Entenda como milhões de usuários são infectado através do WhatsApp | Folha Paranaense
Entenda como milhões de usuários são infectado através do WhatsApp
23/11/2016 às 17:33

Durante o 3º Fórum Sobre Segurança Digital, especialistas da ESET demonstraram como são aplicados diversos ataques na internet. Conforme explicaram, criminosos focam em plataformas de uso massivo para atingirem o maior número de usuários possível, e poucas coisas no mundo são tão populares quanto o WhatsApp.

Um exemplo real são as campanhas promocionais falsas que prometem descontos. Criminosos criam sites que supostamente oferecem descontos no McDonalds, Starbucks e diversas outras. Na imagem abaixo, vemos divesos exemplos de campanhas falsas.

Porém, para receber o suposto desconto, o usuário deve compartilhar a promoção com seus amigos. Isso cria um efeito viral e aumenta o alcance da campanha.

Esses sites podem facilmente ser modificados, oferecendo diferentes tipos de cupons. Durante a análise da ESET, a campanha de maior sucesso foi a do Starbucks, que em apenas uma semana conseguiu 5 milhões de vítimas.

Muitas vezes, o objetivo dessas campanhas não é infectar o aparelho da vítima, mas sim conseguir seu número. Com essa informação pode-se enviar mensagens SMS pagas, por exemplo. Apesar de cada usuário não gerar grande retorno financeiro, quando falamos de milhões de vítimas, os valores se tornam bastante atrativos para criminosos.

Na imagem acima vemos um exemplo onde o usuário é levado a uma página que supostamente permite a customização do WhatsApp, parecido com o que vimos no início deste ano. Para conseguir isso, ele deve inserir seu número.

Neste exemplo, o dano não é tão grande, talvez alguns reais. Para se livrar do problema, o usuário pode, por exemplo, contactar sua operadora. Mas é importante ressaltar que este tipo de campanha também pode ser utilizado para infectar smartphones com malwares ou outros tipos de ameaça.

Como se proteger?

Existem diversos aplicativos se segurança de qualidade para smartphones, que após identificarem campanhas maliciosas, bloqueiam o acesso aos sites. Contudo, conforme afirmam os especialistas da ESET, a maior proteção está na educação dos usuários.

É preciso sempre estar atento, especialmente se algo parece bom de mais para ser verdade. Um ou dois segundos a mais analisando a URL de um site antes de clicar faz toda a diferença.

Isso pode parecer senso comum para a maioria dos leitores do TudoCelular, mas na realidade, milhões de pessoas são vítimas deste tipo de ataque constantemente. Sendo assim, é importante educar aqueles que não possuem tanta familiaridade com novas tecnologias.

Tudo Celular

http://www.tudocelular.com/seguranca/noticias/n82931/whatsapp-seguranca.html

Deixe seu comentário