Sobe para 368 o número de casos de sarampo no Paraná

15/11/2019 09:560 comments
Sobe para 368 o número de casos de sarampo no Paraná

O boletim epidemiológico número 12, publicado nesta quinta-feira (14) pela Secretaria de Estado da Saúde, informa que aumentou para 368 os casos confirmados no Paraná, sendo 52 na última semana. Outras 631 amostras ainda estão em investigação.

Os 368 pacientes confirmados com a doença estão nos seguintes municípios: 250 em Curitiba; 5 em Almirante Tamandaré; 1 em Araucária; 1 em Balsa Nova; 2 em Campina Grande do Sul; 3 em Campo do Tenente; 10 em Campo Largo; 24 em Colombo; 2 em Fazenda Rio Grande; 1 em Itaperuçu, 1 na Lapa; 1 em Mandirituba; 10 em Pinhais; 10 em Piraquara; 1 em Quatro Barras; 6 em Rio Branco do Sul; 13 em São José dos Pinhais; 3 em Castro; 1 em Ponta Grossa; 1 em Irati; 2 em União da Vitória; 2 em Maringá; 8 em Londrina; 1 em Rolândia; 6 em Carlópolis; 4 em Jacarezinho.

Itaperuçu e União da Vitória tiveram os primeiros casos confirmados nesta última semana.

PANORAMA SARAMPO AMÉRICAS – Dados do informe da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indicam que até o fim de outubro houve a confirmação de casos de sarampo em 14 países, sendo no Brasil a maior concentração de pacientes.

As informações do informe da OPAS mostram que nos dez primeiros meses do ano, 15 pessoas morreram em decorrência da doença, 14 no Brasil e uma na Colômbia.

No Brasil a confirmação de casos de sarampo cresce em número e alcance territorial. Dados do Boletim Epidemiológico nº 33 do Ministério da Saúde apontam 10.429 casos confirmados da doença em 19 das 27 unidades federativas do país.

O Paraná aparece em segundo lugar no número absoluto de casos confirmados, atrás apenas de São Paulo. Em 2019 foram confirmados 14 óbitos por sarampo no Brasil, sendo 13 no estado de São Paulo e 1 em Pernambuco.

Confira mais informações do Boletim Epidemiológico da Secretaria da Saúde clicando aqui.

AEN/PR

CAPAL projeta loja agropecuária em Santo Antônio da Platina

14/11/2019 15:010 comments
CAPAL projeta loja agropecuária em Santo Antônio da Platina

Arapoti – A CAPAL vai implantar uma loja agropecuária em Santo Antônio da Platina, município paranaense com quase 46 mil habitantes. A loja, que está em fase de projeto, é a 18ª unidade da cooperativa. Ainda não há previsão para o início das obras.

A cooperativa tem experimentado crescimento importante nos últimos anos – em 2018 chegou a 18%, fruto de um trabalho intenso junto aos produtores da região do Paraná e São Paulo.

“Essa expansão foi planejada há alguns anos e está sendo cumprida pela administração da cooperativa, atendendo, assim, aos anseios dos associados. Por essa razão, decidimos abrir uma loja em Santo Antônio da Platina, que era uma promessa antiga aos produtores da região”, afirma o presidente-executivo da CAPAL, Adilson Fuga.

A nova loja agropecuária seguirá o padrão de estrutura e de atendimento das unidades da CAPAL, colocando o cooperado e o consumidor em geral como prioridades. “Vamos manter esse padrão, oferecendo um serviço de alta qualidade e, principalmente, observando os valores cooperativistas e promovendo o desenvolvimento do produtor rural”, destaca Fuga.

Com quase 60 anos, a CAPAL é uma das principais cooperativas agroindustriais do País, com faturamento de R$ 1,4 bilhão (2018). Atua nos segmentos agrícola, suinícola e leiteiro, com 3.065 cooperados.

Assessoria de Comunicação PG1

População questiona qualidade das obras de recuperação da PR-092

09:270 comments
Estão sendo recuperados 52,5 KM entre Arapoti e Wenceslau Braz. Foto: Divulgação/AEN-PR

Jaguariaíva – Iniciada no último mês de junho, as obras de manutenção na rodovia PR-092, em pouco tempo, tiveram que ser refeitas. Trechos que haviam acabado de ser recuperados, principalmente entre Arapoti e Jaguariaíva, rapidamente se mostraram novamente deteriorados. Nos últimos dias, a empresa responsável, reeniciou o processo de remendos e microrrevestimento asfáltico.

