quinta-feira, dezembro 2, 2021
Início Notícias Regionais Mudanças no clima exigem ações para garantia do abastecimento de água, dizem...

Mudanças no clima exigem ações para garantia do abastecimento de água, dizem especialistas

A situação do abastecimento de água para o futuro diante das mudanças climáticas foi um dos temas abordados em painéis de debates durante o 31º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, em Curitiba. Organizado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), é o primeiro grande evento realizado na Capital após o início da pandemia. A Sanepar está participando como patrocinadora e com a presença de profissionais da área nas palestras e apresentações de trabalhos. Pela primeira vez de forma híbrida, o congresso pôde ser assistido presencial e virtualmente por centenas de pessoas.

Em palestra sobre a crise hídrica e os usos múltiplos da água, o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Companhia, Julio Gonchorosky, disse que a crise vivida no Paraná e em outros estados é uma história que ainda está sendo escrita. “Vivemos um período bastante crítico que ainda não tem previsão de quanto vai durar. Temos pela frente o próximo período de seca, no outono e inverno de 2022, mas esperamos dificuldades muito menores do que as que tivemos até agora”, ressaltou.

O superintendente de Regulação de Usos de Recursos Hídricos da Agência Nacional de Águas (ANA), Patrick Thadeu Thomas, enfatizou que a escassez de água, antes restrita a algumas regiões do País, é uma realidade agora bastante abrangente no Brasil e exige novos protocolos e sistemas de gestão de crise hídrica.

“É preciso atitudes de adequação a este cenário, ter regras de operação dos sistemas estabelecidas para períodos atípicos. Às companhias de abastecimento é necessário adotar uma engenharia de adaptação. À indústria e sociedade cabem igualmente maior esforço e a adoção de medidas de uso mais eficiente do recurso”, afirmou.

No painel sobre adaptação e mitigação no planejamento e na execução dos serviços de saneamento devido às mudanças climáticas, o pesquisador em meteorologia e doutor em mudanças climáticas Francisco Eliseu Aquino, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), disse que o planeta está no seu período mais quente dos últimos 2 mil anos.

“Isso impacta o sistema climático de todo o planeta de diferentes magnitudes. Temperaturas maiores aceleram fenômenos do clima. Provavelmente vamos encerrar 2021 como o sexto ou sétimo ano mais quente dos últimos 150 anos. Isso nos faz olhar em mapas e eventos extremos ocorridos e notar, por exemplo, que tivemos o terceiro inverno mais quente na América do Sul do último século”, alertou o professor.

“As concentrações de dióxido de carbono (CO2) nunca estiveram tão altas, e esse rápido aumento traz consequências. Favorece o aumento da temperatura, o que intensifica fenômenos como fortes secas, tempestades severas, ondas de calor e de frio”, completou.

Aquino afirmou, ainda, que essa realidade tem sido percebida no Sul do País, região que comumente não sofria com secas tão intensas e tempestades muito severas. “Vemos atualmente maior número de dias, semanas ou meses ou em estiagem ou em precipitação extrema, intensa. Crises hídricas e ondas de calor serão mais comuns. Estamos com grandes desafios para pensar o planejamento estratégico do saneamento no nosso País. Nossas decisões e planos futuros de preservação ambiental versus as mudanças climáticas em franca aceleração causadas por nossas próprias atividades determinarão se teremos um cenário ruim ou péssimo”, concluiu.

O 31º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental é realizado no espaço Expo Unimed, em Curitiba, junto com a Feira Internacional de Tecnologias de Saneamento Ambiental (Fitabes), e se encerra na noite desta quarta-feira (20).

AEN/PR

- Advertisment -