Colégio de Arapoti adere à greve dos professores do Estado contra privatização

Colégio de Arapoti adere à greve dos professores do Estado contra privatização
Foto: Reprodução Redes Sociais

Arapoti - Nesta segunda-feira, 03, o Colégio Estadual Carmelina Ferreira Pedroso amanheceu com os seus profissionais em greve. O movimento se dá em protesto pelo projeto do Governo do Estado (Parceiro da Escola) que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná e prevê a possibilidade da terceirização da gestão de 200 escolas públicas para empresas privadas. O Carmelina é uma das instituições de ensino que estão englobadas no pacote do projeto.

O Governo do Estado tentou impedir a realização da greve acionando a Justiça e conseguiu uma decisão favorável da desembargadora Dilmari Helena Kessler estabelecendo que o sindicato dos professores está impedido de realizar qualquer movimento grevista até que apresente um plano de manutenção das atividades educacionais, sob multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento. No entanto, mesmo com a medida contrária na esfera jurídica, milhares de professores aderiram ao protesto em todo o estado.

Outra vitória do Governo conseguida junto à Justiça foi a manutenção da votação do projeto para esta segunda-feira. Oito deputados estaduais haviam entrado com uma mandado de segurança tentanto barrar a tramitação da matéria. 

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) indeferiu neste domingo (02) um pedido de parlamentares da bancada da oposição para suspender a tramitação do programa "Parceiro da Escola" na Assembleia Legislativa. Com isso, a votação do projeto no plenário da Casa Legislativa está mantida a partir desta segunda-feira (3). O pedido era baseado em questões do regimento interno. No entanto, de acordo com a decisão, não há nenhuma ilegalidade no rito interno de votação que justifique alguma suspensão.