Estão sendo recuperados 52,5 KM entre Arapoti e Wenceslau Braz. Foto: Divulgação/AEN-PR

O ocorrido fez com que a população começasse a questionar a qualidade do serviço previamente executado. Diversos leitores da Folha Paranaense emitiram sua opinião em nossa página na internet. “Um asfalto de péssima qualidade, bem ruim. O dia que eles entregarem a obra, já vai precisar fazer de novo. Se não trocar a base onde tem os buracos, vai continuar a mesma coisa. Acho que tinha que ser investigado que tipo de material está sendo usado” disse o leitor Renato Falcão.

Márcio Cristiano da Silva afirmou que utiliza a rodovia todo dia pra trabalhar há 10 anos. “É sempre o mesmo papo e serviço ruim, pois arrumam e já estraga em seguida. Desta vez bateu recorde. Estão remendando os remendos. Fazem retalhos no asfalto que foi feito há 1 e 2 meses atrás. Os calombos voltaram a aparecer nos mesmos locais feitos e vai voltar em mais 2 a 3 meses. Gastou pra fazer e agora pra refazer,conseguem entender?” disse.

O leitor Junnior Leal complementou o pensamento de Márcio. “Esse serviço, do jeito que estão fazendo, é jogar dinheiro fora” afirmou.

Resposta

Em contato com o Secretário Estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, foi informado que o Governo sempre está fiscalizando as obras e que até por esse motivo o trecho está sendo refeito na PR-092. “O serviço tem que ser bem feito. Estamos fiscalizando e eles estão tendo que refazer caso não esteja em conformidade. Isso é a nossa exigência” explicou o Secretário.

Ele ressaltou que outro fator que compromete o asfalto é o sobrepeso dos veículos. “Estamos com um problema gravíssimo no estado de caminhões que trafegam acima dos limites de peso permitido. Você faz uma obra dessas e os caminhões começam a rodar com sobrepeso, com muitas toneladas a mais, e aí o assfalto começa a ceder” esclareceu Sandro.

O Secretário explicou que estão aplicando multas para inibir esta atitude. “Nós estamos colocando balanças móveis em diversos pontos, fazendo a fiscalização, para combater este problema” disse.

Obras

Nesta última semana, o Governo do Estado divulgou que a rodovia PR-092, entre Jaguariaíva, passando por Arapoti, até Wenceslau Braz, passa por serviços de remendos e de microrrevestimento asfáltico. As melhorias acontecem no lote 3 do programa Conservação e Recuperação com Melhorias do Estado do Pavimento (Cremep) do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR). Somente neste trecho serão recuperados pontos críticos de 52,5 quilômetros.

Sobrepeso dos veículos é uma das justificativas do Governo para a deterioração do asfalto. Foto: AEN/PR

Mais de 82 mil habitantes dos três municípios serão beneficiados com as melhorias. “As três cidades vão poder contar com uma rodovia em melhores condições para escoar sua produção, principalmente de soja, trigo e milho, sem falar em suas criações de aves e rebanhos de suínos e bovinos”, afirma o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Entre Jaguariaíva e Arapoti estão em execução os serviços de microrrevestimento, empregado principalmente para selagem e impermeabilização do pavimento. Trata-se de uma mistura de agregados miúdos – como areia, pedrisco, pó de pedra ou mistura deles – água e emulsão asfáltica modificada por material semelhante à borracha, seguindo as especificações aprovadas pelo DER/PR.

De Arapoti a Wenceslau Braz estão em andamento os serviços de remendos superficiais e profundos. No caso de remendos superficiais é feito o corte ou fresagem do pavimento próximo ao buraco, limpeza, aplicação de pintura de ligação, seguida pela aplicação de Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) e compactação deste material. Em remendos profundos ocorre também a correção da sub-base e/ou da base do pavimento com buracos, que pode ser feita com colocação de solo-cimento ou macadame seco, e brita graduada, antes da aplicação do CBUQ.

