÍSTICA – A antecipação da campanha no Paraná foi possível devido a um amplo esquema de logística adotado pelo Governo do Estado. O trabalho agilizou a distribuição das doses e garantiu o abastecimento das unidades de saúde cinco dias antes do início da campanha nacional, lançada no último sábado (30).

Até o momento, o Ministério da Saúde enviou 2,1 milhão de doses, o equivalente a 72% da cota de vacinas que o Paraná tem direito ao longo da campanha. Um novo lote, com 312 mil doses, deve chegar ao Estado na próxima quinta-feira (5) e logo em seguida será descentralizado aos municípios.

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira, a recomendação é que as prefeituras deem seguimento a campanha e remanejem, se necessário, doses de uma unidade de saúde para outra. “Enquanto as novas doses não chegam do Ministério, os municípios devem otimizar o estoque e disponibilizar mais vacinas onde a demanda é maior”, detalhou.

2,9 MILHÕES – Até o dia 20 de maio, o Estado espera imunizar pelo menos 2,9 milhões de paranaenses. A preocupação é maior com as gestantes, que constituem o grupo com a menor cobertura vacinal até agora (39%).

Para o coordenador estadual de Imunização, João Luis Crivellaro, o grupo dos doentes crônicos também demanda atenção especial. “Trata-se de pessoas com a saúde mais frágil e que precisam ser protegidas. Quem tem doença de base apresenta alto risco de desenvolver o quadro grave de gripe”, alertou.

Professores fizeram protesto em lembrança ao “Massacre de 29 de Abril”

29/04/2016 13:210 comments
Professores fizeram protesto em lembrança ao “Massacre de 29 de Abril”
profesores_sEARbaX

Foto: G1/ Alana Fonseca

Curitiba – Aproximadamente 25 mil  professores se reuniram na praça Santos Andrade na manhã desta sexta-feira, 29, para protestar e lembrar o aniversário de 1 ano do conflito entre policiais militares e professores que deixou mais de 200 pessoas feridas. A manifestação é coordenada pela APP-Sindicato.

Várias escolas no Estado ficaram sem aulas nesta sexta, pois muitos docentes viajaram para Curitiba para apoiar a manifestação. O Governo do Estado já afirmou que descontará o salário dos servidores que não estão dando aulas. Durante a semana, professores convocaram alunos para participar da manifestação.

A Secretaria de Educação informou que levanta o número de escolas que estão sem aula devido à manifestação dos professores. Sindicato orientou os pais a ligarem para as instituições, antes de levarem os filhos à escola.

Assembleia aprova novo salário mínimo regional do Paraná

28/04/2016 12:380 comments
Assembleia aprova novo salário mínimo regional do Paraná
Publicado em 27/04/2016 18:13.
Foto: ALEP

Assembleia aprova novo salário mínimo regional do Paraná Publicado em 27/04/2016 18:13. Foto: ALEP

O plenário da Assembleia Legislativa aprovou em sessão extraordinária, nesta quarta-feira (27), o projeto de lei encaminhado pelo governador Beto Richa que fixa, a partir de 1º de maio, os valores do piso salarial do Estado do Paraná e sua política de valorização. O piso variará de R$ 1.148,40 a R$ 1.326,60.

A proposta é fruto de negociações entre trabalhadores e empregadores, com participação do Poder Público, através do Conselho Estadual do Trabalho e assegura aos trabalhadores paranaenses o maior salário mínimo regional do país.

O maior piso é para o grupo de técnicos do nível médio (R$ 1.326,60), seguido pelos trabalhadores da produção de bens e serviços industriais, com piso de R$ 1.234,20, pelos trabalhadores de serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados e trabalhadores de reparação e manutenção, que devem ter remuneração mínima de R$ 1.190,20 e o piso de R$ 1.148,40 aos trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca.

O líder do governo na Assembleia, deputado Luiz Cláudio Romanelli, ressaltou a importância do Estado estabelecer valores mínimos de remuneração para os trabalhadores. “Esse piso impacta diretamente na vida de mais de 600 mil trabalhadores que não têm um sindicato ou não pertencem a uma categoria profissional. Além disso, impacta também em diversos segmentos econômicos, mas, fundamentalmente, garante o direito dos trabalhadores que não estão protegidos por um acordo ou convenções coletivas de trabalho”, disse o deputado.

VALORIZAÇÃO – O projeto aprovado estabelece, ainda, que a política de valorização dos pisos salariais a serem fixados a partir do ano de 2021 será objeto de negociação tripartite entre as centrais sindicais e federações patronais, com a participação do Governo do Estado, e acompanhamento do Ministério Público do Trabalho e da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego.

Essa comissão tripartite deverá ser constituída até o final do primeiro semestre de 2020, e será nomeada por meio de resolução do Conselho Estadual do Trabalho – CET, órgão encarregado de fazer o monitoramento e avaliação da política estadual de valorização do piso salarial do Paraná.

Paraná deve colher até 46 milhões de toneladas de cana-de-açúcar

27/04/2016 19:050 comments
Paraná deve colher até 46 milhões de toneladas de cana-de-açúcar

MTCanadeacucarMatoGrosso2850x565O Paraná deu início, em abril, à colheita da safra de cana-de-açúcar 2016/2017 e a previsão é de uma produção entre 44 milhões a 46 milhões de toneladas, de acordo com estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento.

