terça-feira, fevereiro 27, 2024
Início Categoria Crônicas: Vida e Morte Paranaense

Crônicas: Vida e Morte Paranaense

VIDA E MORTE PARANAENSE

Outeiros espraiados de tabaco estendem-se até o limite turvo da vista cansada. Nalgum cafundó esquecido desse mundaréu paranaense: ermo interiorano. Mulheres negras passam o dia colhendo fumo e tolhendo a vida. Andando de uma linha à outra da plantação, serviço que não acaba: sagarana cotidiana. Cansaço transpassa a pele mulata e inunda a roupa-trapo. Debaixo do mormaço, as pernas tropicam entre as linhas esburacadas. Calhamaço de folhas cobrem os braços dormentes, as récuas panturrilhas com varizes tatuadas se queixam para os calos dos dedos: psicanálise campesina.

Quando engrossa a chuva na roça, as roupas pesam mais sobre a pele. O cheiro do agrotóxico emerge da terra e das folhas de ouro verde. Faces cabisbaixas e borocoxôs embaixo do chapéu de palha, corpos já molambentos. Desde criança conhecem a educação pelo arado: deixaram de estudar para laborar. Orar para não caducar, dizem as comadres. Oxalá, depois da colheita terá novena, rezar pra Ogum, haja mandinga e oração para tanto sofrimento e lassidão.

O patrão sinaliza; é hora do almoço, sem alvoroço, momento de comer e reclamar das dores. Lavam as mãos, desembrulham a marmita do sacolão de pano, repartem o pão, mexem o virado. Os olhos desacorçoados marejam: não se sabe mais o que é suor e o que é lágrima. Ensejam e farejam outra linha que não essa de agrotóxico.

Depois do almoço, a tarde inda é graúda. A dor nas costas do agachamento constante para colher o fumo que instiga o banzo do curumim sozinho em casa. “Menino cresce e a gente tá longe” – fala uma das mulheres. “Quando chego em casa, nem abraço a minha criança, tô fedida do trabalho” – responde a outra. “Mas fumo nem trabalho é, é escravidão” – reverbera. “Pois é comadre, mas as contas tão aí” – completa. As duas riem e seguem a linha até a silhueta naufragar no cansaço continental.

Quando o fim da tarde se achega, elas voltam para os mocambos, com o sorriso amarelo, roupas pesadas e o palheiro entre os dentes… pigarreando. Tomam tarja preta, descansam e falam para o filho: “dorme com Deus, amanhã é dia de preto.” Noutro dia, acordam antes do sol e trabalham até depois do crepúsculo. Na roça, não há tempo fixo. É preciso encher a estufa, é preciso pagar as contas, a precisão antecipa a saúde, a vida.

Texto de Juliano Lima Schualtz, estudante de História da UEPG, Ponta Grossa, produzido no âmbito do projeto Crônicas dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais.

escort eskişehir escort sakaryat escort sakarya bayan escort eskişehir bayan