Concessões

“Esse trecho da PR-092 está dentro do novo programa de concessões de rodovias do Paraná e está em andamento o estudo que servirá de base para os novos contratos, que vão garantir mais obras e uma tarifa menor, a partir de 2021. Mas enquanto isso vamos fazer a nossa parte para garantir as condições de uso da rodovia com estes serviços de conservação e recuperação”, afirma Sandro Alex.

O novo programa de concessões incorpora ao conjunto de rodovias que formam os 2,5 mil quilômetros do Anel de Integração mais três estradas estaduais: PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 (Noroeste) e PR-280 (Sudoeste). O futuro leilão também deve abranger os trechos paranaenses das BR-163, BR-153 e BR-476.

Matéria publicada na edição impressa da Folha Paranaense de 11/11/2019

Governo do Estado reforça atenção a comunidades quilombolas

12/11/2019 17:070 comments
Governo do Paraná quer dar mais atenção aos quilombolas. Foto: AEN/PR

Representantes da Superintendência do Diálogo e Interação Social (Sudis), do Governo do Estado, visitaram nesta semana Comunidades Quilombolas no Vale do Ribeira e se reuniram com lideranças. A iniciativa fez parte do projeto Diálogo Paraná Itinerante, de atenção aos povos tradicionais. Foram apresentados os objetivos da nova Superintendência, que foi criada pelo governador Ratinho Junior neste ano.

Governo do Paraná quer dar mais atenção aos quilombolas. Foto: AEN/PR

Participaram do encontro, pela Sudis, os coordenadores Denilton Laurindo (Análise e Tratamento) e Roland Rutyna (Projetos e Políticas Públicas) e Nelson Andrade, assessor de Comunicação. Eles se reuniram com lideranças, entre elas Nilton Morato dos Santos e Antônio Carlos Andrade.

Os representantes Sudis levantaram as demandas das comunidades e constatou-se que precisam de atenção e foco em suas realizações. Há projetos ainda não executados, no papel há anos, o que, segundo os coordenadores, demonstra que faltou vontade política para a realização concreta das demandas.

Segundo Denilton Laurindo, as demandas serão apresentados ao Governo do Estado em um relatório com alternativas a serem aplicadas para dar autonomia a esta população através do programa Paraná Mais Quilombo.

CONSCIÊNCIA NEGRA – No mês da Consciência Negra, a Superintendência do Diálogo e Interação Social inicia uma nova etapa em suas atividades de campo. “Vamos estabelecer diálogo com todas as comunidades Quilombolas do Paraná, buscando o reconhecimento de sua cultura, a titulação de seus territórios e a busca de alternativas de produção, autonomia econômica de forma coletiva e de forma autogestionária”, disse Laurindo.

A Superintendência deverá propor a criação de um Grupo de Trabalho Multidisciplinar para estabelecer, de forma participativa, alternativas inovadoras para autonomia econômica dos povos tradicionais do Paraná.

Paraná confirma 43 novos casos de sarampo em uma semana

08/11/2019 08:160 comments
Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (7) mais um Boletim Epidemiológico com a situação do sarampo. Na última semana foram confirmados 43 casos novos, somando 316 pessoas que estão ou tiveram com a doença no Estado desde o mês de agosto.

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo.

Os dados mostram o grande aumento de casos e o alcance territorial da doença no Paraná. Das 22 regionais de saúde, 20 têm casos confirmados ou em investigação. Apenas as regionais de Campo Mourão e Cornélio Procópio não registram notificações de sarampo.

“O vírus se espalha rapidamente e o sarampo pode ter consequências muito graves. É uma doença que pode comprometer seriamente a saúde. As complicações que uma pessoa que teve sarampo pode desenvolver são otites, infecções respiratórias e doenças neurológicas, a redução da capacidade mental, surdez, cegueira e retardo do crescimento”, alertou o secretário da Saúde Beto Preto.

O sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa e de fácil transmissão. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo). Também podem ocorrer dor de cabeça, indisposição e diarreia. Como não existe tratamento específico para o sarampo é importante ficar atento ao aparecimento dos sintomas.

“Aos primeiros sinais, indicamos que a pessoa procure o atendimento médico para exames e busque ficar sem contato com mais gente até que se descarte o sarampo. Não fique esperando passar ou piorar, é nesse período que a doença pode ser transmitida”, recomendou o secretário.