A projeção aponta para estabilidade na área em relação à safra anterior (2015/2016), mas com rendimento menor, impactado pela renovação das plantas, pelo clima e a própria readequação dos produtores ao mercado, de acordo com o economista Disonei Zampieri, especialista na área no Deral. A produção na safra 2015/2016 havia ficado em 50,8 milhões de toneladas, praticamente estável em relação ao período anterior (2014/2015). A colheita vai de abril desse ano até março de 2017.

A área estimada para a safra atual é de 610 mil a 621,8 mil hectares, com um rendimento de 72 mil a 74,5 mil quilos por hectare. A produção de açúcar deve ficar entre 2,89 milhões de toneladas e 3,26 milhões de toneladas. A produção de álcool deve ficar entre 1,65 bilhão de litros e 1,67 bilhão de litros.

O Paraná deve permanecer como o quinto maior produtor de cana, terceiro de açúcar e quinto de álcool. Mais da metade da cana colhida é transformada em açúcar (52%) e 48% em álcool.

O setor sucroalcooleiro no Estado tem 25 usinas em operação e emprega cerca de 55 mil pessoas (incluindo os temporários contratados no período da colheita). As regiões de Umuarama, Paranavaí, Maringá e Jacarezinho concentram a produção no Estado.

ALCOPAR – De acordo com o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Paraná (Alcopar), Miguel Tranin, o ano de 2016 começou atípico, com um ritmo de moagem acelerado no primeiro trimestre, quando tradicionalmente as usinas reduzem o movimento à espera da safra nova.

Em março, o setor bateu recorde no Paraná, com o processamento de 3,081 milhões de toneladas de cana. Tranin explica que, devido às chuvas, o volume de moagem no fim do ano passado estava abaixo do esperado, com 39 milhões de toneladas.

“As usinas, então, aproveitaram o início do ano para fazer a moagem. Com isso, não teremos a cana bisada, que é a cana-de-açúcar proveniente da safra anterior que é processada no ano seguinte, para ser computada no período 2016/2017”, diz Miguel Tranin. A previsão da Alcopar é de uma produção próxima da registrada na safra anterior, com 43 milhões de toneladas de cana, diferente da estimativa da Secretaria estadual da Agricultura (de 44 a 46 milhões).

O setor ainda sente os efeitos da crise econômica mundial de 2008 e da mudança de estratégia do governo federal, que passou a concentrar investimentos no pré-sal. Com a falta de estímulo, as usinas deixaram de investir na ampliação da área e da produção.

Para Tranin, 2016 ainda será um ano de desafios, mas as perspectivas são mais otimistas. “A nossa expectativa é de uma melhora a partir de 2017, principalmente nos preços e na rentabilidade da atividade”, diz. O consumo de etanol vem batendo recorde. No ano passado, as vendas no Brasil totalizaram 17,8 bilhões de litros, o que representou uma alta de 38% sobre os números de 2014.

De acordo com Tranin, a previsão é de uma melhora também dos preços internacionais do açúcar com a perspectiva de redução dos estoques mundiais e uma menor participação de grandes produtores, como Índia e Tailândia, no mercado global.

Agência Estadual de Notícias (AEN)

Polícia cumpre 29 mandados contra quadrilha suspeita de fraudar DPVAT

26/04/2016 12:350 comments
Polícia cumpre 29 mandados contra quadrilha suspeita de fraudar DPVAT

ax_4Uma quadrilha suspeita de aplicar golpes para obter o seguro DPVAT e driblar o rodízio de empresas funerárias em Curitiba é alvo de uma operação da Polícia Civil do Paraná. Desde às 6 horas desta terça-feira (26), cerca de 60 policiais estão nas ruas para cumprir 29 mandados expedidos pela Justiça.

A “Operação Ressurreição”, deflagrada pelo Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce), acontece em Curitiba, quatro municípios da Região Metropolitana e em Ponta Grossa. Foram expedidos 12 mandados de prisão temporária, 14 de busca e apreensão e três de condução coercitiva. Entre os alvos está um médico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), empresários, funcionários públicos do Instituto Médico Legal (IML) e agentes funerários, entre outros.

Integrantes da organização criminosa se passavam por funcionários do IML, da Polícia e até do Exército para enganar familiares dos mortos com o objetivo de obter o seguro DPVAT. “A quadrilha arquitetou um plano para aliciar os familiares das pessoas mortas, obtendo delas procurações para que entrassem com o seguro DPVAT – que pode chegar até R$ 13,5 mil. Uma pequena parte era repassada para a família enquanto que o restante ficava com os criminosos”, explicou o delegado do Nurce, Renato Bastos Figueroa, que conduziu as investigações.

Os investigados passavam o dia e, especialmente, a madrugada atrás de corpos de vítimas de acidentes de trânsito ou morte natural, sendo que para isso corrompiam os motoristas do IML, para que estes passassem informações privilegiadas e em tempo real dos óbitos. Para cada “corpo” indicado, os funcionários do IML recebiam R$ 700.

A quadrilha chegou a fraudar documentos do local de morte de algumas pessoas e até mesmo produzir um atestado de óbito de uma pessoa que está viva – fato que ensejou o nome da operação. O Nurce investigava a quadrilha deste julho de 2015 depois que a direção do IML detectou irregularidades na liberação dos corpos de duas pessoas.

Participam da ação policiais do Nurce, do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber), da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), da Corregedoria da Polícia Civil e da 13ª Subdivisão da Polícia Civil de Ponta Grossa.

Mais detalhes serão repassados pelo delegado do Nurce, Renato Bastos Figueroa, durante entrevista coletiva que acontece às 10h30 no 1º Distrito Policial (Rua André de Barros, 671, Centro, Curitiba.