Os 316 casos estão distribuídos nos seguintes municípios: 217 em Curitiba; 4 em Almirante Tamandaré; 1 em Araucária; 1 em Balsa Nova; 2 em Campina Grande do Sul; 3 em Campo do Tenente; 8 em Campo Largo; 20 em Colombo; 1 em Fazenda Rio Grande; 1 na Lapa; 1 em Mandirituba; 10 em Pinhais; 10 em Piraquara; 1 em Quatro Barras; 5 em Rio Branco do Sul; 11 em São José dos Pinhais; 2 em Castro; 1 em Ponta Grossa; 1 em Irati; 2 em Maringá; 7 em Londrina; 1 em Rolândia; 3 em Carlópolis; 3 em Jacarezinho.

VACINAÇÃO – O Ministério da Saúde organizou a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. A primeira etapa foi realizada para o público de seis meses até cinco anos incompletos. A segunda etapa tem como público-alvo os jovens com idade entre 20 a 29 anos. O período de intensificação para imunização desta faixa de idade é entre 18 a 30 de novembro, com o dia D no sábado, 30.

“Para ter vacinas em todo o Estado, solicitamos ao Ministério da Saúde mais 100 mil doses da vacina tríplice, que previne sarampo, caxumba e rubéola. A nossa preocupação maior é para Curitiba e cidades com maior incidência do sarampo”, disse o secretário Beto Preto.

O objetivo da campanha é interromper a circulação do vírus e proteger os grupos mais acometidos pela doença no País. Toda a população com idade entre um e 29 anos deve receber duas doses da vacina tríplice viral e de 30 a 49 anos, uma dose.

Para saber mais informações sobre a situação do sarampo no Paraná, acesse o Boletim Epidemiológico nº 11.

AEN/PR

Sicredi lança portal que ajuda na escolha de investimentos 

01/11/2019 10:530 comments
Sicredi lança portal que ajuda na escolha de investimentos 

Com o objetivo de desmistificar o mercado de investimentos, o Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal, lança o hotsite Investindo Juntos (www.investindojuntos.com.br). O novo site é direcionado para o público interessado em aplicar recursos, mas tem dúvidas sobre qual a opção mais adequada.

Com a iniciativa, o Sicredi espera levar, de forma simples e direta, conhecimento qualificado para as pessoas sobre os diversos tipos de aplicações disponíveis no mercado atualmente, além de aumentar a visibilidade do seu portfólio de produtos de investimentos. Ao acessar o novo portal, as pessoas responderão algumas perguntas rápidas que servem para traçar o seu perfil de investidor (conservador, moderado ou arrojado). Com base nesses dados, elas receberão conteúdos específicos que ajudam a tomar a decisão sobre qual é o melhor tipo de investimento para fazer o dinheiro render ainda mais.

Além de um e-book de investimentos,os conteúdos incluem uma série especial composta por vídeos com informações sobre produtos de investimentos, sugestões de produtos indicados para cada objetivo e dicas de diversificação de carteira. O jornalista, escritor e apresentador de TV, Pedro Andrade,será o responsável por fazer a apresentação dos vídeos.

Além de possuir classificação excelente nos ratings do setor, como a Moody’s, S&P Global e FitchRatings, o Sicredi administra hoje mais de R$ 109 bilhões em ativos e oferece aos investidores a segurança do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito sobre os depósitos realizados.Atualmente, a Gestora de Recursos do Sicredi administra mais de R$ 33 bilhões em fundos próprios de investimentos e previdência, além de disponibilizar produtos de parceiros.

Produtor que não cumprir com normas terá leite descartado

09:390 comments
Foto Arnaldo Alves - SECS

A Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento alerta os produtores de leite e proprietários de laticínios para a necessidade de manter o cumprimento das Instruções Normativas 76 e 77. As instruções entraram em vigor dia 1º de maio, mas a partir desta sexta-feira (1º) poderá ocorrer o descarte do leite coletado, caso não esteja em conformidade com a legislação do Ministério da Agricultura.

Foto Arnaldo Alves – SECS

Não haverá um aperto na fiscalização que já está em andamento, diz Marisa Koloda Heinning, gerente do Serviço de Inspeção do Paraná (SIP) da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). “Passados seis meses da entrada da legislação em vigor, temos disponíveis as primeiras métricas que aferem a limpeza e qualidade do leite e conferem se as instruções normativas estão sendo seguidas ou não”.

A partir de 1º de novembro, inicia o período de descarte do leite que não está em conformidade com a legislação. Conforme as métricas que estão sendo acompanhadas, o leite que apresentar uma média superior a 300 UFC/ML (Unidade de Formação de Colônia por milímetro) ou 500 mil células somáticas por ml no caso do leite cru refrigerado, será descartado. A fiscalização vai ocorrer nos laticínios.

A Adapar fiscaliza em torno de 76 laticínios de médio porte que comercializam seus produtos no território paranaense, sendo que a maioria apresenta procedimentos em conformidade com a legislação, disse a gerente da Adapar. Segundo ela, esses laticínios estão atentos ao cumprimento das Instruções Normativas e seguem fazendo os exames periódicos e colocando as informações em planilhas.

Os laticínios e indústrias que comercializam seus produtos somente no município são fiscalizados pelo SIM (Serviço de Inspeção Municipal). E os estabelecimentos que colocam seus produtos no território nacional e para exportação são fiscalizados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) do Ministério da Agricultura.

O esforço da Adapar é continuar com a fiscalização atenta para que o leite produzido no Paraná continue sendo referência nacional em qualidade e quantidade. Segundo o IBGE, o Paraná é o segundo maior produtor de leite do País com uma produção de 4,4 bilhões de litros em 2018.

Em relação aos laticínios fiscalizados pelo SIP/POA (Serviço de Inspeção do Paraná de Produtos de Origem Animal), caso não sigam as novas normas do Ministério da Agricultura serão autuados, avisou a gerente da Adapar.

INSTRUÇÕES NORMATIVAS – As INs 76 e 77 tratam basicamente da qualidade do leite entregue na indústria. Os produtores devem entregar o leite a temperatura de 4º C, para evitar a proliferação de bactérias.

O leite entregue na indústria deve apresentar também índices mínimos de 3% de gordura, 2,9% de proteína e 4,3% de lactose. São essas as métricas que estão sendo acompanhadas pelos exames periódicos que devem ser feitos pelos laticínios.

Também os laticínios devem seguir normas específicas que constam nas instruções normativas. O leite recebido deve estar na temperatura mínima de 7º C (ou até 9º C, excepcionalmente).

Segundo o engenheiro agrônomo Hernani Alves da Silva, gerente operacional de Desenvolvimento Rural da Emater, os encontros de treinamento e capacitação de produtores e indústrias no Paraná têm sido um sucesso. Eles são focados em orientar o produtor e indústria e fazer o controle de células somáticas – que é a mastite – e o controle bacteriano total que é basicamente a higiene no processo de ordenha e limpeza dos equipamentos utilizados.

CAPACITAÇÃO – Para orientar os produtores, a Emater do Paraná promoveu 179 encontros entre seminários, reuniões técnicas e encontros, que envolveram a capacitação e treinamento de 11.577 pessoas entre produtores e representantes de laticínios. Foram realizados eventos em todas as regiões do Estado.

Um encontro em Laranjeiras do Sul nesta quarta-feira (29), promovido pela Emater e Adapar, reuniu mais de 400 produtores e 7 indústrias da região. Em Umuarama, uma semana antes, o mesmo encontro reuniu mais de 300 produtores de leite.

Nestes eventos, basicamente foram tratados a questão legal das Instruções Normatizas e as boas práticas agropecuárias: conjunto de atividades, procedimentos e ações adotadas na propriedade rural com a finalidade de obter leite de qualidade e seguro ao consumidor e que englobam desde a organização da propriedade, instalações e equipamentos, além da formação e capacitação dos responsáveis pelas tarefas cotidianas.

AEN/PR

Entenda por que a boa e velha poupança também pode ser uma boa opção de investimento

31/10/2019 09:190 comments
Entenda por que a boa e velha poupança também pode ser uma boa opção de investimento

Nos últimos anos têm se popularizado cada vez mais opções de produtos financeiros, especialmente investimentos que prometem altas taxas de rentabilidade. Mas, muitas vezes, a realidade é um pouco diferente daquilo que é oferecido ou compreendido pelas pessoas. Isso porque junto a uma boa rentabilidade, é comum haver taxas de administração, incidência de impostos, baixa liquidez e outras características que devem ser sempre questionadas para que se avalie se o serviço atende realmente à necessidade e não haja surpresas no futuro.

 

Um dos investimentos mais simples e seguros até hoje é a poupança. Suas regras são definidas pelo Banco Central, sendo que somente instituições autorizadas e fiscalizadas pelo órgão podem oferecer o produto. A caderneta de poupança oferece remuneração garantida. Fora, ainda, que não há incidência de tributação para pessoa física e jurídica sem fins lucrativos.

Além dessas características,sobre os valores aplicados em poupança não hátaxa de administração, que gera o mesmo efeito dos impostos de redução da remuneração bruta oferecida no produto.Considerando isso, a modalidade pode, atualmente, bater outros investimentos.É sempre fundamental levar em consideração todos os fatores que influenciam na escolha do investimento mais adequado. Nessa equação, o valor a ser investido e o tempo que você está disposto a esperar para o resgate também são muito importantes.No mercado há produtos, por exemplo, que só podem ser resgatados pelos clientes 45 dias após o pedido ser realizado junto ao banco e esse fator nem sempre é alertado.

Um levantamento divulgado em junho de 2019 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) apontou que a caderneta de poupança ainda é a escolha de 65% das pessoas que economizam dinheiro. O problema é que as mesmas entidades indicam que 67% dos brasileiros não guardam nenhuma parte dos seus rendimentos mensais. A educação financeira é fundamental para a mudança desse quadro e os números indicam que o cenário pode estar melhorando. Dados do Banco Central de 2018 apontam que, no ano, o volume de depósitos chegou a R$ 2,252 trilhões, o melhor resultado para a aplicação desde 2013.

No Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados e presente em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal, a poupança é um dos focos da instituição, tendo em vista que ela incrementa e fomenta o crédito rural, modalidade muito importante para parte dos associados que são produtores rurais. No ano passado, a carteira de poupança do Sicredi teve incremento de R$ 3,7 bilhões (crescimento de 38,7% em relação a 2017), alcançando o volume total de R$ 13,3 bilhões. Atualmente, já são mais de R$ 14,9 bilhões investidos por mais de dois milhões de poupadores do Sicredi.

Considerando tudo isso, a poupança continua sendo uma boa alternativa para quem deseja começar a investir, uma vez que é um produto cujo funcionamento é simples, a rentabilidade é garantida, o dinheiro aplicado fica disponível para resgate imediato e oferece a segurança de um produto regulado pelo Banco Central.Quem investe em poupança em uma cooperativa de crédito ainda conta com o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), com cobertura de até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ. Isso sem contar que, quando você investe na poupança com o Sicredi, está colaborando com o desenvolvimento local, pois o dinheiro aplicado volta em forma de crédito rural para a sua região e ainda pode gerar uma renda extra na hora da distribuição dos resultados da sua cooperativa.

Lais Horstmann de Souza*

Coordenadora de Produtos de Investimento do Banco Cooperativo Sicredi*

Saúde alerta sobre perigo da desinformação sobre vacinas

18/10/2019 09:150 comments
Foto: Geraldo Bubniak/ANPr

No Dia Nacional da Vacinação, comemorado em 17 de outubro, a Secretaria da Saúde do Paraná ressalta que as informações incorretas sobre as vacinas, que circulam nas redes sociais, promovem um desserviço à população.

“Informações sem comprovação científica, propagadas por sites não confiáveis, se transformam em uma ameaça para a saúde”, afirma o secretário Beto Preto. “Um exemplo é o que está acontecendo com o sarampo: as baixas coberturas vacinais dos últimos anos fizeram a doença reemergir. O Paraná, que não apresentava casos há 20 anos, registra agora mais de 100 confirmados. O sarampo é altamente transmissível e tem na vacina a única forma de proteção”, enfatiza.

Foto: Geraldo Bubniak/ANPr

INFECCIOSAS – Além do sarampo, doenças infecciosas como difteria, hepatite, poliomielite, rubéola, caxumba, coqueluche, gripe, tuberculose e febre amarela, entre outras, podem ser evitadas com a imunização.

“Nosso esforço diário é de aumentar o índice de pessoas vacinadas, seguindo no combate à doenças que são evitáveis. A Secretaria da Saúde, em parceria com as 22 Regionais do Estado e as secretarias municipais, trabalha para atingir 95% de cobertura em todas vacinas oferecidas”, explica o secretário.

CALENDÁRIO – O Calendário Nacional de Vacinação contempla recém-nascidos, crianças, adolescentes, adultos, idosos, gestantes e viajantes. “Ao todo, disponibilizamos, por meio do Ministério da Saúde e Governo do Paraná, 19 tipos de vacinas na rotina da imunização, em 1.800 salas de vacinação no estado. Manter as vacinas em dia é fundamental para a prevenção de doenças”, informa Vera Rita da Maia, chefe da Divisão de Imunização da Secretaria da Saúde.

A chefe da Divisão de Imunização lembra, ainda, que o Cartão de Vacinação deve estar sempre atualizado. “É um documento pessoal e essencial para comprovar o recebimento das vacinas”, disse.

EFICIÊNCIA – Segundo Vera Maia, as vacinas são seguras e estimulam o sistema imunológico a proteger a pessoa contra doenças transmissíveis. “Elas são produzidas a partir do agente causador da doença. Depois de colocado no corpo este antígeno desenvolve um sistema de defesa que nos protege”. Segundo dados da Organização das Nações Unidas, as vacinas salvam anualmente, cerca de 2 milhões de vidas em todo o mundo.

HISTÓRICO – A primeira campanha em massa do país ocorreu há mais de 100 anos. Idealizada pelo médico e a bacteriologista Oswaldo Cruz, ela teve como objetivo controlar a varíola, enfermidade grave que matou muitos brasileiros. O último caso registrado da doença no país foi em 1971.

CAMPANHA CONTRA O SARAMPO – A Secretaria da Saúde informa que segue a Campanha de Imunização contra o Sarampo. Nesta fase da campanha, que começou no dia 7 de outubro e segue até o dia 25, estão sendo vacinadas crianças entre seis meses e cinco anos. Sábado, dia 19, será o “Dia D” desta etapa e todas as unidades de saúde estão abertas para a aplicação de doses.

A segunda fase da campanha tem como público-alvo jovens com idade entre 20 e 29 anos e acontecerá entre os dias 18 a 30 de novembro, com o Dia D ocorrendo no sábado, dia 30.

AEN/PR

Sicredi celebra Dia Mundial do Cooperativismo de Crédito

17/10/2019 09:450 comments
Sicredi celebra Dia Mundial do Cooperativismo de Crédito

Hoje, 17 de outubro, é o dia mundial do Cooperativismo de Crédito. Um modelo de negócios moderno, atual, consciente, disruptivo, sustentável e ao mesmo tempo tradicional, com muitos e muitos anos de história, conquistas e prosperidade.

Prosperidade compartilhada

Todo ano compartilhamos os nossos resultados com todos aqueles que direcionam a sua vida financeira e utilizam as soluções da Cooperativa. São inúmeras pessoas, empresários, assalariados, profissionais liberais, produtores rurais que ao apoiar as Cooperativas do Sistema Sicredi em diversas regiões Brasileiras, contribuem para o desenvolvimento social e econômico das comunidades e municípios, muitos praticamente antes desconectadas do sistema financeiro nacional.

Somos uma cooperativa de crédito para todos

Muita gente nos confunde com as financeiras, mas não somos uma financeira. Temos produtos de crédito, mas com taxas diferentes. Algumas outras pessoas nos confundem com os bancos. Mas, apesar da similaridade no portfólio de produtos e serviços financeiros como conta corrente, capital de giro, cheque especial, seguro, consórcio, cartão de crédito e câmbio, não somos um banco.

Como dito no começo deste texto, somos uma Cooperativa de Crédito. Um modelo de negócio com propósito, moderno, atual, consciente, tradicional e no qual todos, todos mesmo podem participar. Se você busca trazer prosperidade para sua vida, desejando que todos sejam prósperos também, chegou a hora de conhecer o Cooperativismo de Crédito, o Sicredi e, com mais 4,2 milhões de outras pessoas, apoiar um movimento de evolução exponencial, cada vez mais forte, que leva para pessoas em todo o país uma vida mais justa, mais equilibrada e com mais qualidade..